.

Colabore com o Feudalismo Atual escrevendo para o e-mail: juliano.bueno1971@gmail.com

domingo, 16 de fevereiro de 2014

HISTÓRIA DE SANTA CATARINA, POR MILTON WENDEL

Santa Catarina era a capitania de Santana, a mais ao sul do Brasil colonial. Era uma espécie de esquina entre as terras portuguesas e as terras espanholas. A fronteira, o meridiano de Tordesilhas, atingia o mar no porto de Laguna. Ainda nos anos de 1500 os espanhóis que vinham da Europa, com destino a Assunção, optavam por desembarcar no porto de Laguna ou na ilha dos Patos, depois Desterro, e seguir por via terrestre através do planalto catarinense, que era posse espanhola, até terras paraguaias. Era mais fácil e seguro do que navegar pela vastidão desabrigada da costa do Rio Grande até o estuário do rio da Prata e depois ir rio acima por mais de mil quilômetros.

Parece que os portugueses não se opunham em oferecer o atalho. Provavelmente fosse até um bom negócio suprir e atender os espanhóis. Assim, Santa Catarina nasceu como uma unidade essencialmente litorânea, portuária. Durante mais de três séculos a capitania, depois província, só teve quatro distritos: Laguna, Desterro, São Francisco e Lages.

Alguns autores sugerem que a estrada para Assunção, ao longo da qual os espanhóis formaram postos nos quais se miscigenaram com nativos caigangues e choclengues, foi traçada sobre o antigo caminho do Peabiru, que existia desde o neolítico e que ligava o Atlântico ao Pacífico na latitude entre 25 e 30 graus. O caminho foi bastante usado a partir dos anos de 1600.

Quando os açorianos chegaram, nos anos de 1700, se instalaram no litoral. Acentuou-se a feição litorânea da província. E quando veio a imigração de "alemães" que fundaram cidades nos vales da Serra do Mar, nos anos de 1800, o estado continuou sem expansão para oeste.O planalto continuava sendo uma "terra de ninguém". 

Nesta altura a fronteira sul do Rio Grande já estava pontuada por cidades como Uruguaiana, Santana do Livramento, Bagé e Pelotas e o Rio Grande do Sul se estendia para o norte até o rio Pelotas, atual divisa com Santa Catarina. Pelo outro lado, a província de São Paulo se desenvolvia e sua fronteira sul chegava na altura do rio Negro, na atual divisa entre Santa Catarina e Paraná.

Uma área de uns 40 mil quilômetros quadrados, a oeste do rio do Peixe, o atual "rabicho" do mapa catarinense entre Paraná e Rio Grande, permaneceu sem administração definida, reivindicado pela Argentina mas mais ligada aos portos catarinenses do litoral brasileiro. 

No final dos anos de 1800, de repente, depois de séculos de descaso, apareceu a mediação do presidente norte-americano Grover Cleveland, que deu ganho de causa ao Brasil, em 1895. Mas o Paraná havia conseguido sua emancipação da província de São Paulo e se apresentou com direitos sobre o território. Começou uma pendenga jurídica entre Paraná e Santa Catarina, disputando a posse do território, que só se encerrou em 1916. Só então o Estado de Santa Catarina passou a ter o seu mapa atual. 

A Guerra do Contestado iniciou neste período e seus elementos e fatores permanecem vivos na anatomia do estado catarinense.

Nenhum comentário: