.

Colabore com o Feudalismo Atual escrevendo para o e-mail: juliano.bueno1971@gmail.com

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Eles já estão por aí...


...Os caranguejos estão pendurados nas beira de estradas e no Mercado Público aqui de Joinville.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Um novo partido em Joinville...


É o Partido Livre...

Caxias muito mais organizado que o Jec

O Caxias é uma casinha de pobre bem arrumada...O Jec é o cara que comprou um carro em 72 vezes,come sopa e paga aluguel.

Isso é fato

O Caxias foi mais vitorioso que o Jec nesta década.

O Bruxxxque tem calendário...


...E o Jec???

A competência dos manezinhos


Hoje Florianópolis tem dois clubes na Série A...Daí tu tiras!!!

O Jec de hoje


Um clube sem expressão nacional pois não disputa nenhuma competição importante da CBF.

O último título do século passado e o primeiro do novo milênio


2000 e 2001...dois títulos estaduais seguidos com o competente técnico Artur Neto.

E o Jec dos anos 90???


O Jec não ganhou nada...Só deu Criciúma.

O Jec e os anos 80


O Jec disputou em 1980,1981,1982,1983,1984,1985 e 1986 o Campeonato Brasileiro(que tinha o status da atual Série A)...Conquistou o Campeonato Catarinense em 1980,1981,1982,1983,1984,1985 e 1987...A década de 80 com certeza foi gloriosa para o Joinville Esporte Clube.

Federação Catarinense de Futebol parabeniza Avaí...Clique sobre a imagem


Fonte:www.sportall.com.br/fcf

domingo, 28 de novembro de 2010

Quem foi???


Quem foi que projetou as rotatórias das Universidades e da Whirlpool ???

sábado, 27 de novembro de 2010

O Jec é um exemplo

A existência do Jec hoje como instituição se deve apenas a sua grande torcida .Se dependesse da ajuda dos empresários locais o clube nem existiria mais.Dizem eles que não tem nenhuma obrigação de ajudar o clube(e não tem mesmo).Fazer o que,ainda bem que o Jec está vivo com o apoio de sua sofredora torcida.Quem sabe apareça um empresário forasteiro e invista no tricolor.

Só acredito na tradição

A tradição é que mantém um clube.Sigamos o exemplo do Avaí,Figueirense e agora do próprio Caxias aqui de Joinville.Quando você cria amor por um clube ele nunca se acaba.Agora essas "criações de laboratórios" que usam o esporte apenas para promover o nome da empresa não chegam a lugar nenhum(leia-se Parmalat,Malwee,Tigre,Cônsul) que acabam deixando a comunidade e os torcedores na mão.

O fim de uma era

O super time de futsal da Malwee acabou.Agora pergunto:O que será feito com a Arena Jaraguá que foi construída praticamente só para esse time??? Isso é profissionalismo??? Simplesmente transformaram Jaraguá do Sul em um zero no esporte da noite para o dia.E não podem culpar os "forasteiros".Quem acabou com o super time é gente de Jaraguá do Sul mesmo.

Caxias é campeão na raça


Caxias supera o calor e as dificuldades e conquista mais um título dentro de campo...Parabéns!!!

Fotógrafo metido

O que que um fotógrafo vai fazer no meio do fogo cruzado lá na favela do Rio de Janeiro???Devia levar é um tiro na bunda pra aprender...Seu loko!!!

Cambada de covardes

Colocando fogo em ônibus e táxi que transportam trabalhadores que querem simplesmente trabalhar!!! Pena de morte para esses covardes que destroem as famílias.

Em silêncio

A classe média carioca está quietinha quietinha...Claro é ela que sustenta o tráfico.

Nota 10 para eles

O governador fluminense Sérgio Cabral...
As Forças Armadas do Brasil...
A Polícia Federal...
A população carioca que quer se ver livre dessa praga de traficantes...
E nota 10 para o Governo Federal

Exército de menores

Nos tele-jornais de ontem a Polícia carioca tinha prendido cinco menores de idade como suspeitos de participarem do terrorismo no Rio de Janeiro.Daí tu tiras!!!

Contaminado pelo meio

Qualquer escola recebe a influência da comunidade na qual está inserida.Infelizmente, os teóricos de esquerda(que pensam muito mas agem pouco) que participaram do primeiro governo de Brizola no Rio de Janeiro, pensaram apenas no CIEP e não na comunidade carente e refém dos traficantes que viviam ao redor da escola.

A Educação como solução dos problemas


Leonel Brizola e Darcy Ribeiro com a construção dos Centros Integrados e Educação Pública(CIEPs) achavam que apenas com a educação a situação da marginalidade carioca chegaria ao fim o que na teoria é muito bonito mas na prática mostrou que é bem diferente.

O Poder Paralelo

Em conversa com o professor Paulo, que é carioca, leciona a disciplina de História e vive aqui em Joinville,ele foi contando um pouco sobre o chamado poder paralelo no Rio de Janeiro.Segundo o professor, tudo iniciou na década de 80 com o governo de Leonel Brizola.Houve, digamos,um acordo entre os traficantes e o governo.Os traficantes apoiariam Brizola, desde que a Polícia não subisse para os morros.Com isso o Estado foi ficando cada vez mais distante dos favelados.Era tudo que os traficantes queriam.

Rio de Janeiro tem solução

A solução para guerra civil no Rio de Janeiro, passa por várias medidas.
Primeiramente teria que ver a possibilidade de se fazer uma PPP (parceria público-privado), que consistiria em o município fazer conjuntos residenciais para os atuais moradores, de favelas, devidamente cadastrados.
Essas áreas de risco , que no caso do RJ, estão numa área privilegiada, com vista para o mar, seriam construídos condomínios de altíssimo luxo. (Aí entrando a parte privada.)
Esses terrenos que custariam uma fábula, viabilizariam os conjuntos residenciais em parte ou totalmente.
Dentro desses conjuntos residenciais teria posto da PM , atendimento de saúde, escola, lazer e toda a infraestrutura necessária para se dar cidadania a essa gente.
Os apartamentos não poderiam ser vendidos , nem alugados. Fiscalização constante com regras claras, vendeu ou alugou, perdeu.
Seriam dados incentivos fiscais para que se instalassem fábricas no entorno dos conjuntos , sendo que um dos critérios para a concessão dos incentivos , seria a utilização de mão-de-obra da região, em especial do conjunto recém-criado.
A forma de retirada dos favelados, seria por via judicial, ou seja , cumpra-se.
Se para cumprir a decisão judicial se faz necessária a utilização de força. Assim seja.
Como o carioca é , festeiro, gente boa etc. Tudo isso seria feito com muito samba , funk e tudo mais que o povo quiser, desde que sumam daquele local.
Aproveitando a oportunidade de tê-los felizes por estarem adquirindo imóveis dignos , com chances reais de emprego , etc., seria ofertada a todos também a ligação de trompas e vasectomia. Tudo dentro da Lei.
No caso, para incentivar esses métodos contraceptivos por parte da população , seria dado como bônus isenção de 5 anos de IPTU e um crédito no valor de algo em torno de R$ 3.000,00 , que poderiam ser gastos como quisessem.

Isso seria feito morro por morro na zona sul, onde o valor do terreno é alto e a vista maravilhosa. Nas regiões menos nobres o Estado bancaria a retirada sem a contrapartida da PPP e incentivaria a arborização das áreas, como, aliás, foi um dia.

Podem notar que a idéia é boa e viável. Falta então o que??
Resposta: VONTADE POLÍTICA
Paulo Curvello
Agente da Polícia Civil
Chefe da Ciretran
Balneário Camboriú
curvell@terra.com.br

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

A gripe me pegou

Por isso não atualizei o blog,ok!!!

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Sejamos sinceros


Concorrência,preços competitivos,produto com qualidade,essas são algumas das muitas farsas em relação ao alto preço dos combustíveis aqui em Joinville.Tudo bem que existe o gasto com os impostos,com os funcionários e tal.Mas por que uma diferença tão gritante de preços de uma cidade para outra???

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Cartel em Joinville

Meu amigo, para aumentar ainda mais a tua justa indignação, com o abuso no preço dos combustíveis ( que evidencia cartel)
nos postos de Joinville, te envio o preço de um posto que abasteci hoje em Itajaí.
Cidade à 65 km de Joinville.
Posto Ipê Pescados
CNPJ: 79.683.033/0004-86
End: Av. Prefeito Paulo Bauer nº. 142
Itajaí-SC
Gasolina: R$2,47
Álcool:R$ 1,74
Diesel:R$ 1,98
Comparando com os preços praticados em Joinville , uma aberração.

Forte abraço
Paulo Curvello
Balneário Camboriú
curvell@terra.com.br

É o roubo institucionalizado


Aumento direto dos combustíveis??? Isso é o roubo institucionalizado.Isso é uma vergonha!!! Com a palavra nossas autoridades.

Novo aumento dos combustíveis em Joinville

Nova alta nos preços dos combustíveis em Joinville. Segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP), na semana passada, o litro do álcool nas bombas passou de R$ 2,033 para R$ 2,041, o que dá um aumento de 0,39%. A gasolina teve uma alta mais forte, passando de R$ 2,574 para 2,591, uma alta de 0,66%. A justificativa: as de sempre: maior demanda de gasolina por causa da elevação dos preços do álcool, que são puxados pelo aumento nas exportações de açúcar e pela entressafra da cana.

Fonte:Vandré Kramer,Jornal A Notícia(23/11/2010)

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Jec:Mais uma vez um mero coadjuvante

O Jec entrará com apenas um objetivo:conquistar o direito de disputar a Série D em 2011.O tricolor não terá condições de enfrentar a dupla da capital,o Criciúma,Chapecoense e o próprio Brusque.Clube que renova contrato com jogador perdedor já começa errado.Conseguindo o sexto lugar tá mais do que bom.

Vereador quer saber do PAC2

O vereador Maurício Peixer(PSDB) está querendo saber da Prefeitura o que será
feito em Joinville no PAC2 (Programa de Aceleração do Crescimento 2) para o
ano de 2011.
Para tanto, o vereador encaminhou ao prefeito de Joinville o Pedido de
Informação 636/2010 com o seguinte teor:


Referente o PAC2, solicito as seguintes informações:

1.Quais as obras que estão previstas para serem realizadas em Joinville
através do programa?
2.Quais os valores de cada uma das obras?
3.Essas obras serão custeadas apenas pelo Governo Federal? Se não, citar
fontes.
4.O Governo Federal já enviou algum documento contendo as obras a serem
realizadas no município? Se sim, enviar cópia.
5.As obras possuem data limite para a sua conclusão?

A Prefeitura tem 30 dias para dar a resposta ao vereador.

Fonte:
mauriciopeixer@cvj.sc.gov.br(22/11/2010)

domingo, 21 de novembro de 2010

Perdendo a sua identidade

O texto anterior foi escrito por alguém que realmente conhece a história de Joinville e por isso é um alerta.Quando falamos dos problemas da cidade num primeiro momento pensamos que a falha está apenas no poder público e na classe política o que não é verdade.O ônus também cabe as entidades representativas joinvilenses que pensam muito mas agem pouco ou melhor,não agem.Que bom que esses intelectuais que querem o bem de Joinville estão acordando,estão escrevendo,estão se posicionando.Joinville virou uma cidade artificial.A Joinville das propagandas oficiais e dos grandes eventos não é a Joinville do mundo real.Estamos sim perdendo nossa identidade,tudo aqui é mais difícil.A grandeza da cidade,se resume a números,a estatísticas.Isso é preocupante.

sábado, 20 de novembro de 2010

Um texto realista(pena que cairá no esquecimento)

A falta do padroeiro

Sempre que circulo por um dos shoppings da cidade, fico remoendo o mesmo raciocínio: quando empresários terão a ideia de reinventar o shopping? Joinville poderia dar essa contribuição ao resto do planeta, afinal, já temos aqui o que serão os shoppings do futuro. Nas chamadas “catedrais do consumo”, o futuro será de quatro locações: área de alimentação, cinema, banheiros e setor de dança, este último como inovação. É o que basta. O resto funcionaria como decoração e para mostrar (nas vitrinas) aos que circulam os lançamentos da moda. É o que acontece, por exemplo, de forma nítida e clara a quem se dê a observar o comportamento dos frequentadores desses estabelecimentos. Nas tardes de domingo, os jovens lotam esses ambientes em busca de lanche, banheiro, eventualmente um cinema (sem pipoca) e de paquera. Consumo zero.

Decantada como a mais “rica e populosa” cidade de Santa Catarina, é um mistério como se sustentam os lojistas instalados nessas áreas de circulação de jovens e adultos. E tem shopping quase vazio. De fato, trata-se de mágica digna de estudos sobre administração e empreendedorismo. A rica Joinville tem índice de consumo dos menores do País, continua com um dos piores índices de saneamento e tudo aqui nos últimos anos empaca em mediocridade. Do time de futebol que não para de andar para trás, até obras públicas que não saem de jeito nenhum. E quando saem, precisam de reformas em poucas semanas.

Na área do empreendedorismo, ficamos até sem a festinha mixuruca no mês de outubro. Nem aquelas “armações” de última hora conseguem fazer mais. Continuamos sem parque, apesar de promessas de dez, há dez anos. Os prédios da cultura desabam, paredes e telhados despencam. E permanecem interditados por meses e meses. Para o campus da UFSC, empurraram a área de maior alagamento e cheia de outros entraves técnicos. A UFSC se instalará mesmo na Univille e amanhã ou depois, quando chegar à Presidência da República um “amigo da cidade”, é só federalizar o “campus” inteiro, raciocinam as lideranças.

Estamos engatinhando em quase tudo e, mesmo assim, somos anunciados como um “paraíso” cheio de verdes, ciclovias e atrações turísticas como a Festa das Flores que, a cada ano, recebe “milhares de visitantes”. Não vai demorar e teremos a “maior festa das flores do mundo”. E dois recordes no “Guinness Book” para exibir para Blumenau e Florianópolis. Até para definir um padroeiro a cidade não se entende e a Câmara paga mico. Um atrás do outro, aliás.

Em cidades de renda per capita baixa, com populações operárias, os shoppings poderão ter utilidade se transformados em áreas de “interação social”, o simples e delicioso namoro de sempre. Área básica de alimentação, instalações sanitárias, um cinema para 55 espectadores (sem exagero de som, por favor) e, como atração especial, a área de estacionamento de carros adaptada para “tardes de rock”, com som maneiro para a garotada. No futuro, os shoppings serão assim, só para namorar. Também nisso estamos na frente, dirão os ingênuos e os líderes do atraso em que a cidade se meteu.

aternes@terra.com.br

Apolinário Ternes,é historiador e jornalista
Fonte:Jornal A Notícia(21/11/2010)

Isto é vergonhoso para um Legislativo

Escolher qual será o padroeiro de Joinville é o fim da picada.Vai ver que os problemas da cidade não são resolvidos pela ausência de um santo milagreiro.Vereadores por favor!!!Respeitem a população de Joinville.

Juarez Machado,por Paulo Curvello


Lendo a nota "Feedback", na coluna do meu amigo e "vascaindo sofredor” Haroldo Marinho, sobre a defesa constante do Edson Machado em relação ao seu irmão Juarez Machado, fiquei a me perguntar: mas quem não defenderia um irmão , ainda mais uma celebridade mundial?
Juarez Machado ultrapassou todas as barreiras possíveis e imagináveis.
Ele, além de dedicar-se à pintura, é também escultor, desenhista, caricaturista, mímico, designer, cenógrafo, escritor, fotógrafo e ator.
Quem tem um pouco de memória , lembra que ele foi chargista dos principais jornais brasileiros e mímico no programa Fantástico, da TV Globo.
Sendo que em recente pesquisa, seu nome , assim como a "zebrinha" eram os personagens mais lembrados do famoso programa dominical.
É um artista de renome mundial, é de Joinville e se orgulha em dizer isso , a cada entrevista dada.
Aliás, em várias entrevistas o artista chega a exibir a bandeira de Joinville, que segundo ele, carrega na mala em viagens, mundo afora.
Não é o Edson Machado que tem que defender seu irmão, são todos os pessoas que assim como eu, gostam de Joinville , de Santa Catarina e do Brasil, pois ele é um legítimo representante da classe artística e certamente orgulho para todos , principalmente para os joinvillenses.

Paulo Curvello
Balneário Camboriú
curvell@terra.com.br

2004,triste ano para o Jec

Preparando um texto sobre 2004,o ano que afundou o Jec.

Todos os caminhos levam ao Ernestão

Por isso nesse domingo os olhares se voltam novamente ao Ernestão.O Caxias merece o apoio da comunidade pois está fazendo um trabalho sério.

Um clube paciente que não quer "atalhos"

Os dirigentes caxienses sabem muito bem que a melhor forma de conquistar a confiança da torcida e de novos apoiadores é ganhando títulos.Por isso o esforço de a cada ano conquistar dentro de campo o direito de voltar a elite do futebol catarinense.

O Ernestão ainda é o melhor

O gramado do Ernestão é superior ao da Arena Joinville.É melhor disputar uma partida no campo do Caxias do que no reduzido gramado da Arena.

O resgate do Ernestão

O Caxias tem um belo patrimônio,num dos locais mais valorizados de Joinville.Aos poucos a dignidade do Ernestão está sendo resgatada.

Clube com projeto viável

O Caxias de hoje é um clube que conhece seus limites,por isso se organizou e tem um projeto viável que está conquistando o apoio da comunidade joinvilense.

Caxias em alta

Gostei muito do retorno do Caxias ao futebol profissional esse ano.A experiência anterior não foi positiva pois determinados dirigentes ficaram deslumbrados e acabaram gastando dinheiro que não tinham,ou seja,deram o passo maior que a perna.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Jacatirão florido é o Natal chegando


A floração do jacatirão é um dos momentos mais bonitos do ano para quem mora próximo a Mata Atlântica.Nós aqui de Joinville temos esse privilégio.É também o sinal que o Natal está bem próximo.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Estranho né!!!


É que aqui no Ocidente(Terceiro Mundo),as empresas que seguiam uma padronização em suas linhas de produção não eram criticadas,mas sim,elogiadas por sua organização,por sua padronização que não era imposta por governos comunistas,mas sim,pela própria "inteligência inovadora"da iniciativa privada(leia-se Henry Ford).Estranho né!!!

Planificação socialista


Lembro quando era criança da Olimpíada de Moscou,quando o ursinho Misha no encerramento dos jogos chorou.O mundo ocidental olhou para os soviéticos com espanto.Olhem só!!!Os comunistas tem sentimento!!! A URSS foi a grande vencedora,seguida da extinta Alemanha Oriental.Não tinha pra ninguém em matéria de organização.Os países considerados comunistas(que na realidade eram ditaduras comandadas por partidos únicos) tinham os melhores atletas,a melhor educação e uma economia mais justa(não perfeita).Os comunistas defendiam a planificação,a padronização que era criticada pelos países capitalistas pois diziem esses: Como pode um povo viver sob a padronização imposta por governos que impedem a livre iniciativa de sua população???

Boa iniciativa

Que bom que os três deputados estaduais se uniram em torno da construção desses elevados.É esse tipo de trabalho que a cidade precisa.Parabéns aos três representantes de Joinville.

Da coluna do Jefferson Saavedra de hoje

QUEREM ELEVADOS

Darci de Matos, Kennedy Nunes e Nilson Gonçalves assinam emenda ao PPA estadual para a construção de quatro elevados em Joinville. Tem ainda de incluir no orçamento. A Prefeitura dirá onde serão construídos, caso o dinheiro venha.

Fonte:Jefferson Saavedra,Jornal A Notícia(17/11/2010)

terça-feira, 16 de novembro de 2010

É de assustar...

...O alto preço dos combustíveis nos postos de Joinville.O etanol por exemplo já ultrapassou os R$2,00.Tudo bem que o ICMS sobre os combustíveis aqui em Santa Catarina é um dos mais altos do país(que é uma vergonha!!!),mas tem gente querendo ganhar muito a custa do povão.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Candidatura própria a prefeito em 2012

Coadjuvante em algumas eleições em Joinville,pequeno mas tradicional partido de esquerda aqui da cidade poderá ter candidatura própria a prefeito em 2012.As conversas estão rolando dentro da agremiação e o objetivo é agregar as forças da esquerda que estão dispersas e insatisfeitas com o atual rumo da política local.

15 de novembro e a Proclamação da República

No dia 15 de novembro de 1889, o Marechal Deodoro da Fonseca, com o apoio dos republicanos, demitiu o Conselho de Ministros e seu presidente. Na noite deste mesmo dia, o marechal assinou o manifesto proclamando a República no Brasil e instalando um governo provisório.

Após 67 anos, a monarquia chegava ao fim. No dia 18 de novembro, D.Pedro II e a família imperial partiam rumo à Europa. Tinha início a República Brasileira com o Marechal Deodoro da Fonseca assumindo provisoriamente o posto de presidente do Brasil. A partir de então, o pais seria governado por um presidente escolhido pelo povo através das eleições. Foi um grande avanço rumo a consolidação da democracia no Brasil.

Fonte:www.historiadobrasil.net ou em qualquer livro de história da rede pública ou particular do Brasil.

Projeto "Nossa Banda" retoma concertos na comunidade



Depois de se apresentar no Festival de Fanfarras no sábado e na Festa das Flores neste domingo (14) a Banda do Corpo de Bombeiros Voluntários de Joinville dará sequência ao projeto "Nossa Banda" nos dias 19 e 27.

Na sexta-feira, dia 19, a apresentação ocorre na EM Professor Osvaldo Cabral (10h) e na EM Professor João Bernardino (15h); no dia 27, a banda estará na Sociedade Esportiva e Recreativa Tigre, às 11 horas.
O projeto “Nossa Banda” tem o apoio do Instituto Carlos Roberto Hansen e o patrocínio da Tigre e Ministério da Cultura via Lei de Incentivo à Cultura.

Fonte:Rogério Giessel(14/11/2010)

Área VIP

Em recente entrevista, o empresário da noite carioca Ricardo Amaral, disse aquilo que já venho notando a alguns anos.
Segundo ele e eu corroboro com sua opinião, o termo VIP se banalizou tanto que quando chega e vê tal área numa casa noturna, pensa que é o pior lugar do clube. “É onde estão as pessoas mais desprezíveis”, afirmou.
Transferindo sua impressão para algumas casas noturnas de SC, especialmente no circuito Joinville, Florianópolis, Balneário Camboriu , o panorama é mesmíssimo.
O que tem de “mala” nesses cercadinhos é uma grandeza. Pior ainda quando essas áreas VIPS ficam num nível acima do piso normal, os imbecis só faltam cuspir para baixo.
Conselho - Fujam de áreas ditas VIP.

Paulo Curvello
Balneário Camboriú
curvell@terra.com.br

domingo, 14 de novembro de 2010

Feudalismo Atual apoia o Caxias Futebol Clube


No próximo domingo, dia 21 de novembro às 16 horas, o Caxias enfrentará o Guarani de Palhoça, valendo o TÍTULO da Divisão de Acesso e com isso garantir o acesso para a Divisão Especial 2011.

Por isso, contamos com o apoio de TODOS para que o CAXIAS volte a ELITE do futebol catarinense.

Para pensar,por Jordi Castan

Para realizar grandes coisas, não devemos apenas agir, mas também sonhar; não só planejar, mas também acreditar.'

É isto que faltou na entrevista do prefeito, além de sonhar, tampouco acredita.

Jordi Castan

Sobre a entrevista

1º)Achei muito interessante a entrevista pois o jornal possibilitou ao prefeito fazer a defesa de sua administração.

2º)Como joinvilense também fiquei frustrado em saber que a cidade não terá em curto e médio prazo as grandes obras tão esperadas pela população.

Entrevista do prefeito Carlito ao Jornal A Notícia repercute

A seguir a opinião do jornalista Rogério Giessel e do paisagista Jordi Castan sobre a entrevista com o prefeito de Joinville:

"E não é mais uma desculpa meu caro Juliano? Francamente, quando ele diz
estar aliviado com a vitória de Dilma, quer dizer que com sua iminente derrota em 2012, não ficará sem uma "boquinha" no governo federal, já que estará sem mandato.
Saneamento diz ele. Mas esse dinheiro é do PAC e boa parte se deve a projetos da antiga administração. Acenando com chapéu alheio".

*Rogério Giessel

"Li a entrevista, achei as respostas muito aquém do que Joinville precisa para os próximos anos.
Nenhuma das ações propostas são estratégicas. O pior é que o prefeito parece estar muito satisfeito tanto com o que tem feito até agora, como com o que tem previsto fazer até o final do mandato.
A melhor prova da mediocridade do que esta proposto são as dúvidas que tem sobre ser candidato a reeleição em 2012. Acho que isto já diz tudo.
Se fizer a metade do saneamento que assegura que fará já será muito.
Vamos nos conformar, desta cartola não sai mais coelho. É isto e ponto. Acabou".

*Jordi Castan

Clique sobre a imagem

sábado, 13 de novembro de 2010

Para pensar(e pedalar)


"Quando eu vejo um adulto em uma bicicleta, eu estou esperançoso sobre o futuro da raça humana" H.G Wells.
--

Marcello Dalla Vechia

...... __@
...._ \ >_
...(_)/ (_)

Vá de bike!

Eita dinheiro difícil de chegar


Essa história dos R$40 milhões do BNDES acredito que esteja chegando aos 4 anos.Pensei que era culpa da burocracia,mas pelo que estou lendo nos jornais falta é vontade e a "canetada" de alguém com poder,só isso.

Ótima entrevista com Carlito Merss

Ótima a entrevista que o prefeito Carlito Merss concedeu ao Jornal A Notícia.Carlito mostrou o que pensa e o que está fazendo pela cidade.Pena que nem toda a população terá oportunidade(ou interesse) de ler o jornal de domingo.Com certeza os formadores de opinião dirão que é só mais uma desculpa do prefeito Carlito.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

OBRAS: BNDES reconhece importância das obras do Programa de Integração Urbana de Joinville


As obras contempladas pelo Programa de Integração Regional e Desenvolvimento Urbano de Joinville foram reconhecidas pelos técnicos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) como de grande importância para o município porque vão melhorar as vias de acesso a diversas regiões e estão em locais atendidos pelo sistema de transporte.

De acordo com o gerente do departamento de Gestão Pública e Avaliação de Impactos Sociais do BNDES, Gabriel Filártiga, a análise completa do projeto deve estar concluída em dezembro e já no início de 2011, o financiamento poderá ser liberado para a execução das obras. O programa receberá R$ 67 milhões e, deste total, R$ 40 milhões são provenientes do banco e R$ 27 milhões equivalem a contrapartida dos governos municipal e estadual.

O prefeito Carlito Merss acompanhou a visita dos técnicos do BNDES, da secretaria de Estado da Infraestrutura e da Fundação Ippuj, e com o deputado federal Mauro Mariani, nesta manhã de sexta-feira (12), a três locais. Primeiramente estiveram no entroncamento das ruas Max Colin e Campos Sales, onde está previsto o prolongamento da rua Max Colin que integrará um futuro binário com a rua XV de Novembro. A segunda parada foi na Rodovia SC-413, conhecida como Rodovia do Arroz, no Vila Nova, onde as obras já foram licitadas e a contrapartida do município e do Estado estão de acordo com as exigências do BNDES. "Estamos ansiosos para que as obras iniciem porque elas são fundamentais para Joinville", afirou Carlito.

O gerente do BNDES salientou que a fase de análise técnica e financeira está adequada e que neste momento são necessários apenas alguns ajustes jurídicos. Ele também fez questão de elogiar, em dois momentos diferentes, a qualidade técnica dos projetos. A gerente de planejamento e avaliação da Secretaria de Estado da Infraestrutura, Zelita Terezinha Hahn, declarou que o Programa de Integração Regional e Desenvolvimento Urbano de Joinville é prioridade.

A visita encerrou no Eixo da avenida Almirante Jaceguay e Suíços (bairro Costa e Silva e Vila Nova), área que receberá pavimentação e ciclofaixas. A região, explicou o gerente de Implantação e Pós Ocupação, Marcel Virmond Vieira, é um eixo estruturador da cidade e com melhor adensamento para as vias públicas.

O Programa

O Programa de Integração Regional e Desenvolvimento Urbano de Joinville prevê obras para o binário do Vila Nova, Eixo da avenida Almirante Jaceguay e Suíços (bairro Costa e Silva e Vila Nova), prolongamento da rua Max Colin, duplicação da XV de Novembro, corredor da rua 9 de Março, e pavimentação da Rui Barbosa, rua Tuiuti e Albano Schmidt (no trecho do Hospital Regional até a curva do Nereu). Todos as vias incluídas neste programa contarão com ciclofaixas e ciclovias, totalizando 33 quilômetros.


Izani Mustafá
Assessora de Comunicação
Fundação Instituto de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento
Sustentável de Joinville - IPPUJ.
Celular: 8412-7365
Fone: 47 3431 3311 Fax: 47 3422 7333

Missão do BNDES visita Joinville e deputado acompanha

Justificar

No segundo dia da visita dos técnicos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) à Joinville, o deputado federal Mauro Mariani e o prefeito Carlito Merss acompanharam a comitiva em visita aos locais que receberão obras na cidade com o financiamento de R$ 40 milhões do banco federal que o Governo do Estado está contraindo para investimentos em infraestrutura na maior cidade catarinense.

Conhecido tecnicamente como BNDES 3, o programa representa um investimento total de R$ 67 milhões, sendo que R$ 40 milhões são recursos do financiamento do BNDES e R$ 27 milhões corresponde a contrapartida dos governos municipal e estadual. Ontem a tarde o deputado federal Mauro Mariani fez questão de participar da reunião que aconteceu na Fundação Ippuj entre os técnicos que trabalham nos últimos dados para liberar o processo para análise da diretoria do Banco e posterior assinatura. Mariani chegou de Brasília por volta das 15 horas, e às 15:30 já estava na Prefeitura na reunião.

Nas visitas realizada hoje (12) ao ponto de início do Binário do Vila Nova na SC 413 (Rodovia do Arroz), rua dos Suíços/Almirante Jaceguay (Costa e Silva e Vila Nova) e futuro prolongamento da rua Max Colin (da rua Campos Salles até próximo ao viaduto da BR 101/Vila Nova), participaram além de Mariani e Carlito os técnicos do BNDES Gabriel Filártiga (gerente de gestão pública e avaliação de Impactos Sociais), Marcos de Araújo Faustino (economista) e Kátia França (advogada); da secretaria de Infraestrutura de Santa Catarina Zelita Terezinha Hahn (gerente de planejamento e avaliação) e Dalcio Pickler Baesso; e da Fundação Ippuj Vladimir Tavares Constante (diretor executivo) e Marcel Virmond Vieira (gerente de implantação e pós ocupação).

As visitas serviram para consolidar na equipe do BNDES a importância das obras para a melhoria da mobilidade urbana em Joinville. Segundo os técnicos, faltam alguns documentos da Secretaria da Fazenda do Governo do Estado para que o processo ande e seja assinado em breve. Para o deputado Mauro Mariani, essa fase da visita dos técnicos aos locais das obras, sentindo na pele as dificuldades de tráfego rumo ao Vila Nova, o trajeto sem pavimentação do novo acesso via Almirante Jaceguay, a execução do prolongamento da Max Colin, alargamento da rua XV e Binário do Vila Nova, foi muito importante.

“Foi bom que os técnicos conhecessem de perto os locais das obras, onde eu e o prefeito Carlito pudemos observar a eles o quanto a burocracia afeta à milhares de pessoas no dia a dia. É um processo moroso, que nos deu e dá muito trabalho desde os projetos, licenciamentos, desapropriações e tudo o mais, mas que valerá a pena para a cidade”, destacou Mauro.

Fonte:www.mauromariani.com.br(12/11/2010)

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Prioridades (2)

Passei por acaso em frente ao Colégio Bom Jesus ontem após às 19:30 horas onde estava sendo realizado um evento.Pois bem,ali tinha um guarda da CONURB para organizar o trânsito.Prioridades são prioridades,daí tu tiras!!!

Prioridades

Ontem peguei o pesado trânsito da Avenida Santos Dumont...20 minutos da Univille até a rua Iguaçu e nenhum guarda da CONURB para orientar os motoristas.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Imprensa independente,aonde!!!

A imprensa não é independente e nunca será.Ou ela cai nas garras do grande capital ou do governo.Sem esses dois "mecenas" ela não sobrevive.

A crítica de Rogério Giessel* a imprensa barriga verde

Incrível como a imprensa de Santa Catarina prefere a comodidade das informações oriundas de fontes oficiais. O mais recente exemplo é caso do bebê de apenas 9 meses, socorrido na Estrada Geral de Itapocú, em Araquari, na tarde de terça-feira (2).

Em um primeiro momento, a versão divulgada foi de um acidente doméstico. De acordo com o jornal A Notícia, a criança entrou em convulsão ao se sufocar com um biscoito. Enquanto era atendida pelo corpo de bombeiros da região, a menina já estava com um quadro clínico bastante grave, inclusive com parada cardíaca. Depois de reanimada, o bebê foi encaminhado pelo helicóptero da Polícia Militar para o Hospital Infantil de Joinville, onde foi internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em estado grave.

Porém, no dia 3, o jornal já ventilava a possibilidade de a criança ter se afogado com uma pedra de crack, já que os pais são usuários da droga. O mesmo jornal dava conta que a mãe e o pai da criança seriam ouvidos pelo delegado de Araquari. Um exame foi anunciado para se comprovar a tese baseada no relato de “pessoas que frequentavam a casa”.

No dia 4, também no jornal A Notícia, havia uma declaração do diretor clínico do hospital, Arthur Wendhausen que informava. “O que tinha, visivelmente, eram restos alimentares”.

Entretanto, na manhã de segunda-feira (8), o delegado Raphael Werling de Oliveira divulgou o esperado laudo que confirmou a presença da droga na urina da criança. Conforme o delegado, os pais devem ser indiciados.

Percebe-se nesse caso, que a declaração do diretor do hospital perdeu a importância para os veículos de comunicação de Joinville, pois o mesmo, não foi mais questionado sobre a percepção dos médicos no atendimento emergencial.

Em relação à alegada presença da droga na urina da criança, uma rápida consulta com um médico se poderá verificar que a droga pode passa para o organismo da criança pelo ato da amamentação. O caso promete outros desdobramentos já que existe um médico legista em Joinville contestando o laudo apresentado.

A única situação certa e inaceitável nesse episódio, é o fato de os órgãos competentes permitirem que uma criança de 9 meses permanecesse sob os cuidados de um casal dependente de uma droga tão devastadora.

Não se pode submeter pessoas ainda na condição de suspeitos a um julgamento midiático sem direito ao contraditório. Outras fontes se fazem necessárias, outros conhecimentos divergentes dos oficiais são imprescindíveis na busca pela verdade.


Rogério Giessel é jornalista e escreve para o semanário "Gazeta de Joinville" e para o blog "Joinville Como Ela É"

Continuação do texto anterior

Os tempos de evolução caracterizam-se pelo esforço continuado na busca do conhecimento e pela ampliação da consciência. Para aproveitar o tempo conscientemente é necessário aprender a pensar; a produzir soluções luminosas para os problemas individuais e coletivos.
Administrar bem o tempo significa acumulá-lo dentro de si; ser consciente daquilo que se viveu e ter um plano para a vida futura; ter um domínio sobre si mesmo e um objetivo definido para a vida que se está vivendo; todos os atos e pensamentos imantados por um grande objetivo que abarque o aperfeiçoamento individual e coletivo da espécie humana. Significa, antes de tudo, encarar a vida como um grande campo experimental de aprendizado e realização.
O eterno confunde-se com a infinitude do tempo que se projeta e se expande desde o ancestral instante da Criação até o inimaginável e grandioso futuro que se resume na palavra Universo, verso único e verdadeiro, desenhado com as cores físicas e metafísicas, e que ao homem é-lhe dada a oportunidade de investigá-lo por trazer dentro de si um analógico universo que é seu mundo interior, onde uma infinidade de pensamentos-átomo movimentam-se e podem ser conhecidos, orientados e dirigidos pela vontade do homem.
Estamos a falar de uma eternidade que principia no tempo presente, no dia-a-dia corriqueiro que pode transcender a rotina aborrecida do não-pensar, do não-realizar; transcender o tempo circular e ingressar na espiral evolutiva da consciência contínua, criando a cosmovisão necessária que há de fazer-nos superar as próprias condições e entender, desde aqui, o seu significado.
Quando vemos uma obra de arte, uma escultura, um quadro, um livro, é preciso compreender que o artista trabalhou durante um longo tempo, cada dia um pouquinho, e desses pequenos fragmentos somados apareceu a obra pronta através de uma concentração de tempo. A nossa vida deve ser como um grande livro, uma obra de arte na qual vamos agregando algo novo a cada dia, o livro da vida. O artista não pode ter pressa e nem preguiça. A maior obra de arte que o ser humano pode fazer é esculpir a própria figura, escrever o próprio livro da vida, ser o autor, o ator e o espectador dos próprios dias, dando um salto por sobre a morte e vivendo a eternidade em seu físico existir.
A paciência é irmã do tempo; um atributo superior que precisa ser desenvolvido. Ser paciente significa adiantar-se ao tempo; lutar pelo que se quer enquanto se espera; ser inteligente e seguir as lições da Natureza com suas estações e seus amanheceres.

Nagib Anderáos Neto
neto.nagib@gmail.com
Envie um comentário sobre o artigo e poderá receber um livro.
Rua Coronel Oscar Porto 818, Paraíso, SP, Capital,
CEP 04 003 004
funlogsp@uol.com.br

A paciência e o tempo,por Nagib Anderáos Neto

A paciência inteligente contrapõe-se à espera passiva. Esperar por esperar não tem nenhum sentido. É sempre possível realizar algo útil enquanto se espera.
A irritação, como tantas outras reações do temperamento humano, é uma grande perda de tempo. O impaciente está sempre com pressa e se irrita com a menor espera.
Todos vivemos muito apressados, pressionados por compromissos e horários, numa louca e absurda carreira que chega a comprometer nossa saúde física e psicológica. Ao fazer tudo com pressa, desesperadamente, a qualidade do que se realiza fica muito comprometida; a correria leva ao automatismo, à desatenção, ao desprezo pelos detalhes que mereceriam um olhar mais detido, mais cuidadoso. É como se as pessoas corressem, constantemente, atrás de um futuro que não chega nunca, como se almejassem um final sobre o qual se precipitassem sem saber qual seria este fim.
Há um ditado popular que diz ser a pressa inimiga da perfeição; não exageremos, não pretendamos atingir a perfeição; pretendamos, sim, aperfeiçoar tudo o que façamos; e para isto, a pressa é uma grande inimiga. A perfeição seria um objetivo estático que, depois de alcançado, talvez se transformasse em algo monótono, enquanto que o aperfeiçoamento constante seria um movimento progressivo, inteligente e infinito. O fascínio pela conquista de um objetivo poderia levar a uma correria que nos impedisse vislumbrar ou apreciar, no decorrer do caminho, as belezas dos lugares por onde vamos passando. Portanto, seria inteligente a construção de objetivos móveis, e, ao caminhar em sua direção, apreciar as paisagens da viagem. E ter também presente que todo objetivo criado deveria substanciar dois grandes ideais: ser-nos útil e a quantos conosco convivam. Da inteligência dos objetivos criados no transcurso de nossa vida dependerão os momentos felizes que possamos viver. Objetivos mal formulados poderão fazer com que o caminho para alcançá-los seja espinhoso, dolorido, sofrido.
A vida é feita de espera; tudo tem o seu tempo: os dias, as noites, as estações do ano, a gestação de um ser, de um pensamento, de uma idéia. Em qualquer sala-de-espera podemos pensar na própria vida, em como mudá-la para melhor, recordar um amigo que não se vê há muito tempo, alguma alegria que ficou perdida no passado. O tempo de espera pode transformar-se em algo útil. Saber esperar é sinônimo de saber viver. Alguém, no futuro, estará nos esperando e perguntará o que fizemos de nossas vidas, o que buscamos, o que realizamos; se tivermos conseguido ser inteligentemente pacientes em nossa trajetória, certamente teremos uma resposta satisfatória.
A fuga do tempo existe para quem não consegue retê-lo e multiplicá-lo. Neste caso, os ponteiros do relógio representam uma tortura constante. Não há tempo suficiente para o cumprimento dos compromissos e das obrigações. O tempo passa rapidamente e escraviza a pessoa que julga que ele seja dinheiro e, como tal, sempre lhe falte. Os dias que se sucedem monotonamente são noites mentais, pedaços de vida que se desprendem da pessoa deixando o saldo do vazio interior, a sensação de inutilidade, o esquecimento, o temor pela morte que caminha em sua direção a passos largos.
A vida do ser humano é repleta de planos, sonhos, espera. Chegamos a Terra sabendo muito pouco sobre a vida e seu significado. Outras pessoas imaginam o nosso futuro, planejam por nós, e seguimos os sonhos alheios. Um dia descobrimos que podemos sonhar por nós mesmos; que somos capazes de realizar por nossa própria conta.
Nada é tão fácil na vida como no mundo ilusório das telenovelas, dos esportistas e artistas de sucesso. No mundo real, no dos lutadores e heróis do dia-a-dia, nada se consegue magicamente. Ali as armas pessoais são poucas. Há, no entanto, uma arma mágica que poderá transformar em fáceis os planos aparentemente difíceis. Essa arma chama-se paciência.
Ser paciente como o sol que ilumina a Terra a cada dia; como a Natureza que luta contra as agressões humanas; como a mãe que espera o tempo certo pelo fruto de sua gestação; como a semente que chegará um dia a florir.
O equívoco da paciência é a passividade. A nossa paciência deve ser diferente: enquanto esperamos, lutemos e trabalhemos pelo objeto de nosso sonho. Esta é a paciência que Deus nos ensina através das manifestações da Natureza. O tempo de vida do ser humano pode transcender a mensuração limitada das horas, dos dias e dos anos que se sucederam na trajetória definida entre o instante do nascimento e a transição para a morte. Esta ampliação do próprio tempo é uma conseqüência da ampliação da vida mental, a vida verdadeira. Nesta esfera pode-se viver muito ou pouco, dependendo dos conhecimentos que se tenha.(Continua...)

