.

Colabore com o Feudalismo Atual escrevendo para o e-mail: juliano.bueno1971@gmail.com ou ligue para 99164-7827

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

OS PILATOS DA ÚLTIMA ELEIÇÃO


Na 2ª feira um vizinho chega para o outro reclamando: - Não sei como o povo pode votar na Dilma! O outro responde: - É verdade, depois o mesmo povo reclama. Aí o que respondeu por último emenda uma pergunta: Então você votou no Aécio ? O amigo responde: Não! Eu fui para praia e não votei!!! Tonhonho
ooonnn!!!

terça-feira, 28 de outubro de 2014

OS FUNDAMENTALISTAS

Respeito mas ao mesmo tempo discordo do colunista José António Baço em relação ao fator " fora PT " publicado no Jornal A Notícia de hoje . Dilma Rousseff foi reeleita apenas porque uma grande quantidade de brasileiros votou em branco, anulou seu voto ou deixou de ir votar pelo descrédito do processo eleitoral no Brasil. Também discordo que quem votou em Aécio é um eleitorado considerado "pouco politizado" . Os "poucos politizados" existem tanto no eleitorado do PSDB como também do lado petista ( em Cuba por exemplo não existe pois lá não se pode votar). Mas no eleitorado que votou em Dilma também existem os fundamentalistas que insistem em acreditar que o inchaço da máquina pública com cargos comissionados, o assistencialismo confundido com socialismo, a contabilidade criativa e o aumento da dívida pública não prejudicarão o Brasil no curto prazo.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

BRASIL : PROCESSO ELEITORAL NÃO É CONFIÁVEL

Uma coisa é certa. O processo eleitoral brasileiro não é mais confiável. Urnas eletrônicas, pesquisas tendenciosas, a discrepância da divisão da propaganda eleitoral. É uma democracia de araque. Outra coisa, quem votou em branco, nulo ou simplesmente deixou de ir votar, é claro que beneficiou a candidata do PT.

sábado, 25 de outubro de 2014

A SOBREVIVENTE - CLIQUE SOBRE A IMAGEM


Estava caminhando hoje pela rua Dona Francisca, em frente a grande empresa têxtil. Percebi que em toda extensão da calçada que cerca essa empresa, NÃO EXISTE uma árvore sequer. Mas, uma teimosa goiabeira insiste em quebrar as regras do insensível sistema.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Carsughi diz que Globo só quer piloto vencedor e 'jeito Senna' o incomodava

Brasil

"Sem querer ser saudosista, o Brasil de antes era melhor. Não havia pessoas dormindo nas ruas. Minha mãe e minhas tias se enchiam de joias, tomavam o bonde e iam tomar chá no Mappin, sem medo de roubo. É um país com enorme potencial, será uma potência mundial, mas vai demorar ainda uns três séculos. Podia ser menos, se a Igreja Católica e os governos militares não tivessem sido tão covardes de não implantarem um programa de elucidação para incentivar o controle de natalidade. O Brasil tinha 50 milhões de habitantes quando cheguei e agora tem 200 milhões. É muito difícil ter uma economia forte para tanta gente."
 

Copa Rio

"Depois do Mundial perdido em 1950, Thomaz Mazzoni, da Gazeta Esportiva, teve a ideia de fazer um torneio de clubes para diminuir um pouco a tristeza da derrota brasileira. Cobri essa competição. Muitos anos depois, o Palmeiras fez um dossiê para reivindicar o título de campeão mundial. Usou matérias minhas para embasar. O campeonato foi muito importante, o Palmeiras merece ser chamado de campeão mundial. Muito mais que o Corinthians, que venceu um torneio de verão em 2000. Em que os estrangeiros vieram se divertir e mais nada. Não sou torcedor do Palmeiras. Torço para a Fiorentina. O Palmeiras é apenas mais um time brasileiro."
 

Craques

"Os três maiores jogadores que vi foram Pelé, em primeiro lugar, incomparável, e os dois argentinos: Alfredo di Stefano e Diego Maradona. Esses três foram incomparáveis, realmente foram os melhores do mundo."
 

Automobilismo

"Sempre adorei carros, principalmente pela parte mecânica. Meu sonho nunca foi ser um piloto de Fórmula 1 e, sim, um construtor. Os grandes construtores foram Barnard e Newey. Tazio Nuvolari foi o primeiro grande piloto que vi."
 

Emerson, Piquet e Senna

"São três gênios e acho difícil fazer uma comparação entre eles porque sou ligado à família Fittipaldi. O Wilsão, pai de Emerson, foi meu primeiro amigo no Brasil. Mas da para falar de algumas características de cada um."
 

Fórmula 1

"Era muito diferente, com segurança muito menor. Uma vez Emerson, nos anos 1970, dirigiu o carro de Fangio campeão nos anos 1950. Era um evento criado pela Mercedes. Depois, ele me disse: 'não sei como o Fangio fazia para guiar isso, você freia e o carro não freia, quer fazer tomada de curva e não dá certo.' Hoje, sou crítico da Fórmula 1. Ela deve privilegiar a inovação e a tecnologia. O que você vai usar daqui a dez anos em seu carro deve ser testado agora. Se a Jaguar não tivesse testado o freio a disco... Imagina se a Nasa tivesse restrições. Não pode usar titânio, por exemplo... Sempre fui fã de tecnologia. Sonhava ser um construtor. Fiz um carro melhor que o seu, venci a corrida sou melhor que você. Simples."
 

Emerson Fittipaldi

"Foi o mais completo dos brasileiros. Além de grande piloto, tinha muita sensibilidade técnica, capaz de acertar um carro. Sua carreira foi prejudicada pelo projeto Copersucar. Houve um momento em que os patrocinadores não quiseram mais o Wilsinho e exigiram o Emerson. Ele teve de ceder. Não fosse isso, ele seria campeão mundial pelo menos uma vez mais. Não perderia o título de 1976, que ficou com o Hunt. A ida para a Coopersucar foi negócio, simplesmente. Nada a ver com patriotismo. Não tinha um sonho de ter uma equipe brasileira, não. O negócio dele era ter o carro, correr e ganhar. Eles fizeram a coisa errada. Deveriam ter comprado uma equipe lá na Inglaterra, fora do Brasil, depois pintar os carros de verde e amarelo e começar a correr. Lá, se você quer experimentar um braço de suspensão de fenda, você encomenda e, no dia seguinte, tem a peça. Daqui, a dez mil quilômetros de distância, é difícil. E o projeto foi empurrado pela ditadura, com a história de Brasil grande, de equipe brasileira vencedora."
 

Ayrton Senna

"Senna tinha habilidade inata, individual e favorecida por ser canhoto, o que facilitava mudar a marcha e ter maior domínio do volante. Piloto excepcional, sem discussão. Meu relacionamento foi cordial, mas vi sempre a imagem do computador construído pela mãe. Em 1986, estava em Monaco com Nilson Cesar, que estava começando a narrar F-1 na Pan. Na quinta-feira, o Senna foi muito bem no treino. O paddock era lá embaixo e fui descendo com o Nilson. O Senna foi subindo, provavelmente ele teria um meeting técnico entre um treino e outro. Percebi que ele me viu, viu um cara comigo e....tung...raciocinou rapidamente: 'Bem, se o Carsughi está aqui, a Pan vai transmitir, se a Pan vai transmitir, eu vou parar.' Parou, conversou, apresentei o Nilson, perdeu uns cinco minutos. Claramente, se não fosse o representante de uma rádio importante e sim o repórter da Gazeta de Pindamonhangaba, ele não iria parar. Uma vez, no Roda Viva, fui entrevistá-lo. Levei meu filho Eduardo, que era estudante. Estávamos conversando e Senna perguntou quem era. Apresentei e ele lhe deu um botton. Deu porque era meu filho, caso contrario, não daria, nem perguntaria. Não chamo isso de mercantilismo, mas esse 'se me serve, perco tempo, se não serve, não perco tempo', me incomodava."
 

Nelson Piquet

"Tinha algumas intuições e escondia de todos, o máximo possível, para ninguém copiar. Aquela ultrapassagem sobre o Senna na Hungria é uma das mais lindas da Fórmula 1. Como passar o Senna por fora? Como segurou o carro, o normal era o carro sair de lado. Piquet era muito seletivo. Não agradava ninguém. Dividia entre quem sabe e quem não sabe. Se você entendia e não era sacana, ele ficava horas conversando. Para os outros, não dava atenção. Acho melhor assim, mais transparente."
 

Furo da morte de Senna

"Foi um pouco de sorte. Sempre trabalhei para jornais italianos. Depois da corrida de Ìmola, quando Senna bateu, fiz meu trabalho na rádio, voltei para casa e telefonei para uma redação na Itália para saber novidades. Na hora, estavam ligando para o hospital. O colega, para me ajudar, deixou o som aberto e foi entrevistar a médica. E houve uma frase assim dela. 'não posso falar nada, mas o eletroencefalograma dele é plano.' Morreu. Ponto final. Liguei para a rádio e mandei dizer que Senna havia morrido. Eu assumia a responsabilidade. Estavam fazendo um drama, falando em Nossa Senhora, falando que Deus é brasileiro, não dá para discutir, morreu, morreu. Não me emocionei, mas fiquei com pena, com dó, afinal é uma morte."
 

Felipe Massa

"Queria ter visto o Massa campeão pela Ferrari. Não deu certo por culpa da escuderia, e não dele. A Ferrari foi a culpada. Como um motor pode quebrar a três voltas do final, como foi na Hungria? Como um pitstop pode deixar a mangueira solta, como foi em Cingapura? Massa é um bom piloto, não é um suprassumo, mas é bom piloto."
 

Globo e os novos pilotos

"A Globo prejudica os pilotos novos. Ela fez uma aposta, não sei se certa ou não, comercialmente falando, no piloto brasileiro vencedor e não na Fórmula 1. E, no curto prazo, não havia razão nenhuma para termos um piloto excepcional novamente. Por que aconteceria? Fora de série, nasce de vez em quando. O tênis feminino nunca existiu no Brasil e surgiu um fenômeno como Maria Esther Bueno. Escola de piloto não existe. Se existir, ela dá bons pilotos, nota 7. Não dá gênios em série. Se fosse assim, a Alemanha não teria esperado tanto para ter um Schumacher. A Itália espera desde os anos 1950 o sucessor de Ascari. Quanto tempo a Inglaterra esperou para ter o Hamilton? 
 
Apostaram em brasileiro que ganha, musiquinha, etc. E o que fazer quando não tinha mais brasileiro que ganha? Aí, jogaram o Barrichello, que não estava maduro, no lugar do Senna. Ele não teve tempo de amadurecer, não teve tranquilidade e estreparam a carreira dele. Teve de conviver com a comparação. Todos que vierem agora terão de conviver com isso. O problema do Brasil é que não se admite o bom. Ou é o melhor do mundo ou é o pior do mundo. Por que não pode ser bom? Quantas vezes anunciaram o novo Pelé? Nunca vai ter um novo Pelé."
 

Futebol

"Pra mim, é só trabalho. Às vezes é muito chato, como essa Série B, com jogos infindáveis. Por conhecer e viver uma série de coisas por trás do cenário, com tantas maracutaias e coisas compradas, você se desanima. Não sou palmeirense, como pensam. Palmeiras é um time brasileiro como todos os outros. Hoje, a tática é importante demais, antes o time melhor vencia mais constantemente. Hoje é mais difícil. Não se pode parar a bola, olhar, lançar. Se parar, já tem a marcação em cima."
 

Copa de 2014

O Brasil cumpriu um papel interessante, superou uma série de problemas que estavam jogados no ar, segurança, transporte, acomodações... De ruim, ficou a conta para ser paga e alguns elefantes brancos, mas achei o saldo positivo. Alguns ganharam um dinheirinho em 1950, muitos ganharam um dinheirão em 2014."
 

7 a 1

"O pior resultado de todos os tempos. Estranhei Parreira, que sempre me vendeu imagem de ponderado, balançar tanto. 'Vamos ganhar, a Copa é nossa.' Se você tem um supertime, vá lá. E não era isso. Era dois ou três. Jogar a responsabilidade em um grupo sem ninguém com muita experiência, foi burrice. Não tinha um Gérson, não tinha um líder. Quando Alemanha fez 1 a 0, a cara do Scolari era de 'já foi'. E o que pensaram os que estavam em campo?  Parecia brincadeira. E a Alemanha ficou com fama de maior time da história. Não é. Poderia ter perdido a final se o Messi tivesse jogado bem. A maior seleção foi de 1970. A de 1950 foi muito boa e injustiçada. Foi traída pelo técnico e dirigentes que deixaram uma farra na sede do Vasco um dia antes. Flavio Costa não tinha noção do que fazia. Jogava pelo empate, faz um a zero e foi golear de novo. Precisava recuar e contragolpe. Quando teve o empate, ficaram desesperados."
  
Retirado do portal uol.com.br (24/10/2014)

terça-feira, 21 de outubro de 2014

O QUE É O I.T.P.T ???

Sem problemas I. T . P . T ( Instituto Tendencioso de Pesquisa Tosca ) se você quiser vender sua pesquisa manipulada...ok...continue. Mas repito!!! Repito!!! Que democracia fajuta essa...onde pesquisas são vendidas para manipular o eleitor. Vergonha! Vergonha!

sábado, 18 de outubro de 2014

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

O ABANDONO DE JOINVILLE


Fui caminhar ontem ali no Bom Retiro. O abandono de Joinville é total. Buracos no asfalto, falta de sinalização, paralelepípidos soltos e  para fechar, a falta de iluminação. Pergunto: Para que pagar IPTU ??? E a Cosip que vem descontada na conta da Celesc qual a serventia ??? Joinville pede socorro!!!

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

REDUTOR DE VELOCIDADE ECOLÓGICO


Redutor de velocidade ecológico: Made in Joinville ( fica próximo ao shopping da zona norte. Muito interessante, pois com a inexistência da boca de lobo, a água fica parada. Mas só agora percebi que é proposital, justamente para os motoristas reduzirem a velocidade.

terça-feira, 14 de outubro de 2014

domingo, 12 de outubro de 2014

SOBRE O DIA DO PROFESSOR

A má remuneração dos professores e o desprezo do governo e da sociedade em relação a esses profissionais não impedem que ainda seja uma categoria detentora de conhecimento para ser aplicada na transformação de uma sociedade.
O professor possui o conhecimento e não apenas a informação efêmera e descartável que é descarregada todos os dias pela mídia.
Justamente por possuir esse conhecimento e difundi-lo todos os dias dentro da sala de aula temos por uma questão ética a defesa dos bons princípios.
Mas, justamente, por trabalhar educando crianças e adolescentes, o professor também tenha a responsabilidade de zelar pela coisa pública e seu bom funcionamento.
Se a casa do vizinho está sendo assaltada e você não percebe a ação do bandido, não significa que esse acontecimento deixou de ser um crime. O crime continuará sendo um crime mesmo sem você ter visto o delito.
Vejo que muitos professores reclamam da baixa remuneração, das péssimas condições de trabalho e não fazem uma leitura real do por que desta situação.
Vejo colegas abominarem a política, reduzindo-a a esfera dos partidos e de políticos em seus mandatos.
Alguns docente são capazes até de chamar alunos engajados em movimentos sociais de agitadores, isso em pleno 2014.
Pode-se ouvir absurdos como por exemplo: – Odeio política, isso não me leva a nada. – Não ganho nada me envolvendo com isso. Essas, infelizmente, não são declarações de um Zé Ninguém, mas sim de professores!
Mas é esse mesmo professor que todo final de mês quando olha seu contracheque fica desanimado.
Será que realmente a política não serve para nada?
A escola que é o grande laboratório para se discutir os problemas da sociedade é sufocada pelos próprios docentes que confundem política com politicagem.
Será que o sindicato e o governo não fazem política? Será que lutar por direitos não é digno ou necessário? Será que se contentarão apenas com tablets e lutarão todos os anos para manterem o mínimo de aulas para garantir o pagamento do aluguel? Especialização e livros novos nem pensar!
Será que poderão comer o que sobrou da merenda dos alunos (sim, aquela mesma merenda que sobra todos os dias e depois é jogada no lixo) ? Será que continuarão olhando apenas a árvore sem perceber a grandeza da floresta?
Quero dizer para todos que o sistema é cruel, que o sistema joga um contra o outro – professores contra professores – alunos contra professores – professores contra direção e por aí vai.
Quando ocorre de categorias dividirem-se os comandantes do sistema ficam felizes. Onde está o problema? Respondo com facilidade a todos. O problema está na politicagem e na corrupção.
Professores precisam defender a verdade, sendo profissionais éticos, defendendo a Constituição, o Estatuto do Magistério e até mesmo a LDB e, incentivando nossos alunos a que leiam e defendam uma escola pública de qualidade.
Muitos professores não conhecem leis e nem sequer o Estatuto do Servidor. Mas a lei existe para ser respeitada e é no espaço escolar que isso deve ser difundido e defendido pela categoria.
É justamente a ignorância que gera a corrupção e que impede você de ter um salário justo e da sociedade ter uma escola pública decente.
Por isso temos que lutar. Temos que sair da zona de conforto. Temos que enfrentar o problema. Veja que você é um professor, e como educador tem responsabilidade perante a sociedade (principalmente em relação ao aluno).
Por isso como dizia Charles Chaplin em o Grande Ditador : Professor “Não sois máquinas ! Homens é que sois! Feliz dia do Professor!

