.

Colabore com o Feudalismo Atual escrevendo para o e-mail: juliano.bueno1971@gmail.com ou ligue para 99164-7827

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Novos estádios,por Milton Wendel

Não é só a Fonte Nova que vai ser reformada. O estádio de Fortaleza (Castelão, do governo do Estado do Ceará)também. Inclusive em Fortaleza já houve o primeiro problema de licitação: o governador Cid Gomes tentou "arranjar" a obra para uma empreiteira de várzea, local, mas a "série A" das empreiteiras penta-campeãs recorreu ao tapetão. Eles vão ter de se entender para ratear a obra a arrecadação da reforma, que num primeiro orçamento já fica em torno de meio bilhão de reais.

Acabou de ser divulgada a maquete do "Fielzão", estádio que se tornou "necessário" quando a FIFA recusou o Morumbi, do São Paulo Futebol Clube.

Há quem diga que serão roubados, no Brasil, com a realização da Copa de 2014, cerca de 50 bilhões de reais. Dinheiro que se você reivindicar para a Educação, não iria aparecer NUNCA.

Elogio da Dialéctica

A injustiça avança hoje a passo firme
Os tiranos fazem planos para dez mil anos
O poder apregoa: as coisas continuarão a ser como são
Nenhuma voz além da dos que mandam
E em todos os mercados proclama a exploração;
isto é apenas o meu começo

Mas entre os oprimidos muitos há que agora dizem
Aquilo que nòs queremos nunca mais o alcançaremos

Quem ainda está vivo não diga: nunca
O que é seguro não é seguro
As coisas não continuarão a ser como são
Depois de falarem os dominantes
Falarão os dominados
Quem pois ousa dizer: nunca
De quem depende que a opressão prossiga? De nòs
De quem depende que ela acabe? Também de nòs
O que é esmagado que se levante!
O que está perdido, lute!
O que sabe ao que se chegou, que há aì que o retenha
E nunca será: ainda hoje
Porque os vencidos de hoje são os vencedores de amanhã

Bertolt Brecht

Fonte:Centro de Estudos Políticos Econômicos e Culturais CEPEC

O Caxias na "Terceirinha"

O Caxias voltou ao futebol profissional disputando a terceira divisão do Campeonato Catarinense, a chamada "Terceirinha". É uma divisão em que os clubes trabalham para plantar os alicerces que viabilizarão as participações nas divisões superiores. A "Terceirinha" não é um ônus, é uma oportunidade de estruturar o clube, criar os alicerces de um clube sustentável. Alguns ainda não têm nem estádio próprio e fazem mando itinerante de seus jogos. Outros, como o Oeste de Chapecó e o Caxias de Joinville, têm o privilégio de mandar seus jogos em grandes templos do futebol como os estádios Indio Condá e Ernesto Schlemm Sobrinho. Os elencos são formados por jogadores jovens que estão conquistando o primeiro emprego como profissionais.

Mas o que são os alicerces de um clube sustentável que possa disputar competitivamente qualquer nível de futebol profissional, sem acabar num grande desastre? Erra quem pensa que sejam coisas como um grande estádio, patrocínios milionários ou craques contratados a peso de ouro. São coisas bem mais básicas (e até mais difíceis de estruturar): um bom gramado, um elenco de jovens sérios e motivados, um estádio compatível, comissão técnica, rouparia, refeitório, torcida, coisas que se não existirem acabam causando o fracasso inevitável.

O Caxias está trilhando com realismo e sobriedade esta fase fundamental do futebol profissional. O campo do Caxias, com dimensões de Mineirão e de Beira-Rio, está com o gramado impecável. O elenco é formado por uma garotada motivada e séria. O estádio Ernestão foi reaberto com capacidade para 2500 espectadores acomodados em arquibancada elevada e coberta - um requinte para qualquer divisão do futebol brasileiro.

Claro que nós, torcedores do Caxias, queremos levantar a taça da Terceirinha de 2010. Será o título do aniversário dos 90 anos do Caxias. Esperamos que nosso time seja o melhor dentro das quatro linhas, vença com méritos e conquiste a taça. Mas duas outras vitórias o Caxias já conquistou neste ano de 2010: elevou o gabarito das competições da Federação Catarinense de Futebol e trouxe de volta a Joinville o futebol praticado em gramado de grandes dimensões e de boa qualidade.

Milton Wendel

domingo, 29 de agosto de 2010

Jornalista boca alugada

Tem um jornalista(de jornal) aqui de Joinville que não preserva a fonte...Bahhh!!! Grande profissional esse!!! Mas um dia com certeza ele virá procurar a gente de novo...Mas é um coitado,submisso de um alienígena.

Como é que é!!! Fonte para a Nova Fonte Nova???

Dinheiro para construir estádios de futebol tem...Agora,dinheiro para aplicar na saúde não existe??? Implodiram a Fonte Nova e irão construir uma nova Fonte Nova??? Quero saber da onde é a "fonte" para a construção dessa nova Fonte Nova...Pelo jeito dinheiro não é problema...Isso é uma barbaridade!!!

Falta dinheiro...Será???

Pelo que estou observando...o dinheiro arrecadado pela Prefeitura só serve para manter a máquina do governo funcionando...A Prefeitura não tem mais recursos para grandes obras,essas dependem do governo estadual ou federal.

Sábado de manhã na Avenida Santos Dumont

Mais um grave acidente aconteceu na Santos Dumont...Com certeza não será o último...Caramba!!! Se até o Papai Noel sabe que essa avenida é perigosa,por que a Prefeitura de Joinville,a Conurb e o próprio IPPUJ não fazem alguma coisa para proporcionar mais segurança nessa via??? Ou teremos que esperar as eleições de 2012???

A falta de educação no trânsito de Joinville


Nosso motorista é mal educado...Nosso motociclista é irresponsável...Nosso ciclista se acha imortal...E o nosso pedestre fica atravessando a rua em qualquer ponto.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Morro do Meio terá mais ruas pavimentadas


O prefeito de Joinville, Carlito Merss, assinou no dia 10 de agosto contrato para as obras de microdrenagem e pavimentação em 12 ruas do bairro Morro do Meio e entregou para a empresa executora da obra, Vogelsanger Pavimentação Ltda...Na foto o prefeito Carlito e o empresário Márcio Vogelsanger.

Fonte:Secretaria de Comunicação da Prefeitura de Joinville - Foto: Kátia Nascimento(10/08/2010)

E o Jec???

O Jec irá enfrentar o Irati...Nesses jogos decisivos,o tricolor precisa de muito apoio de todos os torcedores...Daí a necessidade de baixar os preços dos ingressos...Infelizmente,a diretoria priorizou somente o sócio...Não que seja errado valorizar o sócio-torcedor,mas num momento decisivo como esse um precinho mais camarada só ajudaria a torcida mais humilde...É meu ponto de vista...O clube está perdendo muito dinheiro.

Belo patrimônio

Os caxienses sofreram mas conseguiram manter o comando do Ernestão...Aos poucos,com planejamento,gradativamente o Caxias voltará a conquistar seu espaço no futebol profissional...É questão de tempo.

Caxias Futebol Clube,por Milton Wendel

Quem assistiu a reestréia do Caxias no futebol profissional, no último dia 22 (eu voltei a pagar ingresso para assistir futebol em Joinville, depois de seis anos), deve ter reparado que o Caxias está mandando seus jogos num campo de primeira classe. O gramado do Ernestão é perfeito, plano, todo verde, daquela grama francesa que "fecha" e forma um verdadeiro tapete. É de encher os olhos. Não é qualquer clube que dispõe de um campo tão bom - nem mesmo na Série A do Campeonato Brasileiro. O Caxias está de parabéns.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

O crime da mala

Matar uma pessoa já é algo que choca.Imagine agora colocando o corpo na mala e jogando no poluído rio Cachoeira??? É muita frieza mesmo.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

O mal empresário

É aquele que malha o pau no governo...Vive reclamando dos impostos mas quando pode os sonega,por isso não tem moral para cobrar nada em infraestrutura...Também não dá nota fiscal para seus clientes...Se puder,altera a qualidade do combustível para "ganhar mais um pouquinho"...Não está nem aí com a natureza, jogando para o poder público uma responsabilidade que também é sua pois se beneficia da mesma (água,árvores,ferro,etc) para desenvolver seus negócios e ainda trata seus funcionários como seres inferiores.

O bom empresário

O bom empresário é aquele que reclama dos impostos,mas mesmo assim honra seus compromissos com os funcionários e com o governo...Esse deve ser tratado com todo respeito pelos poderes Executivo,Legislativo e o Judiciário...pois contribui para o desenvolvimento de sua cidade,estado e país...O bom empresário não pode ser tratado como bandido.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

VLT:Debate aberto continua


O custo do transporte urbano deve ser analisado por diversas óticas e não apenas pelo custo da tarifa. Cada passageiro que o sistema passa a transportar significa um carro ou uma moto a menos no trânsito. Pelo lado dos impactos econômicos e ambientais são diversos os benefícios e todos eles devem fazer parte da análise de viabilidade.

Mas também devemos saber escolher alternativas que tenham um horizonte mais amplo. BRT é um modelo lastreado em ônibus, movido a combustível fóssil. Polui e tem impactos determinantes no espaço urbano, constituindo-se numa barreira física quase intransponível.

A propósito, é interessante ver o que a cidade de Macaé, no Rio de Janeiro, fez com seus trilhos abandonados. Uma cidade com 224 mil habitantes teve motivações diferentes das dos nossos planejadores mostrando que o critério e viabilidade é muito mais amplo do que apenas os parâmetros colocados pelo presidente do IPPUJ.

Autor:Sergio Gollnick(20/08/2010)

Fonte:Retirado também do blog Comentários de Joinville

Debate aberto é mais produtivo

Mobilidade urbana - Ônibus - VLT


A troca de informações e desinformações que tem surgido na imprensa local nestes dias sobre o Metro de Superfície ou VLT versus a opção dos corredores de ônibus é interessante. Mas esta ficando tendenciosa. Divulgar informações de forma parcial e truncada, não ajuda a esclarecer o debate, pelo contrario gera confusão ao comparar alhos com bugalhos.

