.

Colabore com o Feudalismo Atual escrevendo para o e-mail: juliano.bueno1971@gmail.com ou ligue para 99164-7827

terça-feira, 12 de novembro de 2013

A POLÊMICA DAS CALÇADAS CONTINUA EM JOINVILLE

Retirado do blog do Jordi Castan

O leitor Nelson escreveu um texto sobre as calçadas de Joinville e quero compartilhar aqui, segue o texto.


Caro Jordi, é muito raro isso acontecer, mas dessa vez devo discordar. Pelo menos um pouco.
Percebo que essa discussão está sendo levada para o lado da paixão extremista, o que nos impede de ver todos os seus ângulos.
Infelizmente criou-se um conceito radical de que tudo que "favoreça aos carros" é coisa maligna. Em alguns aspectos até é, mas não podemos desconsiderar o fato que é esse o modal privilegiado pelo poder público há muitos anos. Sem que melhorassem as condições para seu uso racional, é certo. Portanto, o problema de mobilidade causado é real e nos afeta diariamente, como todos podemos sentir ao trafegarmos nas nossas ruas. Porém, não é demonizando o carro, criando-lhe dificuldades ou sonhando com toda a população andando de bicicleta e de ônibus (esses aliás...sem comentários), que vamos resolver esse problema. Pelo menos não a curto prazo.
O que temos hoje em relação à carros X estacionamentos? No meu modo simples de ver, temos uma lei que literalmente impossibilita o acesso aos estacionamentos oferecidos pelo comércio e repartições. Tenho visto um sem número de vagas não utilizadas simplesmente por ser impossivel acessa-las.
Porque a lei atual determina que o motorista, ao entrar e ao sair, só poderá faze-lo através de um único e estreito rebaixo da calçada que, à exceção da vaga imediatamente à sua frente, exigirá uma manobra impossivel sobre o passeio para acesso às demais. Ou alguém consegue virar a direção em 90 graus sobre dois metros de passeio? O que resulta, na melhor das hipóteses, em um ou dois carros "atravessados" nas vagas restantes. Um estúpido desperdício de espaço de estacionamento.
Jordi, no meu modo de ver, estacionamento para veículos é espaço importantíssimo na mobilidade. Boa parte dos carros que entopem nossas ruas, assim o fazem por estar procurando local para estacionar. Infelizmente, ainda dentro do conceito de "demonização" do automóvel, esses espaços estão sendo cada vez mais restringidos, quando deveriam ser incentivados. Bolsões, áreas subterrâneas, edifícios-garagem, o leque de opções é grande. Mas o que se vê é cada vez menos áreas para essa finalidade. Inclusive em ruas onde seria possível manter faixa de estacionamento. Sempre no sentido claro, porém obtuso, (desculpe, mas é o que penso) de desestimular o uso do automóvel. Que na outra ponta é incentivado quase à força pelo governo. Incoerente, não? Se realmente quiserem reduzir o uso do automóvel, que o façam através de opções alternativas inteligentes e mais vantajosas. Mas não vejo nada nesse sentido no horizonte. Exceto os mesmos de sempre, lançando culpa aos "carrocêntricos", interessante expressão utilizada pelos que gostam apenas de apontar o dedo.
Voltando ao nosso meio-fio, a lei aprovada pela CVJ apenas facilita o acesso às vagas mencionadas. Tornando-o rápido e seguro, sem necessidade de manobras perigosas que sempre atrapalham a fluência do tráfego.
Se for para manter do jeito que está, então seria talvez mais lógico e sensato, eliminar as vagas hoje disponivei. Porque é muito angustiante ao motorista sufocado no trânsito, enxergar a vaga vazia e convidativa e não poder acessá-la. Porque o seu carro não dispõe de capacidade de giro nas quatro rodas, só nas dianteiras...Mesmo que a tivesse, ainda assim teria que "trafegar" SOBRE o passeio, no meio dos pedestres.
Se for para mantê-las inacessíveis, sugiro transforma-las então em jardim. Mas se lá permancem para serem usadas, que tenham acesso facil e rápido.
A outra questão, da segurança do pedestre, também é discutivel. Mesmo na lei atual, em algum momento o carro atravessa sobre o passeio, para alcançar a vaga. Assim também ocorre em TODAS as entradas das casas e edifícios. Ou seja, sempre haverá um carro atravessando uma calçada, quer para estacionar, quer para adentrar à sua residência. E existem normas de segurança previstas em lei para essa prosaica manobra. E é o descumprimento dessas regras que causa a maior parte dos acidentes, fatais ou não. Até porque, não é o meio fio que segura um veículo desgovernado. As vezes, nem um guard-rail.
E finalmente, acompanhando essa discussão, percebo que muitos estão entendendo que a lei liberou o estacionamento SOBRE as calçadas, ou ao longo de TODA a rua, isso sim, um grande absurdo. Mas não é o que a lei prevê, ou não?
Como diria o Baço e com sua licença, é a vista do meu ponto.
(e desculpe o texto longo)

Leitor Nelson, aqui de Joinville

Nenhum comentário: