sábado, 29 de setembro de 2012

COTAS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS

Reitor da UFF, Roberto Salles é um dos mais incisivos ao questionar a Lei de Cotas: para ele, querem “empurrar goela abaixo a aplicação da lei”. Ontem o reitor voltou a criticar a lei e disse que, se preciso, acionará a procuradoria da instituição contra a medida.
Na sua opinião, a forma como a lei está sendo imposta fere a autonomia das universidades?
Fere a partir do momento em que tivemos uma greve longa e a universidade precisa de tempo para se adequar à lei. Temos que formar uma comissão, por meio de nosso Conselho de Ensino e Pesquisa, e discutir como vamos aplicá-la. Além disso, sabemos que as famílias de muitos desses alunos não têm condições, ainda que more na Baixada Fluminense, de garantir que venham à universidade. E o dinheiro vindo do Programa Nacional de Assistência Estudantil (Pnaes) é muito pouco.
Considera equivocada a existência de uma lei que unifique a questão das cotas para todas as universidades federais?
Claro. Porque temos diferenças regionais marcantes. Temos que ver quais são as dificuldades financeiras das famílias, independente da cor da pele. O pobre é pobre em qualquer esfera. Muitos congressistas foram prefeitos e governadores. Deveriam ter feito o dever de casa, que é melhorar o ensino infantil e básico. O Congresso transferiu para a universidade um problema, sem resolver o fundamental. Este ano, não tenho condições de aplicar e não vou aplicar a lei aqui na universidade.
A UFF, então, não vai aderir à lei para o próximo vestibular, independentemente da decisão final?
Não tem como, por uma questão de tempo. A prova do Enem já é no começo de novembro. Sequer houve discussão interna. Vamos nos preparar direito e estudar para não fazer uma coisa de maneira atabalhoada.
E como pretendem agir, caso haja determinação para isso?
Vamos acionar nossa procuradoria para discutir. Ninguém pode nos obrigar a simplesmente aplicar o que está escrito na lei. Se quisessem pressa, deveriam ter aprovado isso lá no começo do ano. É a mesma coisa que fazer uma partida de futebol e, depois de terminado o segundo tempo, mudar as regras do jogo.
O que senhor quis dizer ao afirmar que terá que “importar índios”?
Foi uma brincadeira. Não tenho nada contra eles. Eles são os donos da nossa terra. Queria mostrar que o Rio deve ter uma quantidade não tão grande de índios. Então, nesse segmento, podem sobrar vagas que não serão preenchidas só por índios. Podem ir para os alunos de escolas públicas, incluindo instituições como os colégios militares e de aplicação, que são muito bem preparados.
A lei sancionada foi pouco discutida?
Com certeza. Reitores nunca foram ouvidos e chamados para conversar sobre o assunto. Acho que junto à Lei de Cotas deveria ser aprovada outra para o cumprimento do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), já que muitos prefeitos não o cumprem. Como se pode exigir uma boa educação se, em várias regiões do Brasil, uma professora ganha entre R$ 300 e R$ 500? Não é a universidade que vai mudar o país.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/vestibular/reitor-da-uff-reitera-que-nao-vai-aderir-lei-de-cotas-para-2013-6237712#ixzz27tuSNd1s
© 1996 - 2012. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 


Fonte: Jornal O Globo - Rio de Janeiro (29/09/2012)

ARNALDO MOREIRA DOUAT CLASSIFICADA





Olha a galera!!!

GALERA DA ESCOLA ARNALDO MOREIRA DOUAT

OS ALUNOS DA ESCOLA ARNALDO MOREIRA DOUAT ESTÃO DE PARABÉNS!!! UMA GALERA UNIDA FAZ A DIFERENÇA NESSA HORA E VOCÊS COM CERTEZA FAZEM A DIFERENÇA...SHOW!!!
Professor Juliano Carvalho Bueno
 
 

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Dona Helena e os pilantras da congregação religiosa

Dona Helena, Schwester Irma e os pilantras da congregação religiosa.

O Hospital e Maternidade Dona Helena, de Joinville, tem este nome porque o terreno em que foi construído foi doado por Helena Lepper, com ideais comunitários. Ele foi administrado por uma congregação de irmãs - os não tão jovens devem se lembrar de Schwerster Irma e Schewster Else - e tinha, historicamente, um caráter filant
rópico. Era chamado de "Casa de Saúde".

A porta da frente era mantida aberta.

Por caminhos sinuosos os patrimônios amealhados em nome do ideal comunitário podem se transfigurar, ir sofrendo mutações. Podem se tornar ferramentas a serviço de interesses pontuais, até pessoais.

Há uma degeneração do espírito de comunidade que estimula a usurpação de bens doados a entidades filantrópicas e parece ser um vício particularmente ligado a igrejas.

E foi justamente quando o Brasil começou a analisar este vício pernicioso que contamina as comunidades, que surgiu entre nós a palavra "pilantropia".


Milton Wendel

Uma certeza...

...Joinville terá dois turnos para decidir quem será o novo prefeito "que construirá" 22 elevados.

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Complicado

Registro de candidatura de Carlito foi cassada mais uma vez. Mas ele poderá recorrer em Brasília.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Três candidatos desesperados e dois mostrando maturidade

Está ficando evidente o desespero de três candidatos a prefeito de Joinville. Não sabem mais o que fazer para convencer o eleitor. Os outros dois estão calmos, serenos...simplesmente esperando o resultado do dia 07 de outubro.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Não adianta chorar depois...

...Pelo que estou sentindo, o joinvilense vai votar no candidato errado mais uma vez.

sábado, 22 de setembro de 2012

Adorar a dois senhores ??? Cai na própria mentira

Da coluna do jornalista Prisco Paraíso hoje no Jornal A Notícia:

Ciumeira

Nada como uma eleição após a outra. Ao repassar o governo para Leonel Pavan (PSDB), em 2010, Luiz Henrique da Silveira (PMDB) declarou que o tucano havia sido um prefeito revolucionário em seus três mandatos em Balneário Camboriú, mudando a história da cidade para sempre.

Nesta semana, participando do primeiro comício da campanha de Edson Piriquito (PMDB), o senador se derramou em elogios ao correligionário. LHS disse no palanque que “foi nesta administração que Balneário Camboriú ganhou nova feição e está maravilhosamente linda e bem estruturada.” Acrescentou ainda que “já sente o cheiro da vitória de Piriquito” e que “o município é um dos mais bem administrados do Brasil por um prefeito peemedebista.”

Essa é a síntese de um e-mail despachado pela assessoria de imprensa de Pavan, que pelo visto não gostou nada da presença de Luiz Henrique em Balneário Camboriú, onde o tucano respalda a candidatura de Rubens Spernau (PSDB).


Fonte: Jornal A Notícia (22/09/2012)

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

FUI ENGANADO

COMO É TRISTE PERCEBER QUE PESSOAS EM QUE VOCÊ CONFIAVA MUDARAM DE COMPORTAMENTO ASSIM TÃO DE REPENTE POR INTERESSES MESQUINHOS. NÃO DESEJO NADA DE MAL PRA VOCÊS. MAS O DINHEIRO FAZ COISA.

domingo, 16 de setembro de 2012

Óptica e realismo na arte renascentista

Uma teoria muito divulgada afirma que pintores do século XV atingiram novo nível de realismo com a ajuda de lentes e espelhos. Mas descobertas recentes levantam dúvidas sobre essa hipótese 

Quando pensamos na grandiosa trajetória da pintura ocidental, observamos um fenômeno muito interessante no despertar do Renascimento.

Até cerca do ano de 1425, a maioria das imagens era bastante estilizada, até mesmo esquemática; mas, a partir de então, podem ser vistas pinturas que apresentam um realismo quase fotográfico. Por exemplo, O casamento de Arnolfini, pintado pelo mestre do início do Renascimento Jan van Eyck (1390?-1441), revela tridimensionalidade, presença, individualidade e profundidade psicológica não encontradas em obras anteriores.

Fonte: Portal uol

Muito buraco...

...Tudo tem um limite. Mas a buracada nas ruas de Joinville já passou dos limites.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Mulher enterrada em casa ??? Aonde???

Aqui em Joinville. Mais um crime bárbaro.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

quinta-feira, 6 de setembro de 2012