Comparar só os custos dos investimentos, sem considerar outros pontos, como a vida útil, a capacidade operacional, a velocidade media de operação, o numero de passageiros transportados, os índices de segurança, o nível de conforto para os usuários ou o nível de poluição é reduzir o debate a uma visão míope e tendenciosa.

Bem vindo o debate desde que seja amplo, transparente, esclarecedor e aberto.

Fonte:Jordi Castan,Comentários de Joinville-Jornal A Notícia(19/08/2010)

Só faltam reclamar disso aqui

Todos candidatos da eleição desse ano estão de parabéns...É a eleição mais organizada de todos os tempos...Não existe poluição visual...Os cavaletes nas esquinas com certeza foram uma alternativa inteligente...Aos que andam reclamando é necessário explicar que a propaganda eleitoral é imprenscindível para conhecermos os candidatos...Viva a democracia!!!

Olha a propaganda do Fusca...Clique na imagem para ler o texto

Sobre a utilização do trem em Joinville

Realmente não entendo. Joinville quer ser moderna....esquecendo seu passado e o que este tem de futuro. Um exemplo de cidade moderna, Hannover mantem seu passado que agora é moderno. Vejam o sítio
http://www.hannover.de/english/mobility/index.html
Eles mantem trens e bondes...que ajudam a manter a cidade menos poluída e tiram o carros das ruas.
Berlin tem 21 linhas de bondes e 5 delas funcionam a noite toda. Como gostaria de ter o mesmo em Joinville.

Roberto S.Ulbertino Rosso Jr.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Desabafo do Mayorca*

Caros Amigos e Amigas Verdes !
Hoje nos jornais : Conflito no PV
O mico colocado dentro do PV, por pessoas novas (recém filiadas
e sem história no Partido Verde e Movimento ecológico) saiu dos limites do partido. Urge, convocar reunião, para expulsão do "corpo estranho" e de seus seguidores.
Não deverá ser tarefa fácil, pois ao que parece; salvo melhor juízo, querem mesmo é destruir o movimento Ecológico Holístico (Leia-se Partido Verde).

*Aurélio Mayorca,um dos fundadores do Partido Verde de Joinville

Fato negativo

As rádios de Joinville não transmitiram o jogo do Caxias.

Muito bacana

A cobertura que a RBS e a RIC fizeram sobre a volta do Caxias...Os jornais A Notícia e Notícias do Dia também deram destaque ao retorno do Gualicho...Muito bacana mesmo.

sábado, 21 de agosto de 2010

Sem esquecer

Muito boa a matéria sobre a abertura do Canal do Linguado que foi publicada na semana que passou pelo Jornal Notícias do Dia...Quero ver o governo que vai encarar a necessária abertura do famoso e poluído canal.

IPPUJ erra mais uma vez

Realmente dá para perceber que o IPPUJ não quer dar ouvido as opiniões de outros segmentos da sociedade joinvilense...Ora,agora querem tirar os trilhos e colocar uma canaleta exclusiva para o ônibus??? Se existe a linha férrea,por que não utilizá-la justamente com um trem(ou VLT) ligando os bairros Nova Brasília e o Paranaguamirim até a Avenida Getúlio Vargas??? Será que vão jogar a água suja fora com a criança junto??? Se existe a ferrovia use e abuse da mesma..Se quiserem deixar na mão da iniciativa privada que façam a licitação e pronto...O que não se pode é simplesmente desprezar um patrimônio histórico da cidade,que é o trem juntamente com a estrada de ferro e substituir por mais asfalto,mais ônibus,mais combústível,mais semáforos e mais improvisos.Façam uma pesquisa na cidade e perguntem para a população se eles querem que o trem saia dali...Fechar-se em quatro paredes e decidir como será o trânsito de Joinville sem dialogar com os setores interessados na preservação do trem aqui na cidade,é mais um erro do IPPUJ.

CORREDORES DE ÔNIBUS, MESMO

Como o metrô de superfície e os veículos leves sobre trilhos (VLTs) são considerados pelo Ippuj projetos para um futuro relativamente distante, os corredores de ônibus são a intervenção em estudo no instituto. Mas não aquelas vias mais ou menos exclusivas, como há na João Colin e na Blumenau. É via segregada mesmo, só para o ônibus. Seria um complemento do Eixo Norte-Sul, entre a UFSC e os campus da Univille/Udesc. Os corredores de ônibus seriam instalados no bairro Itaum, onde hoje está o traçado do trem. Claro que tal obra só seria possível após a conclusão do contorno ferroviário, o que deve acontecer até o final de 2011. O governo federal tem também de ceder a área desocupada. Por fim, a grana. O corredor de ônibus faz parte do Eixo Norte-Sul, orçado em quase R$ 100 milhões (ciclovias, quatro elevados, duplicação da Santos Dumont etc.). Na área central, depois da São Paulo e em direção à Beira-rio e Santos Dumont, os corredores seriam mais simples, semelhantes ao existente na Blumenau – mas poderiam contar com avanços, como estações tubulares etc. Há projetos básicos e executivos para boa parte do Eixo. No caso de uso da linha de trem, os estudos ainda não são conclusivos. Enfim, é o que há de mais grandioso em mobilidade urbana em estudo no Ippuj.

Fonte:Jornal A Notícia,Coluna do Jefferson Saavedra(22/08/2010)

Parece piada

Que absurdo. Uma candidata à presidência da República está com visita marcada para Joinville e o candidato a governador do próprio partido da candidata manda ela não aparecer. Nunca vi disso!

Milton Wendel

De um amigo jequeano fanático

Só falta a torcida do Jec votar "naquele candidato" que afundou o clube,né!!! Candidato que afundou o clube??? Quem será.

Não precisa dos votos de Joinville

Em ano de eleição deixar de visitar Joinville é uma grande burrice para quem pretende algo mais na próxima eleição...Ou será que quem fez o convite a "essa candidata" está sem crédito,hein!!!

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Rádios joinvilenses perdem em audiência

Rádios FMs de Joinville seguem a tendência nacional desprezando o ouvinte local e perdendo audiência e anunciantes.O tradicional nome Floresta Negra foi trocado pela Mais FM e no lugar da Colon veio a 89...Enquanto isso emissoras de outras cidades conquistam ouvintes daqui de Joinville.

Isso é porque o aeroporto de Joinville não oferece condições...


...Imagine quando oferecer!!! A Azul quer viabilizar um vôo ligando Joinville a Campinas.Nota 10 para a Azul que acredita no potencial do aeroporto de Joinville.

O retorno do Caxias F.C


O Estádio Ernesto Schlemm Sobrinho, em Joinville, o Ernestão, vai receber público na estreia do alvinegro joinvilense no Campeonato Catarinense de Divisão de Acesso, neste domingo.

Depois de receber laudos da direção do clube, a Polícia Militar realizou nova vistoria no estádio, nesta sexta-feira, e enviou relatório à Federação Catarinense de Futebol.

No começo da noite, o Ernestão foi oficialmente liberado para receber o jogo com público. O Caxias estreia contra o Maga, de Indaial, às 15 horas de domingo.

Fonte:Jornal A Notícia(20/08/2010)

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Uma pergunta

Será que uma determinada rádio aqui de Joinville transmitirá os jogos do Caxias??? Ou continuará transmitindo os jogos do Coritiba??? E ainda dizem que acompanham o esporte de Joinville...Sem comentários.

Toda greve...

...É política e sempre será política.

Sabe o que irá acontecer com esses adolescentes???


Nada!!! Absolutamente nada,pois o Estatuto da Criança e do Adolescente os protege...Aliás!!! Se o padrasto vier a morrer...os dois "anjinhos" continuarão soltos.

Detidos adolescentes suspeitos de esfaquearem o padrasto em Joinville

A menina de 15 anos e o irmão de 12 estavam em uma rua do bairro Aventureiro


No fim da manhã desta quarta-feira, foram detidos os dois adolescentes suspeitos de esfaquearem o padrasto no bairro Costa e Silva.

A menina de 15 anos e o irmão de 12 estavam em uma rua do bairro Aventureiro quando foram detidos. Segundo informações da Polícia Militar, a garota tentou fugir quando viu a PM, mas logo foi detida.

O policial militar Ricardo Rodolfo Pereira contou que desde quando receberam uma denúncia anônima fizeram rondas no bairro. Os menores disseram que desde a noite da tentativa de homicídio ficaram pelas ruas.

Os dois foram levados para a Delegacia da Mulher, Criança e Adolescente. A vítima, o homem de 47 anos, está internado em estado grave no Hospital São José. Já passou por cirurgia e agora está na UTI.

Segundo informações da Polícia Militar, os dois adolescentes estavam sob efeito de entorpecentes e o agrediram depois que ele se recusou a dar dinheiro para que eles pudessem comprar mais drogas. Os irmãos fugiram.

Fonte:Jornal A Notícia(18/08/2010)


terça-feira, 17 de agosto de 2010

Idéia infame

A idéia apresentada pelo industrial joinvilense Udo Döhler de se aproveitar a calha do rio cachoeira para fazer o traçado de um "metrô" para Joinville, além de ser infame e não contemplar o ideal de recuperação do Rio Cachoeira, mostra a forma vândala e inconsequente como a elite joinvilense sempre tratou o rio que corta o centro da cidade.
O Cachoeira se tornou um esgoto a céu aberto porque a elite joinvilense nunca teve preocupações ambientais, preservacionistas ou ecológicas. Ela sempre se beneficiou do saque dos recursos naturais. A depredação virou saldo bancário. As primeiras pontes construidas sobre o rio cachoeira, ainda no século 19, nunca se preocuparam com o rio, tendo sido construidas ao nível das barrancas e resultando impedimento à passagem de veleiros. E esta cultura de desprezo ao rio se manteve forte e absoluta durante todo o século 20, despejando esgoto, tinta, resíduos industriais, tudo que representava ônus. Sujar e destruir o Cachoeira foi um grande negócio - para alguns.
O que ninguém esperava é que esta cultura vândala de depredação fosse se manifestar, como um atavismo assustador, ainda no século 21. Estamos muito atrasados, por aqui. E este atraso não é por culpa do "povão" não - é por culpa de uma elite colona e depredadora.

Milton Wendel

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Estatuto da Criança e do Adolescente...Maior idade penal só aos 18 anos...

...Vão deixando,vão deixando.A situação já passou dos limites e nossas autoridades não estão fazendo absolutamente nada para mudarem essa triste realidade.

É grave estado de saúde de homem esfaqueado em Joinville(por duas crianças)


O homem de 47 anos que teria sido esfaqueado pelos dois enteados no fim da tarde de domingo segue internado em estado grave no Hospital São José, em Joinville. Conforme o hospital, a vítima respira com a ajuda de aparelhos e corre risco de morte.

Quando ele foi socorrido, no bairro Costa e Silva, havia suspeita de perfuração no pulmão.

Segundo informações da Polícia Militar, os dois adolescentes estavam sob efeito de entorpecentes e o agrediram depois que ele se recusou a dar dinheiro para que eles pudessem comprar mais drogas. Os irmãos fugiram.

Fonte:Jornal A Notícia(16/08/2010)

Manifesto sobre o fechamento do Museu da Bicicleta (MUBI)

Excelentíssimo Prefeito,

O Movimento Pedala Joinville reuniu-se no dia 04 de agosto de 2010 com o ilustríssimo Sr. Silvestre Ferreira, Presidente da Fundação Cultural de Joinville (FCJ), com a ilustríssima Sra. Elizabete Tamanini, Gerente de Patrimônio Cultural e outros três membros da equipe, para esclarecimentos a respeito do fechamento do Museu da Bicicleta de Joinville (MUBI). Na reunião fomos informados de que o MUBI foi fechado por não estar em situação regular de acordo com as regras do Sistema Nacional de Museu (na realidade o problema principal é o Valter não ter uma entidade que possa receber recursos da Prefeitura) e também porque a Fundação Cultural necessitava da área física ocupado pelo MUBI para a criação de um espaço de memória (Memorial do Transporte) no futuro Parque da Estação. A Fundação Cultural propôs então que algumas bicicletas do acervo sejam expostas nesse Memorial dos Transportes. O Movimento Pedala Joinville não concordou com essa proposta pelos seguintes motivos:

  • Somos a "Cidade das Bicicletas". Por isso faz todo sentido termos um Museu exclusivo de Bicicletas;

  • O Museu da Bicicleta de Joinville é o único do gênero em toda a América Latina. Ao digitar no Google "Museu da Bicicleta" aparecerão inúmeras reportagens, citações e elogios ao MUBI. Já tivemos muitos visitantes em Joinville que vieram à cidade exclusivamente para conhecer esse Museu; Com certeza existem muitas cidades brasileiras que levariam o Museu de Joinville e investiriam pesado para ter o privilégio de serem referência nacional. Em Santos por exemplo estão planejando também a instalação de um Museu da Bicicleta e citam o MUBI como sua inspiração;

  • O Movimento Pedala Joinville vem trabalhando para recuperar a cultura do uso da bicicleta e ter um Museu contando a história do uso da bicicleta é de muita importância para o Movimento;

  • Temos recebido mensagens de apoio de toda a sociedade joinvilense. Para citar apenas alguns exemplos: reitores, funcionários de áreas diversas da própria prefeitura, políticos, empresários. São muitas também as mensagens recebidas de todo o Brasil. Todos estão indignados com a decisão da Fundação Cultural;

  • Temos informações da disponibilidade de espaço físico no futuro Parque da Estação para contemplar simultaneamente o Museu da Bicicleta e os demais espaços de memória.

A Fundação Cultural propõe a criação de uma comissão composta por membros da equipe técnica da própria Fundação e por integrantes do Movimento Pedala Joinville para encontrar uma solução para o problema do MUBI.

Com base nessas informações o Movimento Pedala Joinville solicita a colaboração do Excelentíssimo Prefeito para:

a)Manter o espaço físico no Parque da Estação para reabrir o Museu da Bicicleta de Joinville; tendo em vista que o MUBI somaria com a pretendida mostra dos Transportes planejada pela Fundação Cultural.

b)Buscar verbas para a regularização e manutenção do Museu da Bicicleta de Joinville;

A perda do Museu da Bicicleta é um retrocesso para a cultura de Joinville, e essa não é apenas a opinião do Pedala Joinville, mas a dos Joinvilenses. Nós estamos certos de que, com vontade política, Vossa Excelência pode consertar eventuais detalhes que faltam para manter e melhorar o Museu da Bicicleta, construindo assim mais um degrau para a cultura da bicicleta em Joinville.

Contamos com a ajuda de vossa excelência para que esse problema seja resolvido o mais breve possível.

Atenciosamente.

Wilson L. Guesser,vice-presidente
Dietmar E.B.Lilie,diretor técnico
Laércio Batista Junior,presidente


domingo, 15 de agosto de 2010

Fable (Dream Version) - dance 90

Concurso Público(sobre o IPPUJ),por Jordi Castan

A idéia de concurso publico, não é para contratar mais gente na maquina publica, que nos últimos anos tem crescido de uma forma assustadora. A idéia é a de defender que quando se utilizem recursos públicos seja obrigatória a contratação dos projetos por concurso publico. Os institutos de planejamento, e nos temos também um em Joinville, parece que esgotaram a capacidade para criar, os profissionais que neles trabalham, precisam pensar, planejar e fazê-lo melhor do que o tem feito até agora, os desafios são maiores e a sensação é que eles e a sociedade estão começando a ficar cansados, das mesmas soluções de sempre.

Alguém pode até defender que os projetos feitos por estes profissionais a soldo do município, são mais econômicos. Tem quem se ilude imaginando que são de graça, esquecendo o custo que representa para Joinville manter uma estrutura como a do IPPUJ por exemplo. Não me parece justo, exigir que os mesmos urbanistas planejem a Joinville das próximas décadas, e tenham que dedicar tempo e esforço a projetar pinguelas, praças, boulevares, calçadas, ciclofaixas, obras menores, que pela simplicidade, nem deveriam tomar o seu tempo. O ideal seria que toda esta inteligência e esta capacidade se dedicassem integralmente a definir os rumos da cidade do amanha. A recuperar o atraso em que estamos.

Abrir para as centenas de profissionais competentes e sérios que aqui trabalham a oportunidade de projetar e detalhar, serviria para que visem à luz novas idéias, que tem tudo para serem mais criativas, mais econômicas e melhor projetadas. As queixas, que não tem sido poucas, sobre a qualidade dos projetos que alguns órgãos públicos elaboram, diminuiriam ou até poderiam desaparecer. Não teríamos alterações aos projetos, nem seria preciso recalcular estruturas e decks. A sociedade poderia inclusive escolher entre diversas alternativas, ficaríamos livres da ditadura da unicidade de pensamento que hoje impera em Joinville. Entra governo e sai governo e as soluções apresentadas, continuam saindo das mesmas gavetas, as idéias continuam as mesmas. Querer que as coisas mudassem, e continuar fazendo sempre o mesmo é impossível.

Fonte:Comentários de Joinville,Jornal A Notícia(12/08/2010)

Perfeito comentário do Jordi Castan

Corretíssimo o comentário do paisagista Jordi Castan sobre o papel do IPPUJ em Joinville...Não é justo mantêr uma estrutura como um instituto de planejamento fechado e sem diálogo com a sociedade...Aliás,todas as idéias que são interessantes para Joinville o IPPUJ despreza...Um pouco de humildade por parte dos técnicos do IPPUJ seria bem positivo.

sábado, 14 de agosto de 2010

A opinião de Paulo Curvello

Lastimável

Lastimável a entrevista de Carlito Merss "A Notícia 15/08", pincei algumas “pérolas” ditas pelo alcaide ao jornalista Cláudio Loetz:

- “não tem dinheiro para fazer as desapropriações”;
- “Os últimos cinco a seis prefeitos de Joinville esnobaram a importância das receitas diretas”
- "A situação do PAC: mais da metade está parado"
- "Com certeza, 30% das transações imobiliárias são feitas com valores abaixo do que realmente valem os imóveis"

Várias indagações podem ser feitas diante do exposto:

- antes de se candidatar a prefeito, não sabia que desapropriações custavam dinheiro?
- se os últimos cinco ou seis prefeitos eram esnobe, então só ele é bom?
- O PAC está parado, mas também não sabia, que nem 30% do PAC 1 foram realizados?
- Pondera ainda que a população declara valores menores que o real para pagar menos impostos nas transações imobiliárias, mas não é exatamente isso que os políticos fazem nas suas campanhas?

Antes da campanha tudo era fácil, dinheiro viria a rodo do governo federal e saúde então, bastavam 100 dias. Agora ......

Paulo Curvello

Joinville
curvell@terra.com.br

Quem não vestiu uma Hering???

Hering completa 130 anos

Uma das mais tradicionais empresas catarinenses, a Hering, está de aniversário. A marca dos dois peixinhos, que já foi sinônimo de camiseta branca, e hoje é associada à moda, está completando 130 anos, tendo feito parte da vida de mais de 100 mil trabalhadores.

E em alto estilo: no mês passado, foi considerada a melhor empresa do Brasil pela “Exame”.

Na semana que passou, a indústria têxtil foi premiada pela Associação Brasileira de Companhias Abertas (Abrasca) pelos resultados dos últimos três anos.

A empresa está se reinventando desde 2006, quando consultou consumidores nas lojas para elaborar a nova estratégia. A pesquisa de mercado apontou que 90% dos pesquisados conheciam a marca.

Diante disto, os executivos entenderam que era preciso explorar o potencial do nome, e estabeleceram o foco na expansão do número de lojas.