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

ABORTO GERA DESENVOLVIMENTO ???

Nunca pensei que um país para ser desenvolvido precisaria legalizar o aborto. Penso que legalizar o aborto é incentivar a barbárie. Ou seja, falta de humanidade.

AGORA É TARDE...

Agora é que vão reclamar dos institutos de pesquisas manipuladores ??? Democracia no Brasil igual a credibilidade zero.

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

A REALIDADE ELEITORAL DO BRASIL

Precisamos ser responsáveis. Dilma é uma pessoa legal, dá pra ver no rosto dela. Mas ela faz parte de um projeto de poder que está destruindo a economia do país. O assistencialismo e o corporativismo irresponsável petista está destruindo o Brasil. Se você está recebendo algo para falar bem do PT, tudo bem é decisão sua. Mas minha responsabilidade é com o Brasil...por isso não voto nessa política irresponsável do PT e do PMDB.

FEIRA DAS NAÇÕES NA SOCIESC

Muito bacana a Feira das Nações organizada por alunos e orientada pelos professores da Sociesc. Tive a oportunidade junto com meus alunos da E.E.B. Arnaldo Moreira Douat de prestigiar esse evento que já virou tradição no meio educacional de Joinville. A apresentação teatral sobre a cidade de Salvador foi muito criativa. É através da promoção deste tipo de atividade que talentos adormecidos despertam para o lado artístico. Parabéns a SOCIESC.

terça-feira, 7 de outubro de 2014

E O PSD DE JOINVILLE ???

Dois líderes comandam o partido em Joinville. Darci de Matos e Kennedy Nunes... Pertencem ao mesmo partido do governador. Hoje é o partido com mais prestígio e com mais poder em Joinville. Terão prioridades nos cargos. Vamos ver se conseguirão tirar a SDR do senador LHS ( do PMDB já conseguiram).

ESTÃO CHORANDO

Na política atual não se tem mais ambições. O PMDB de Joinville por exemplo, saiu derrotado dessas eleições. Mauro Mariane não é de Joinville, apenas adotou a cidade. Onde estão as lideranças do PMDB daqui ??? Se acomodaram e hoje estão chorando.

FILANTROPIA INTERESSEIRA

Nada contra o deputado que faça filantropia. O problema é quando a filantropia tem objetivos específicos, ou seja, objetivos eleitorais. Um parlamentar tem que agir politicamente, para isso que foi eleito. Um representante do legislativo tem que trabalhar para a sociedade e não para seus interesses particulares. Seu voto apenas serve para homologar leis puxando o saco do executivo ou solicitando sessões solenes, pirotecnia pura. Agora foi derrotado nas eleições.Mais do que previsível.

O DESESPERO PÓS ELEIÇÕES

Duas coisas desanimam um candidato derrotado: 1º) A traição de gente de dentro do próprio partido. 2º) A dívida da campanha...Tem muita gente arrependida e desesperada hoje.

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

PRECISANDO DE INTERPRETE

Triste o resultado das urnas em Santa Catarina. Agora foi provado que o político não precisa absolutamente nada para ser eleito. É só bajular o eleitorado e pronto. O povo catarinense tem que assumir o ônus dessa eleição. Não saber em quem votar e precisar de ajuda para votar é ridículo.

domingo, 5 de outubro de 2014

DEMOCRACIA É RESPONSABILIDADE


A maioria hoje decidirá o futuro do Brasil. Por isso o seu voto tem muita importância.

VOTOS E BURACOS EM JOINVILLE

Hoje pela manhã fui contando os buracos das ruas por onde passava...daí tive certeza em quem não iria votar. É só ver quem abandonou Joinville.

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

A BÍBLIA CONFIRMA


VIOLÊNCIA BOLIVARIANA

A violência no Brasil se institucionalizou justamente para facilitar e legitimar um governo bolivariano no Brasil. Por isso o Governo Federal não faz nada.

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

ÔNIBUS QUEIMADO EM JOINVILLE

Nunca se queimou tanto ônibus em Santa Catarina. Será que o povo catarinense irá votar novamente no atual governador ???

DIGNIDADE


Que o trabalho digno prevaleça sobre a malandragem institucionalizada.