Desde que iniciou o projeto de expansão do varejo em 2007, ampliando o número de lojas Hering Store de 180 unidades para 278 este ano – com previsão de chegar a 325 em dezembro, as ações da Hering sobem sem parar, ocupando as primeiras posições no ranking das ações mais valorizadas na BM&F Bovespa. No primeiro semestre do ano, elas tiveram uma alta de 58%, uma das maiores no País.

Fonte:Jornal A Notícia(15/08/2010)

Joinville também tem algumas "Higienópolis"

...Sim e bem pertinho do centro da cidade.

Eles não querem??? Então tragam para Joinville,eita!!!

Higienópolis contra o metrô

Um grupo de moradores de Higienópolis (bairro nobre da região central de São Paulo) iniciou um movimento com o objetivo de impedir a construção de uma estação do metrô. A principal alegação é a de que já existem estações na região, e que a obra pode aumentar o fluxo de pessoas na região e de "ocorrências indesejáveis".

Fonte:Folha de São Paulo(13/08/2010)

Enquanto isso em Gotham City...


...O Jec espera a equipe do Operário de Ponta Grossa...É o favorito??? Ninguém sabe dizer.

Se o Avaí...

...Fosse um clube do eixo Rio-São Paulo...já seria cogitado como o favorito para conquistar o Campeonato Brasileiro de 2010...Mas para a Libertadores o azurra de Floripa irá,com certeza.

Educação: falsa ideia, por Marcelo Batista de Sousa*

Como é possível que um país como o Brasil, com escolas tão ruins, como andam dizendo, esteja batendo recordes e ostentando índices de desenvolvimento de causar inveja ao Primeiro Mundo? Afinal, há menos de um século ao contrário da Europa, que levou séculos para atingir o desenvolvimento , éramos uma comunidade de índios, com indicadores sociais vergonhosos, e hoje fazemos parte do cobiçado time de países emergentes considerados elite entre as nações em desenvolvimento, conhecido por Bric sigla criada a partir das iniciais de Brasil, Rússia, Índia e China.

Para que se tenha uma noção mais exata do crescimento nacional, é importante lembrar que, em menos de um século, o PIB aumentou 157 vezes. No mesmo período, o PIB dos EUA aumentou 53 vezes, e o do Japão, 84. Sim, lideramos o crescimento mundial.

Como muito bem lembramos, por volta da II Guerra Mundial, importávamos palitos, sapatos, biscoitos, lápis, manteiga, banha, cerveja, tecidos e roupas. O Brasil deu um salto gigantesco. Além de industrializado, estamos à frente da Alemanha em produção de automóveis. Somos líder no agronegócio.

É preciso dizer que nem tudo são flores. Sim, os indicadores sociais precisam subir mais, mas já melhoraram. O fato é que, em torno da educação brasileira, foram criadas falsas ideias que têm prejudicado seriamente a adoção de medidas necessárias para melhorá-la. E a principal delas é entender que boa parte da visão negativa que muitos têm da educação no Brasil é ligada a mitos. Isso não significa que não existam problemas. A busca da excelência exige empenho de todos – tanto das escolas governamentais quanto das particulares.

Trata-se de um imperativo que diz respeito não apenas a considerações de justiça e equidade social, mas também ao futuro do país.

* Professor, presidente do Sindicato das Escolas Particulares de SC (Sinepe/SC)

Fonte:Diário Catarinense(15/08/2010)

Interessante entrevista com o prefeito Carlito Merss

Muito boa a entrevista que o jornalista Claudio Loetz do Jornal A Notícia fez com o prefeito de Joinville...Bem objetiva...Aliás!!! Qual a necessidade de uma assessoria de imprensa???Praticamente nenhuma.O prefeito precisa se expor mais.Nada mais esclarecedora do que uma entrevista onde a população possa saber o que o prefeito está pensando e fazendo em sua administração.

Leitura de domingo,indispensável

Boas matérias nesse domingo...Destacamos matérias interessantes no Jornal A Notícia,Diário Catarinense,Zero Hora e Folha de São Paulo.


sexta-feira, 13 de agosto de 2010

A arte de sorrir...


...Cada vez que o mundo diz não.

Parabéns pela iniciativa da Tupy

Muita bacana a iniciativa da Tupy em doar um placar eletrônico para a Arena Joinville...Não sei qual o valor,mas também não interessa.O importante é que uma empresa de Joinville preocupou-se em adquirir o equipamento...Que outras empresas sigam esse exemplo...Que tal construir elevados,passarelas,praças e depois abater nos impostos??? Quem ganha é Joinville.

E Santa Catarina???

Com certeza a maior torcida do estado é a do Avaí,seguida do Figueirense,vindo a seguir o Criciúma,para daí sim aparecer o Jec.

Atlético Paranaense

É o clube do Paraná com mais torcida no Brasil...O Coritiba não apareceu na pesquisa.

A força do Santa Cruz

Mesmo sem disputar grandes campeonatos o Santa Cruz mantêm uma torcida fiel...É a 17ª maior torcida do Brasil.

Interessante

A maior torcida do Nordeste é a do Sport de Recife,superando a dupla bahiana(Bahia e Vitória).O Sport também tem mais torcida que Botafogo e Fluminense.

As maiores torcidas do Brasil...Clique na imagem para ampliá-la.


...De acordo com a pesquisa da revista Lance e Ibope.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Boa notícia para Joinville

Claro que Joinville precisa de mais saúde,mais educação,mais esgoto tratado...mas também precisa de um bom aeroporto.Por isso o editorial do Jornal A Notícia de hoje nos trouxe uma boa notícia.

Importância do ILS

Uma apropriada informação para medir a importância da instalação do ILS no Aeroporto de Joinville: se o equipamento que dá mais segurança para procedimentos mesmo com mau tempo estivesse em operação, boa parte dos 255 voos cancelados na cidade desde janeiro de 2010 poderia ter sido realizada normalmente. O cronograma de compra do aparelho está sendo cumprido e a previsão de instalação no ano que vem está mantida – embora seja um prazo longo, é esse o compromisso das autoridades federais com o terminal aéreo de Joinville.

Apesar dos voos cancelados, a movimentação dos passageiros no aeroporto joinvilense avançou quase 20% em relação ao ano passado (resultado do primeiro semestre). O índice “encolhe” se for lembrado que a base de comparação, o ano de 2009, foi muito baixa, com suspensão de voos por causa do episódio das proximidade de árvores na cabeceira da pista. Os números deste ano são semelhantes aos de 2008.

Com o ILS, a frequência dos pousos e decolagens cresce, e aumenta o interesse pelo terminal, criando mais demanda. Além do aparelho de monitoramento de voos, há a necessidade de ampliação da pista, única maneira de receber aeronaves de maior parte e, com isso, facilitar o transporte de cargas por via aérea, hoje inexpressiva na cidade. Mas que neste primeiro momento, pelo menos o – demorado – cronograma seja cumprido.

Fonte:Jornal A Notícia(12/08/2010)


O Fim do Mundo,por Paulo Curvello

Antes incrédulo, começo a acreditar que em 2012 o mundo realmente irá acabar.
Acordo leio A Notícia como sempre, e de cara vejo a manchete, “idosos enganados pela própria família”, em alusão a parentes inescrupulosos que fazem empréstimos em nome dos idosos.
Mas a frente, agora já na WEB , outra notícia de pancadaria com direito a socos , pontapés, troca de insultos e escoriações diversas, inclusive com quebra de dedo anular e registro em delegacia.
Pela banalidade que se tornou a violência no Brasil, seria mais uma ocorrência corriqueira se as partes envolvidas não fossem , um candidato ao Senado da República pelo Acre e um jornalista em plena entrevista.
Tudo isso porque o repórter questionou o candidato sobre a área de segurança pública , que agora é desmentido pelo candidato e dá-lhe disse me disse.
Como está gravado, basta a justiça analisar a gravação, na íntegra, apurar a verdade e tomar as providências cabíveis.
Mas independente do desenrolar do imbróglio , são notícias do fim do mundo, não?

Paulo Curvello

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Diversidade

Não sou preconceituoso. Entendo por “homossexualismo” o fato de uma pessoa gostar de outra do mesmo sexo. A Parada da Diversidade, que este ano teve como tema a família, foi vista por milhares de pessoas, de crianças até idosos. A manifestação LGBT é feita com a ideia de buscar a sua identidade, o seu lugar na sociedade, ou, como dizem, seus direitos.

Tenho dois vizinhos namorados que são gays e nunca vi os direitos deles serem violados. São pessoas como qualquer outra, com um emprego como qualquer outro. Apenas mantêm um relacionamento diferente. O que acho vergonhoso é que, para procurar seus direitos, um homem vá para a avenida vestindo maiô, cinta-liga, calcinhas, peitos siliconados e ainda mostre tudo isso para toda a sociedade que vai ali para acreditar que o tema a ser discutido e comemorado é “família”.

Acorda, Joinville. Lutem pelo direito de viver decentemente em uma sociedade bem estruturada. Se alguém quiser buscar o seu direito por gostar de outra pessoa, apenas viva como qualquer um sem tirar o direito do próximo.

Denys E. da Silva
Joinville

Fonte:Jornal A Notícia,Seção Cartas(11/08/2010)

Partido Verde,por Milton Wendel*

Diante dos lastimáveis acontecimentos que têm envolvido o Partido Verde de Joinville, tenho algo a comentar.

Fui presidente do PV entre 1999 e 2001. Quem me indicou para a executiva municipal foi o professor Rogério Portanova, que me aconselhou ser candidato a prefeito. Assim que assumi a presidência, em assembléia livre e democrática, procurei os filiados tradicionais e apresentei o projeto de conquistar uma cadeira na câmara para o PV, para Joinville ter pelo menos um foco de debate ambiental, ecológico, de mudança de paradigma social e econômico.

Ofereci meu nome para concorrer a prefeito, e propus que a assembléia do partido indicasse um nome em torno do qual nos uniríamos para conquistar a cadeira na Câmara. Se alguém conhece algum projeto mais sensato e coerente para um partido "nanico", me mostre pois eu não conheço.

Não tive nem respostas. Alguns tradicionais filiados praticamente me "botaram pra correr".

Hoje vejo esta lama em volta do Partido Verde de Joinville e me orgulho de poder me colocar ao lado das pessoas que contribuiram com ele, e não entre os que o depredaram.

*Milton Wendel,um dos fundadores do Partido Verde de Joinville

Isso é humilhante

A situação em que a Busscar chegou é humilhante...E o pior de tudo é as autoridades competentes não conseguirem fazer absolutamente nada para resolverem pelo menos o problema do pagamento dos funcionários.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Não precisam apelar


Para que mostrar o corpo do pedreiro??? Onde está o respeito a dor da esposa que perdeu seu marido???Será que para vender jornal temos que apelar,partir para a baixaria??? Não basta apenas contar sobre o sinistro??? Tem que mostrar a foto do morto ali deitado para que a venda aumente??? Sem comentários...Triste e pobre jornalismo apelativo.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Série D: Joinville anuncia a demissão de Edinho Nazareth

Na liderança do Grupo 9, desgaste com a diretoria acabou culminando na sua saída

Joinville, SC, 09 (AFI) - A diretoria do Joinville anunciou na tarde desta segunda-feira, que Edinho Nazareth não é mais o técnico do JEC no Campeonato Brasileiro da Série D. Mesmo na liderança, o presidente do clube, Marcio Vogelsanger, achou melhor demitir o treinador.

"Houve um desgaste muito grande entre eu e a diretoria. Eles contrataram alguns jogadores que não estavam rendendo o esperado. Aí eles associaram isso ao técnico e vinham me culpando. Mas, não tem problema, só tenho boas lembranças do time, torcida e diretoria", comentou o treinador.

No comando de Edinho, o JEC lidera o Grupo 9, com sete pontos e está perto de conquistar a classificação, uma vitória contra o Operário no próximo final de semana garante o time na próxima fase.

"Deixamos uma base boa, o time tem jogado muito bem, foi feito um bom trabalho, o novo técnico só tem que dar continuidade ao trabalho", finalizou o treinador.

Fonte:futebolinterior.com.br (09/08/2010)

A mesma ladainha de sempre...

Sobrou mais uma vez para o técnico...O Jec não tem elenco e a culpa(para variar) sobrou para o Edinho.

domingo, 8 de agosto de 2010

Ele não acreditou

Um conhecido meu que saiu de Joinville há mais de oito anos,não acreditou quando lhe falei que o Complexo Ulysses Guimarães ainda não estava pronto..."Pára né Juliano,você está de brincadeira comigo!!!"...Que bom seria se fosse mentira.

Em relação a Parada da Diversidade

Em relação a Parada da Diversidade acredito que a escolha da data de hoje foi infeliz.Joinville é uma cidade conservadora.É inegável que a diversidade deva ser respeitada aqui e existe com certeza um grande esforço do governo municipal em combater o preconceito contra as minorias.Mas tinha que ser justamente no dia dos pais??? Aí é pra quebrar!!!

Festa do Cará X Parada da Diversidade

A tradicional Festa do Cará atraiu muito mais público que a Parada da Diversidade...Talvez se a primeira festa tivesse mais divulgação o número de visitantes seria melhor ainda.

Lapela de político terá logomarca???

Candidato honesto não teria motivo para esconder financiador de campanha.

Milton Nogueira *

Políticos deveriam usar na lapela, no primeiro mês de mandato, a logomarca dos financiadores de sua campanha. Se button é lindo no peito de atletas, por que não o seria também nos paletós de vereadores, deputados, senadores, prefeitos, governadores e até mesmo do presidente?

Há décadas o Brasil discute financiamento de campanha eleitoral, sempre em busca de motivos ocultos, suspeitas, revelações tardias, num convoluto trabalho de detetive para saber quem financiou certo candidato. Entre os suspeitos usuais estão construtoras, igrejas, times de futebol, multinacionais, ruralistas, agentes estrangeiros e donos de TVs.

Se o político usasse a logomarca de todas as empresas ou entidades que financiaram sua campanha, saberíamos, desde o primeiro dia do mandato, quem ele representa, sem segredo, sem suspeita, às claras. Muitos políticos teriam satisfação em dizer ao mundo quem eles defendem; por exemplo, evangélicos e ruralistas não escondem sua predileção por projetos que favoreçam seus fiéis clientes ou currais (desculpas!). Eles pensam como os pilotos de Fórmula 1, que orgulhosamente mostram no ombro, peito, testa e braços as empresas que fizeram possível a corrida. Por que não fazer de forma idêntica com políticos?

Uns dirão que não seria ético. Por quê não seria? Aético seria, isto sim, não abrir ao público a ficha que já estaria no site do Tribunal Superior Eleitoral, embora oculto e que ninguém lê. Outros dirão que seria embaraçoso e degradante, mas não seria ainda pior descobrir-se mais tarde que tal político recebera dinheiro sujo de certa empresa?

Político honesto não tem por que omitir o financiador de sua campanha, pois a lei eleitoral permite às empresas e entidades apoiar legalmente os partidos e candidatos preferido. Logomarca deveria estar na lapela, uma forma transparente, aberta e visual para todo político.


(*) Engenheiro e ex-funcionário da ONU em Viena. Escreve ‘Pequenas Utopias’, em Carta Capital:

Divulguem é importante

Últimos dias para inscrição ao curso de LIBRAS:

O melhor e mais barato curso que lhe ensinará a se comunicar com a
pessoa surda através da Língua Brasileira de sinais (LIBRAS), começa no
dia 13 de agosto.

Um curso dinâmico onde você aprende de forma descontraída, com
professora experiente, capacitada e que gosta do que faz. Não é preciso
ter qualquer conhecimento na LIBRAS pois o curso é para iniciantes e
aberto para a comunidade em geral.

Dia e horário: Sextas-feiras, das 9:45 horas às 12:00 horas
ou das 19:00 horas às 21:15 horas;

Data de início: 13 de agosto;

Data de término: 17 de dezembro;

Carga horária: 60 horas aula;

Investimento: 4 parcelas de 50 reais; (neste valor já está incluso o
material utilizado no curso.

Mais informações: telefone 3422-5054 ou pelo e-mail:

scb@culturalbraille.org.br

Joinville com sol


Domingão com sol em Joinville...Que todos aproveitem esse belo dia.

Como Tirar Proveito de Seus Inimigos

Não se deprima se você acabou de descobrir ser alvo do ódio de alguém. Ao contrário do que prega o discurso pacifista do politicamente correto, aprender a lidar com rivais é um ótimo caminho para crescer, amadurecer e obter o sucesso. Pior é estar cercado de bajuladores que "pagam de amigo", jogando casca de banana em seu caminho.

Essa avaliação surge no primeiro século da era cristã com o filósofo grego Plutarco, autor de "Como Tirar Proveito de Seus Inimigos", texto que seduziu pensadores clássicos como o suíço Rousseau (1712-78) e o francês Montaigne (1533-92).

"Há necessidade de amigos sinceros e inimigos ardentes: uns nos afastam do mal por suas advertências, os outros, por sua censura", cita a obra clássica da filosofia, para quem "é da boca de nossos inimigos que nos é preciso ouvir a verdade".

O pensador grego relaciona indícios para distinguir amigos de bajuladores. O livro sustenta que devemos ficar atentos a quem só nos cobre de elogios e sempre concorda com nossas opiniões.

"O bajulador é inteiramente semelhante ao camaleão, que pode assumir todas as cores exceto a branca."

Segundo Plutarco, a semelhança dos gostos está na origem da amizade, enquanto o bajulador a dissimula.

"O que fundamenta antes de tudo a amizade é a identidade dos regimes de vida e a semelhança dos costumes; e, geralmente, a similitude dos gestos e das aversões é a primeira coisa que nos liga e nos prende, através das sensações. O bajulador percebe-o perfeitamente; e, como um objeto que se talha, ele se transforma e se modela, adaptando-se e conformando-se, por imitação, àqueles de quem procura ganhar o coração."

A obra dá conselhos sobre como transformar espinhos em flores, críticas em dicas de desenvolvimento pessoal. "Queres mortificar aquele que te odeia? Não o trates de homossexual, de efeminado, de dissoluto, de truão ou de mesquinho."

Plutarco mostra que podemos aprender com os inimigos, pois os invejosos são mais atentos às nossas falhas. Com isso, podemos ter consciência de nossas fraquezas e tentar consertá-las.

"Doenças, dívidas ou brigas conjugais escapam mais facilmente à memória de seus servidores imediatos que à de seu adversário."

No primeiro século da era cristã, não existia a expressão "pagar de amigo" (fingir ser camarada de alguém, seja para roubar seus segredos, manipulá-lo para obter vantagens ou trair), hoje comum nas conversas coloquiais. Mas os perigos da falsidade e da bajulação parecem ser iguais ao tempo da antiguidade.

Fonte:Livraria da Folha de São Paulo

Feudalismo Atual indica:

Fuja de bajulador que "paga de amigo", alerta "Como Tirar Proveito de Seus Inimigos"

Mal exemplo

Elba Ramalho perde carteira de motorista em operação da Lei Seca no Rio


Após se recusar a fazer o teste do bafômetro, a cantora Elba Ramalho teve a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) recolhida por três dias e o veículo que dirigia apreendido, durante uma Operação da Lei Seca, na madrugada de quinta-feira (5), na Gávea, zona sul do Rio.

A cantora, que viajou nesta sexta-feira (6) para Belo Horizonte, onde fez uma apresentação, disse, por meio de sua assessoria, que bebeu uma taça de vinho durante um jantar com amigos no Leblon, também na zona sul.

Já o carro, um veículo da Toyota preto, foi apreendido porque estava sem o IPVA (Imposto de Propriedade de Veículos automotores) pago. Ela pretendia pagar o imposto após a vistoria --marcada para a próxima semana.

De 18 de março de 2009, quando começaram as operações da Lei Seca na região metropolitana do Rio, a 30 de junho deste ano, 1.006 motoristas foram autuados criminalmente por terem apresentado, no teste do bafômetro, índice de alcoolemia superior a 0,29 grama de álcool por litro de sangue. A lei prevê pena de três a seis anos de prisão para os condenados por dirigir embriagados.

As blitz da Lei Seca abordaram, neste período, 255.843 veículos --17.964 motoristas se recusaram a passar pelo teste usando o argumento legal de que ninguém é obrigado a produzir provas contra si mesmo. Esses também tiveram a carteira apreendida, como a cantora.

Fonte:Brunna Fantti,Folha de São Paulo(07/08/2010)

sábado, 7 de agosto de 2010

Muito interessante

Jequeanos

A geração de hoje sabe muito pouco da vida do JEC, que tem data e prazo para crescer. Estimo que, em cinco/seis anos, o Joinville vai chegar ao patamar da dupla da Capital. Tem gente famosa que passou pelo clube e não o perde de vista: Edu Coimbra, Dorival Jr., Paulo Egídio, Alfinete, Hélio dos Anjos, Paulinho Cascavel (há 15 anos morando em Portugal), os novatos Ramires e Douglas. A cidade, pela sua pujança econômica, tem todas as condições para proporcionar ao JEC um novo modelo de gestão.

Fonte:Maceió,Jornal A Notícia(08/08/2010)

104 ANOS DA ESTAÇÃO FERROVIÁRIA DE JOINVILLE

No local de transição, as memórias ficaram

HISTORIADORA RELEMBRA PERSONAGENS E FATOS QUE PASSEARAM PELA ESTAÇÃO FERROVIÁRIA DE JOINVILLE, QUE COMPLETA HOJE 104 ANOS

A Estação Ferroviária de Joinville completa hoje, oficialmente, 104 anos de existência. Foi no dia 8 de agosto de 1906 que o presidente Afonso Pena inaugurou oficialmente a Estação. Segundo Carlos Ficker, o presidente, ao passar pelas ruas do Centro da cidade, ficou impressionado com a graciosidade dos belos jardins joinvilenses e afirmou: “Joinville é o jardim do Brasil”. Essa é a história oficial! Porém, sabe-se que antes da vinda de Afonso Pena, a Estação já havia sido inaugurada pelos seus trabalhadores. Foi no dia 29 de julho de 1906 que chegou o primeiro comboio de trens vindo de São Francisco do Sul. Essas são datas e fatos que registram a gênese desses 104 anos de história.

Como diria o poeta alemão Bertold Brecht, há perguntas que todos os trabalhadores devem fazer sobre os grandes feitos históricos. Onde estavam os trabalhadores nesses 104 anos de existência da Estação Ferroviária? Como os ferroviários trabalhavam e o que exerciam? Como viviam e onde moravam? Por que não existe mais o guarda-freio, o chefe da Estação e o telegrafista? O que era o trem pagador e por que o trem de passageiros não circula mais?

A antiga Estação Ferroviária cumpriu sua finalidade histórica até meados da década de 80. Em 1996, as linhas férreas foram privatizadas pelo governo federal. Em 2000, o município de Joinville adquiriu a edificação. Em abril de 2008, ela foi denominada Estação da Memória.

Mais uma vez os trabalhadores entraram em cena com a reforma, o restauro e a organização do espaço museal. As exposições foram concebidas para retratar a história da edificação e da cidade. Os funcionários do Museu Arqueológico de Sambaqui e do Arquivo Histórico foram centrais nessa jornada. Os painéis organizados pelo Arquivo tentaram materializar a garimpagem de uma história escrita por poucos e onde poucos são lembrados. A ausência de bibliografia sobre o período de funcionamento da Estação, assim como o resgate documental, jornalístico e também iconográfico foi imprescindível para se criar uma linha temporal em que se compilassem as informações históricas.

Na sala central há um dos mais preciosos artefatos existentes na exposição – a bilheteria. O piso do espaço também se tornou um artefato importante ao ser mantido em sua forma original com os desgastes do tempo e do movimento humano. Vê-se claramente no piso que abriga a bilheteria quais eram as pessoas que mais viajavam de trem. Os trabalhadores! Observa-se no guichê da segunda classe o desgaste profundo de um ambiente que foi pisoteado por passageiros que iam e vinham de outros lugares para Joinville.

O Museu Arqueológico do Sambaqui também contribuiu com a organização da sala de exposição destinada à arqueologia histórica. Uma das únicas salas em que, de fato, há uma metodologia expográfica e museológica que garante ao público o vislumbramento do que é uma investigação científica e como deve ser essa intervenção nos espaços públicos.

Os visitantes da Estação da Memória questionam a partir dela a existência de um pedaço de dentadura, uma perna de boneca e uma lasca da faiança no expositor. Onde há ação humana, há história, e por meio dessas investigações, podem-se cogitar algumas respostas para algumas questões. Como as pessoas viviam no entorno da Estação? Quais os perfis das pessoas que viajavam de trem? O que elas transportavam? Qual a louça utilizada no serviço de restaurante no interior dos vagões? Havia chefes de cozinha e garçons nos vagões da primeira classe?

Essas e outras questões foram investigadas pelo Setor de Educação da Estação da Memória. O setor composto por um grupo de trabalhadoras tentou entender o processo de funcionamento da Estação e o porquê de sua lacuna historiográfica. Para isso foram elaborados e executados inúmeros projetos de educação patrimonial que pretendiam realizar a salvaguarda, o registro e a divulgação do patrimônio edificado, objetivado, subjetivado e humanizado.

Possivelmente essas indagações ainda podem ser respondidas. Porque ao criar o Projeto Encontros com a Memória o setor de educação abriu uma clareira na penumbra histórica. Porque a história é feita pelas pessoas. Não pelos grandes nomes. O Afonso Pena inaugurou a Estação, mas o batismo foi feito pelos trabalhadores que conduziram o primeiro comboio. Nesses anos de existência, a Estação entrou em evidência após sua criação. Tornou-se referência em transporte, foi ícone de modernidade, meio de sobrevivência e hoje é um patrimônio nacional importante para o País ao ser reconhecida e tombada pelo Iphan.

GIANE MARIA DE SOUZA*

Fonte:Jornal A Notícia(08/08/2010)

Matéria interessante do Jornal A Notícia

Fora dos trilhos

Cronograma de quatro projetos está atrasado em Santa Catarina

O cronograma para implantação de quatro ferrovias de SC, incluídas no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), está atrasado, apesar de serem importantes e urgentes para o Estado porque facilitarão o escoamento da produção agrícola e industrial.

O caso dos dois contornos ferroviários, em Joinville e em São Francisco do Sul, no Norte, representaria a retirada dos trens de dentro das cidades, que causam transtornos e acidentes. Estas obras já começaram, mas na data em que deveriam estar prontas. Os projetos das ferrovia Litorânea, que ligará Imbituba, no Sul, a Araquari, no Norte; e da ferrovia Leste-Oeste, entre Itajaí e Chapecó, também estão atrasados conforme prazo do governo federal.

A situação mais crítica é na ferrovia Leste-Oeste, conhecida como a ferrovia do Frango, pela influência no escoamento do produto mais exportado no Estado. Empresários do Oeste esperam há anos para transportar a produção pelos trilhos. Mas pelo último balanço do PAC, que a classificou como prioridade muito baixa, a espera vai continuar. A licitação para o projeto executivo deveria ter sido lançada em setembro de 2009. Mas o processo ocorrerá no próximo mês.

O anúncio de que o traçado seria ampliado até Dionísio Cerqueira, foi feito há um ano. Mas o edital de licitação para o estudo do impacto ambiental deveria ter sido feito em agosto de 2009, maisfoi publicado há dez dias. De acordo com o Dnit, a demora ocorreu por causa da mudança no projeto.

A ferrovia Litorânea, que interligará os portos, também está atrasada. A previsão era para 2011. Serão 235 quilômetros entre Imbituba e Araquari, com a incorporação da ferrovia Tereza Cristina (entre Criciúma e Imbituba) ao sistema ferroviário nacional. O estudo de viabilidade ficou pronto em 2002. O edital de licitação do projeto deveria ser lançado em dezembro de 2007. Até agora, o projeto não ficou pronto.

Sobre os atrasos, o Dnit explica que o prazo poderá ser prorrogado se for preciso aprimorar os estudos. A partir daí, estimam-se mais três anos para executar a obra. Cronograma de quatro projetos está atrasado em Santa Catarina

A ferrovia do Frango, que ligará Itajaí a Chapecó e terá 700 km tinha um investimento previsto de R$ 5 milhões. Como o projeto não está pronto, ainda não há uma definição para data de conclusão.

A ferrovia Litorânea, que ligará o Sul ao Norte do Estado, terá 500 km. O investimento previsto era de R$ 20 milhões. O projeto ainda está sendo elaborado e o tempo estimado da obra é de três anos.

Das quatro ferrovias de SC incluídas no PAC, o contorno de São Francisco é o único que contém o selo amarelo do governo federal, que exige atenção no acompanhamento da obra.

Fonte:Jornal A Notícia(08/08/2010)

Palmada é crime ?, por Paulo Curvello

O governo quer criar uma lei que proíbe a palmada em crianças.
Violência, espancamento contra uma criança é inadmissível. Primeiro deve-se conversar, repreender, tirar alguma regalia. Isso funciona com a maioria. Porém, quando houver reincidência, nas faltas graves, onde a conversa não é suficiente, uma palmadinha é válida. Quando o filho roubar mercadoria de uma loja, uma revista do jornaleiro, deve ser repreendido, devolver o roubo e sentir-se envergonhado. Quando ocorrer pela segunda, é castigo, é palmada (sem cintos, sem palmatória).
Os psicólogos e teóricos ganharam evidência nos anos 1970 e 1980 ao serem contra qualquer tipo de violência. Veio a geração de pais hippies, paz e amor, que deu total liberdade aos filhos. E deu no que deu, perderam o controle, os filhos mandam nos pais, alguns matam os pais.

Seremos todos vigiados como na ficção do Big Brother, do livro “1984”, escrito por Orson Welles em 1949? O Grande Irmão, do livro, que a tudo controlava, decide como deve ser o comportamento padrão, até mesmo no recesso dos lares. Agora, se a lei vigorar, os pais que derem palmadas poderão perder a guarda dos filhos, desde que um terceiro denuncie. Isso quer dizer que um vizinho, um parente que não goste de um pai, pode se vingar fazendo a queixa infundada e não terá dificuldade em convencer a criança confirmar..
Para onde irão essas crianças sem a guarda dos pais? O estado as enviará para uma Febem (ou similar) e formá-las para o crime?

Vemos exemplos variados de criminosos:
Ator, O. J. Simpson, acusado de matar a ex-esposa, Nicole Brown, e o amigo dela, Ronald Godman, em 1994. Foi absolvido. Anos depois O. J. Simpson lança livro detalhando como planejou e executou os dois (nos EUA não se pode julgar alguém duas vezes pelo mesmo crime).
Hosmany Ramos, foi assistente de Ivo Pintanguy, depois famoso médico-cirurgião na década de 1970,. Crimes cometidos: roubo, sequestro, homicídio. Será que levou uma palmada?
Bruno, goleiro do Flamengo, abandonado por pai e mãe, foi criado pela avó, que não costuma dar palmadas. A mãe da Eliza viu a filha (atriz pornô) pela última vez em 2005.
Hitler era devotado à sua mãe, mas desde criança não se relacionava bem com o pai, que negligenciou a educação do futuro Füher. Aos 19 anos, Hitler, era um órfão (de pai e mãe), mal-humorado e boêmio.
Mussolini, com apenas onze anos, demonstrou seu caráter violento ao esfaquear um colega da escola e atirar tinta no professor. Isso em 1894. O pai era um ferreiro alcoólatra, que não se dedicava à educação do filho
Alexandre Nardoni foi bem educado por seu pai, Antonio Nardoni? O pai que acorbertou e orientou o filho para tentar se safar da condenação do assassinato de sua neta.
Em 1997, cinco jovens da classe média de Brasília, ateiam fogo num índio que dormia no banco de uma parada de ônibus. Eles disseram que não sabiam que era um índio, pensavam que era só um mendigo. Os pais vieram em defesa dos filhos. O que eles serão quando crescerem?
Existem criminosos que eram empresários, advogados, engenheiros, deputados, senadores, alfaiates, jornalistas, bancários etc. Não é a origem social, raça, crença ... que define o criminoso.
Na maior parte das vezes faltou limites na infância, acompanhamento das amizades na adolescência. Faltou conversa, orientação e uma palmadinha nas reincidências que denotavam um mau caráter em formação.
Paulo Curvello
Balneário Camboriú
Servidor Público Estadual

Lobos e cordeiros,por Diego Calegari*

Somos uma sociedade de anestesiados políticos. Certa vez, tive oportunidade de participar, a convite de um amigo, de um evento de certa juventude partidária, à qual não sou vinculado. Qual foi minha surpresa quando entra no recinto um grupo de crianças e adolescentes, na faixa etária de oito a 15 anos, fazendo algazarra com tambores e batuques? Minha curiosidade foi imediatamente despertada, bem como minha desconfiança: o que faz um grupo de jovens tão jovens viajar até aqui, em um evento partidário, em uma época em que o jovem vive sua fase de mais violento antagonismo com relação à política?

Não perdi tempo. Fui a uma dupla de rapazes que ali estava e questionei o porquê da sua vinda ao evento. “Viemos apoiar o ‘fulano’”. “Fulano” era candidato à diretoria da juventude do partido. “Ah é?”, disse eu, desavisado: “E por qual motivo?”. Meio constrangidos, os garotos se olharam e um deles respondeu: “Na verdade, nem sabemos quem ele é. Nossa professora que nos trouxe até aqui e mandou que fizéssemos barulho quando ele subisse no palco”.

A despeito da tenra idade dos envolvidos e da particularidade da cena relatada, ela retrata bem a situação da política no Brasil, vivida entre “cidadãos” adultos e conscientes. Quantos são os eleitores que procuram conhecer o histórico, o perfil e as propostas dos candidatos que escolhem? Qual a parcela populacional que sequer sabe diferenciar Poder Executivo de Poder Legislativo, e depurar do discurso dos candidatos as promessas absurdas sobre coisas que nem lhes compete fazer?

Façamos um teste: você se lembra em quem votou para deputado federal na última eleição? Não? Parabéns. Segundo pesquisa publicada pela Fundação Getúlio Vargas e realizada pelo cientista político Alberto Carlos Almeida, em 2006, você está em entre a maioria esmagadora (71%) dos eleitores que não se recordam em quem votou para deputado federal na última eleição.

Somos uma sociedade de anestesiados políticos. Como cordeiros, estamos sendo conduzidos cegamente em direção a um destino incerto, sujeitos à vontade dos pastores que nos guiam. A diferença entre os cordeiros e nós é que, enquanto eles são conduzidos por homens de boa-fé, nós somos guiados em grande medida por lobos sarnentos, salivantes e astutos.

calegari.adm@gmail.com

*DIEGO CALEGARI, PROFESSOR E CONSULTOR EM GESTÃO EMPRESARIAL

Fonte:Jornal A Notícia(07/08/2010)

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

EXERCÍCIO DE MORALIZAÇÃO

As dezenas de vetos a candidaturas impostas pela Justiça Eleitoral, muitos deles baseados na lei conhecida como Ficha Limpa, surpreendem por ocorrer em plena época de campanha e pelo fato de fazer com que muitos políticos se vejam na situação de ter que continuar pedindo voto enquanto aguardam julgamento do recurso. Ao mesmo tempo, eleitores se confundem por não entender, à primeira vista, por que políticos aparentemente mais comprometidos com irregularidades estão sendo liberados para concorrer, enquanto outros, às vezes por razões menos compreensíveis, têm sua candidatura impugnada. Numa democracia, é assim mesmo que as leis e os instrumentos de controle são aperfeiçoados. Falta neste exercício de moralização uma contribuição mais efetiva dos partidos, que continuam omissos em relação aos filiados que não merecem respaldo.

Nascida do clamor da sociedade por mais ética na política, que resultou em um projeto de lei de iniciativa popular com mais de 1,6 milhão de assinaturas, a lei com a qual a sociedade começa a conviver surpreende tanto pelo rigor quanto pela rapidez com que foi adotada. Mesmo cansados de conviver com a impunidade e com o fato de políticos se mostrarem fora do alcance da Justiça, os eleitores, em grande parte, duvidavam da possibilidade de aprovação da lei, de seu alcance e da possibilidade de vigência imediata. Todos esses temores foram desfeitos.

Ainda assim, falta o Supremo Tribunal Federal (STF) se manifestar sobre sua constitucionalidade para que o país possa chegar às eleições, em outubro, num ambiente de plena segurança jurídica. Certamente, a lei conhecida como Ficha Limpa é apenas um dos instrumentos, não o único, para ajudar o eleitor a melhorar a qualidade do voto. Entidades não governamentais têm se proposto a contribuir com essa verdadeira faxina política em curso no país. Os próprios partidos políticos, porém, precisam se integrar a essa causa. Um bom começo seria admitir que os tempos mudaram e, com o maior rigor cobrado dos eleitores e da Justiça, há ainda menos razões para as legendas darem abrigo a candidatos considerados inelegíveis por alguma das razões previstas em lei. Entre elas, estão desde o afastamento de profissionais por conselhos de classe até condenações por abuso do poder político e econômico e mesmo crimes contra a vida e a dignidade sexual.

Diante de tantas razões para impedimento de quem pretende disputar um cargo eletivo, a tendência de mais rigor na política tende a passar a ideia de excessos ou leniência num primeiro momento e, algumas vezes, até mesmo de injustiça. O que candidatos e eleitores precisam comemorar, porém, é essa mudança de postura que, no final das contas, deve contribuir para garantir mais ética na política.

Fonte:Diário Catarinense(06/08/2010)

Estacionamento é caro

Cobrar R$4,00 para estacionar o carro por apenas 1 hora???Aí querem que o povo vá fazer compras em shopping??? Sem comentários.

Até quando

Filas e mais filas de carros parados nos congestionamentos de Joinville...Até quando.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Curvello,será que é verdade???

...Dizem que eles querem fazer a mesma aventura novamente...Será???
Aí não,né!!!

Mais uma paulada do Paulo Curvello

Imagine-se com 61 anos , saudável. Aí você e mais um amigo idoso aventuram-se mata adentro e se perdem.

Pergunta: faziam o que lá? Quem pagará a conta de tamanha irresponsabilidade?

Assim como no caso do filho da Cissa Guimarães, do padre balonista e muitos outros, o que mais impressiona, é ver que os brasileiros de um modo geral ficam todos comovidos com esses fatos.

Não se vê ninguém falar o óbvio. Que é a total irresponsabilidade das “vítimas”, que de uma forma ou de outra foram de encontro à tragédia.

A não ser que seja normal idoso adentrar mata a dentro em pleno inverno, andar de skate de madrugada em túnel ladeira abaixo e encher um monte de balões e sair a deriva.

Paulo Curvello

Balneário Camboriú

Uma pergunta...

...Mas o que deu na cabeça desses aposentados entrarem no mato nesse frio doido que está por aí???

Eles sobreviveram

A grande notícia do dia foi ao abrir os jornais saber que os dois aposentados que estavam perdidos na Serra Dona Francisca foram encontrados com vida.Com certeza,esses dois clamaram por Deus...Se aqui em baixo tá frio pra dedeu,imagine no meio do mato sem comida e sem agasalho.

Moradores registram neve no interior de Orleans e Urussanga

Notícia atualizada às 14:20 / Moradores da localidade de Três Barras registraram nesta manhã, por volta das 9 horas, flocos de neve no interior de Orleans. A rádio 106 FM, recebeu cerca de quatro ligações de moradores da comunidade afirmando o aparecimento do fenômeno, segundo a secretária da rádio, Hilma Alberton, em contato com a redação do Portal Engeplus.

Em Urussanga, a neve foi registrada pela manhã na comunidade de Belvedere, conforme o radialista da rádio Eldorado, Ênio Biz. A presença do fenômeno foi confirmada por duas moradoras. De acordo com o climatologista Ronaldo Coutinho, Urussanga não registrava ocorrência de neve desde 2000. Já em Criciúma nevou pela última vez no dia 31 de julho de 1955.

Fonte:Portal Engeplus(04/08/2010)

É por aí o caminho

  • UNIVILLE PODE SER ESTATIZADA

    É possível que a Univille mude a forma de gestão. “A Universidade da Região de Joinville tem, sim, interesse em se tornar uma instituição de ensino estatizada para encontrar sua sustentabilidade”. A frase é do reitor Paulo Ivo Koehntopp.

    Não é a única hipótese, mas há estudos em andamento. Se esta alternativa prevalecer, há duas fórmulas. Uma, a estadualização. O governo do Estado não descarta a ideia. Neste caso, a Udesc poderá ser a instituição a assumir o negócio.

    O Estado já demonstrou preocupação com o funcionamento do sistema da Associação Catarinense de Fundações Educacionais (Acafe). Algumas de suas filiadas passam por dificuldades financeiras sérias.

  • Reestruturação

    Na outra ponta, a Univille estreita relacionamento com a UFSC, que escolheu a Univille para iniciar aulas de cursos em Joinville. Como o campus na região Sul tarda, há quem sonhe em ampliar, de vez, a presença da universidade federal no bairro Bom Retiro. A Univille passa por profunda reestruturação gerencial com corte de custos em busca do equilíbrio econômico-financeiro.

  • Fonte:Jornal A Notícia(04/08/2010)

NÓS NÃO SOMOS DINAMARQUESES

Em 1962, Copenhague, a capital dinamarquesa, foi tomada por uma polêmica. Estava nos jornais:

“Nós não somos italianos”, dizia uma manchete.

“Usar espaços públicos é contrário à mentalidade escandinava”, explicava outra.

O motivo da polêmica:

Um jovem arquiteto chamado Jan Gehl, que tinha conseguido um emprego na prefeitura meses antes, estava colocando suas manguinhas de fora. Gehl, que tinha 26 anos e era recém casado com uma psicóloga, vivia ouvindo dela a seguinte pergunta: “por que vocês arquitetos não se preocupam com as pessoas?”. Gehl resolveu preocupar-se. E teve uma ideia.

Havia em Copenhague uma rua central, no meio da cidade, cheia de casas imponentes e de comércios importantes. Era uma rua que tinha sido o centro da vida na cidade desde que Copenhague surgiu, no século 11 – a rua viva, onde as pessoas se encontravam, onde conversavam, onde os negócios começavam, os casais se conheciam, as crianças brincavam, a vida pública acontecia. Nos anos 1950, os carros chegaram e aos poucos essa rua foi virando um lugar barulhento, fumacento e perigoso. As pessoas já não iam mais lá. Trechos inteiros tinham sido convertidos em lúgrubes estacionamentos.

Pois bem. Aquele jovem arquiteto tinha um plano: fechar a rua para carros.

Copenhague não aceitou facilmente a novidade. Os comerciantes se revoltaram, alegaram que os clientes não conseguiriam chegar. São dessa época as manchetes de jornal citadas no começo do texto. O que os jornais diziam fazia algum sentido: Copenhague não é no Mediterrâneo. Lá faz frio de congelar – o mês de dezembro inteiro oferece um total de 42 horas de luz solar. Ninguém quer andar de bicicleta, ninguém quer caminhar. Deixe meu carro em paz.

Mas o jovem arquiteto ganhou a disputa. Nascia o Strøget, o calçadão de pedestres no meio da cidade que hoje é a maior atração turística de Copenhague. As pessoas adoraram a rua para pedestres desde que ela foi fundada. Na verdade, o comércio da região acabou lucrando muitíssimo mais, porque a área ganhou vida e gente passou a caminhar por lá a todo momento. É até lotado demais hoje em dia.

O arquiteto Gehl caiu nas graças da cidade e continuou colaborando com a prefeitura. Suas ideias foram se aprimorando. Ele descobriu que o ideal não é segregar pedestres de ciclistas de motoristas: é melhor misturá-los. Alguns de seus projetos mais interessantes são ruas mistas, nas quais os motoristas sentem-se vigiados e dirigem com um cuidado monstro. Outra sacada: que essa história de construir ruas para diminuir o trânsito é balela. Quanto mais rua se constrói, mais trânsito aparece. Quanto mais ciclovia, mais gente abandona o carro.

Em grande medida graças às ideias de Gehl, Copenhague é a grande cidade europeia com menos congestionamentos. 36% dos deslocamentos são feitos de bicicleta, mesmo com o clima horrível de lá, e a população tem baixos índices de obesidade e doença cardíaca.

“Copenhaguizar” virou um verbo: significa tornar uma cidade mais agradável à maneira de Copenhague. Jan Gehl abriu um escritório de arquitetura cuja filosofia é “primeiro vem a vida, depois vêm os espaços, depois vêm os prédios”. Ele passou a ser contratado por várias cidades australianas interessadas em “copenhaguização”. Seus projetos revolucionaram Sidney, Perth e Melbourne, tornando seus centros mais divertidos, cheios de cafés, arte e vida, reduzindo carros, atraindo gente para fora de casa. De uns tempos para cá, Gehl, que hoje tem 74 anos, passou a ser procurado pela “big league” das cidades: Londres e Nova York o contrataram como consultor para transformar seus espaços urbanos. Ambas têm feito muito desde então.

Enquanto isso, aqui na minha cidade, se alguém fala em melhorar o espaço público, logo ouve:

“Nós não somos dinamarqueses. Usar espaços públicos é contrário à mentalidade brasileira.”

50 anos atrasado.

Outra frase que se ouve muito aqui:

“Brasileiro adora carro.”

Adora nada, meu filho, presta atenção. Isso é propaganda de posto de gasolina!

#

Por Denis Russo Burgierman


Colaboração:Marcello Dalla Vechia

Comidinha leve na Alemanha

Clique no link abaixo e veja o tamanho do lanchinho

RestaurantenaAlemanha.pps
1053K Exibir como HTML Baixar

Colaboração:Otávio Jorge Caldas,de Palhoça

O problema da Busscar,situação chata

Mais uma prova de que a Busscar está nesta situação por má gestão, falta de controles e desrespeito às leis trabalhistas e trabalhadores. O Sindicato dos Mecânicos recebeu denúncia e comprovou que a Paraná Bus retirou dois ônibus DB que estavam parados na Busscar – como em vários casos a Busscar não entregou os ônibus e deixou de cumprir o contrato – e os levou para o setor de reformas da Busscar, localizado na rua Rui Barbosa, bairro Costa e Silva em Joinville.

Lá, por convites de chefias e coordenadores da Busscar, estão chamando os trabalhadores da empresa - notem, e que estão há quatro meses sem ver seus salários – para trabalhar na finalização dos ônibus da Paraná Bus pagando R$ 60 por dia! Um absurdo, mais uma ilegalidade flagrante que deixa claro a forma como a Busscar, e neste caso a Paraná Bus, tratam de negócios. O Sindicato já comprovou a ilegalidade, está denunciando o caso para a Justiça do Trabalho, Ministério do Trabalho, Ministério Público do Trabalho, e vai tomar outras medidas cabíveis via departamento jurídico.

O Sindicato lamenta que a Busscar, por meio de chefias, coordenadores e outros cargos graduados, esteja agindo às escondidas dos trabalhadores, da Justiça, e da legalidade. Para o presidente João Bruggmann, a empresa mais uma vez pisou na bola e mostra porque está nesta situação. “A Busscar pisa na bola mais uma vez com seus trabalhadores, e a sociedade em geral. Nós perguntamos: se acontecer algum acidente de trabalho com esse pessoal, quem vai assumir a responsabilidade, a Busscar ou a Paraná Bus? Quem vai pagar os direitos trabalhistas que estão sendo sonegados, a Busscar ou a Paraná Bus? É mais uma vergonha que o Sindicato vai coibir em nome dos quase três mil que estão sem receber seus salários há meses”, disparou Bruggmann.

Fonte:www.sindmecanicos.org.br(04/08/2010)

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Para pensar


"A mentira arruina rapidamente o mentiroso."

Marcilio Ficino

Merece elogios

A prestação de serviço por parte dos presos aqui em Joinville merece todo apoio...A manutenção de ruas,calçadas,cemitérios entre outros equipamentos públicos pode com certeza ser realizado por esses presidiários que ficam sem fazer absolutamente nada o dia inteiro.Pelo menos agora poderão ajudar a coletividade.

Concordo com o José António Baço*


Tem gente que não gosta e acha que não é hora de debater o tema em Joinville. Mas o futuro é logo ali ao virar da esquina. Se as autoridades começarem a discutir e a planejar hoje a instalação dos meios de transporte limpos, como os veículos leves sobre trilhos (VLT), quem paga são as gerações futuras. A foto mostra o metrô de superfície que passa mesmo em frente à minha casa (o prédio ali à direita), aqui em Portugal. Detalhe: o projeto só ganhou forma depois de 20 anos de discussão. Liguem-se, senhores. Nada é mais poderoso do que uma ideia cujo tempo está a chegar.

Fonte:Coluna Pão e Circo,Jornal A Notícia(01/08/2010)
*José António Baço escreve todos os domingos no Jornal A Notícia