Locais para ciclovias

A avenida Santos Dumont,a Procópio Gomes,a Beira Rio(que precisa de uma boa reforma) e por aí.

Ciclovia no local errado

Ali na Visconde de Taunay e na Otto Boehm não precisa de ciclovia.Ruas tradicionais do centro precisam de estacionamento.As ciclovias precisam ser construídas beirando as avenidas.A periferia de Joinville que precisa de ciclovia e não o centro da cidade.

Ciclovia ali???

Joinville já está com falta de vias para o escoamento do trânsito.Agora vai a Prefeitura e constrói uma ciclovia beirando o Batalhão??? Sem comentários.Ali próximo ao Restaurante Pinus existe um estreitamento de pista,que simplesmente aumentará o risco de acidente na Visconde de Taunay.

Sou contra o exagero

Sou contra a calçada do Batalhão.Uma coisa é a calçada ser reformada,outra coisa é considerarem aquilo uma grande obra,o que é um exagero.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

HUMILHADOS E OFENDIDOS,UMA ÓTIMA LEITURA


Fiódor Dostoiévski, um escritor russo que viveu de 1821 a 1881, chama a atenção por sua verdade na escrita. Não li muitas coisas dele. Mas sem dúvida, uma de suas obras, uma das menos divulgadas também, me deixou grandes lembranças. O título foi publicado originalmente no início da década de 1860. O exemplar que tenho data de 1962, velhinho, semi-ruído pelas traças e de folhas amareladas. Emprestei da mãe da minha ex-namorada. Li. Devolvi-o e emprestei de novo. Li novamente e ainda não consegui devolvê-lo.
Em Humilhados e ofendidos, o autor russo expõe uma tese presente em todas suas escritas: quem não sofre, não pode ser bondoso com o próximo. Quem não passa por processos de sofrimento, não será capaz de ser nobre e agir com amor para com o irmão, passando a ser ofensor e humilhador. Parece polêmico, mas ao longo da narrativa isso é explicado.Conflitos do ser humano, que muitas vezes é escondido e teme vir à tona. Amores e desamores extremos, a busca pela riqueza, mesmo que para isso, seus aspirantes joguem com o amor, como se este fosse uma carta na manga, pronta a ser lançada ao mais fraco.
Classes ofendidas, com suas vidas cheias de misérias e sem expectativas, buscam o poder existente no outro, e este outro usa de seu poder para humilhar os mais vulneráveis.
Personagens de duelam, em busca de um amor, mesmo que seja por meio da possessão do outro, por meio da humilhação de quem se gosta.
A solidão também é explorada nas páginas. A ruas de São Petersburgo, a Praça Vermelha silenciosa e solitária à noite...
A personagem central, que observa e participa da história, se confunde muitas vezes com a vida do próprio autor. O "homem subterrâneo" que teme em vão em aparecer, em mostrar seus extremos e, muitas vezes, suas situações "anormais".
Uma leitura válida, sem dúvida, pelo caráter humanamente real, pela característica nebulosa do ser que tanta polêmica causa a si mesmo - o homem.

Fonte:eliescrevendono.blogspot.com

Joinville loteada

A cada dia que passa percebemos os problemas que Joinville tem.Infelizmente a cidade foi loteada e caiu nas garras da iniciativa privada.Tudo aqui é terceirizado.O que é feito pelo Poder Público é apenas a cobrança dos impostos(que não são poucos).O estacionamento nas ruas centrais é privatizado,o transporte público também,coleta de lixo,limpeza das ruas,manutenção de pardais,semáforos e ruas,iluminação pública e etc,etc e etc.Os interesses particulares são muitos e sufocam as demandas da maioria da população que deveria ter um bom serviço público gratuito e de qualidade.

domingo, 7 de novembro de 2010

Hospital São José ainda sem heliponto


Infelizmente o Hospital São José continua sem um heliponto.O helicóptero pilotado pelo Major Coelho e pelo Capitão Reisdorfer é obrigado a pousar no estacionamento do outro lado da Avenida Getúlio Vargas.

Foto:Cláudio Fofão

A árvore permaneceu


No centro de Buenos Aires mais um prédio sendo construído.Ao lado uma grande árvore que foi preservada.

Descaso com o Patrimônio Público(e privado também)

Nos últimos anos percebo que aqui em Joinville as construções antigas estão sendo simplesmente abandonadas e logo em seguida derrubadas.Foi o que aconteceu com o tradicional prédio da Lumiére ali na rua João Colin que de forma brutal foi derrubado sem dó.Agora derrubaram um casarão antigo em frente a Biblioteca Pública.Sem esquecer o total abandono da antiga sede da Prefeitura também na João Colin,o antigo Fórum e tem muito mais descaso espalhado por toda grande Joinville.

sábado, 6 de novembro de 2010

Mudança no Notícias do Dia

O Jornal Notícias do Dia veio diferente neste sábado.Com um novo visual o diário está mais robusto.Muito bacana a mudança.Ficou bem melhor de ler.

Irretocável

Irretocável a opinião do Grupo RBS no AN de 07/11 em relação ao CPMF.

Esse famigerado imposto, deveria ser substituído por mais controle das contas públicas.

Fora, que o recém discurso foi rasgado e jogado no lixo, pois até a poucas semanas o discurso era outro.

Preocupa sobremaneira, pois diz uma coisa e faz outra.

A arrecadação e a carga tributária cresceram. Era só destinar verbas maiores para saúde, o que não foi feito.

O que falta não é dinheiro , falta sim, é uma maior seriedade e comprometimento, além de aplicar bem os recursos.

Sem contar que o PT foi radicalmente contra a criação do imposto em 1996 quando lhe era conveniente.

Em 2007 os papéis se inverteram e quem criou não quer mais e quem era contra quer que volte.

Colocar mais um tributo nas costas do trabalhador brasileiro é fácil , difícil mesmo é arregaçar as mangas e trabalhar.

Paulo Curvello

Balneário Camboriú

curvell@terra.com.br

Folclore joinvilense em destaque


Quem já não ouviu falar:

Que o falecido prefeito Luiz Gomes nadou no rio Cachoeira???
Do capeta da Shananá??? Credo!!!
Que um dia o monopólio do transporte coletivo vai acabar???
Que os principes de Joinville eram alemães e que moravam no Museu???
Que o canal do Linguado será reaberto???
Que Joinville terá um Aeroporto Internacional???
Que o Jec subirá para a Série A ???
Do homem do saco???
Do alemão que criava uma vaca dentro de seu apartamento???

Perda de credibilidade,por Roberto Rosso

Sim, infelizmente a imprensa em Joinville tem mais torcido do que informado. Em especial quando se trata de política.
Isto ficou claro na campanha eleitoral, onde alguns jornalistas estavam de “corpo e alma” nas campanhas Colombo/Luiz Henrique/Serra.
O papel da imprensa em especial rádio e TV que são concessões do Estado, é de informar de maneira imparcial. Pena que não vi isto em SantaCatarina. Especialmente em Joinville.


Perda de credibilidade,por Jordi Castan

Não é só o jornalismo desportivo que comete este erro, entre os comentaristas políticos os que torcem, são mais que os que informam.
Quem perde é sempre o leitor, o ouvinte que acredita que a "torcida" é informação voraz e acaba desiludido e desinformado.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Perda da credibilidade

É preocupante como determinadas pessoas da comunicação agem mais como torcedores do que como profissionais de imprensa.De uns anos para cá o jornalismo esportivo de Joinville deixou de ser confiável.O papel da imprensa é o de informar(notícias boas ou ruins) e não o de torcer.A perda de credibilidade é inevitável.

Imprensa esportiva de Joinville paga mico


A imprensa esportiva de Joinville errou feio ao antecipar para os torcedores do Joinville Esporte Clube que o clube estava garantido na Série C de 2011.Agora após o julgamento ganho pelo América de Manaus quero ver essa imprensa justificar-se perante a torcida jequeana.A imprensa esportiva de Joinville paga mico mais uma vez.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Tudo está subindo

É melhor o governo agir logo pois o custo de vida em 2010 subiu "pra caramba".Todo cuidado é pouco.

Dilma Rousseff e a inflação(Da TV Record)

"Eu te garanto o seguinte, uma coisa é certa, manterei todos os princípios que regeram o nosso governo. Nós não brincaremos com a inflação", afirmou Dilma, ainda muito emocionada pela vitória no segundo turno presidencial.


quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Sociedade organizada

É isto, chega de arbitrariedades. A sociedade tem que se organizar, e fazer ouvir a sua voz.
Sem a movimentação da sociedade o ônibus continuaria pelo novo traçado e dificilmente a prefeitura teria concordado na mudança.
Quando que vão perceber que as coisas mudaram?

Jordi Castan

Parabéns aos moradores do Floresta

O pastor norte americano Martin Luther King deixou como um de seus grandes legados a frase: "O que mais me dá medo não é a audácia dos maus, mas o silêncio dos bons". Foi tendo o conhecimento desta frase que os moradores dos Floresta fizeram a diferença nos últimos meses em Joinville, e eu gostaria de parabenizar todos os moradores do bairro Floresta e região que contribuíram, cada um conforme as suas possibilidades, para que a linha de ônibus NILO PEÇANHA voltasse a beneficiar os moradores. Parabenizo também pela presença maciça na reunião semana passada, reunião esta onde foi deliberado o retorno da linha.
Depois de ter seu direito arbitrariamente cassado por não ter sido ouvida sobre tal mudança, a população, de forma brilhante uniu as forças e conquistou o retorno do benefício para sí. Seria leviano de minha parte não mencionar o papel ímpar que os veículos de comunicação tiveram nesse embate, sendo a voz da população nessa hora de sufoco.
A imprensa de Joinville e os moradores do bairro Floresta deram um exemplo maravilhoso para toda a cidade. Esperamos que este exemplo seja seguido independente do bairro onde morem.

Décio Góes
Funcionário Público

terça-feira, 2 de novembro de 2010

O ESCORPIÃO


Para refletir........

Um mestre do Oriente viu quando um escorpião estava se afogando e decidiu tirá-lo da água, mas quando o fez, o escorpião o picou. Pela reação de dor, o mestre o soltou e o animal caiu de novo na água e estava se afogando. O mestre tentou tirá-lo novamente e outra vez o animal o picou. Alguém que estava observando se aproximou do mestre e lhe disse:
-Desculpe-me mas você é teimoso! Não entende que todas as vezes que tentar tirá-lo da água ele irá picá-lo? O mestre respondeu:
-A natureza do escorpião é picar, e isto não vai mudar a minha, que é ajudar.
Então, com a ajuda de uma folha, o mestre tirou o escorpião da água e salvou sua vida, e continuou:

-Não mude sua natureza se alguém lhe faz algum mal; apenas tome precauções. Alguns perseguem a felicidade, outros a criam. Quando a vida lhe apresentar mil razões para chorar, mostre- lhe que tem mil e uma razões para sorrir. Preocupe-se mais com sua consciência do que com sua reputação. Porque sua consciência é o que você é, e sua reputação é o que os outros pensam de você.

E o que os outros pensam… é problema deles.

Colaboração:Otávio Jorge Caldas,de Palhoça

Sem esperança

Joinville já teve a maior encarroçadora de ônibus do Brasil - a Nielson, hoje Busscar. E a cidade perdeu este colosso industrial sem esboçar nenhuma ação ou reação. Não dá para esperar nada de bom de nossa classe política.

Milton Wendel

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Joinville + Colombo + Dilma = Mais recursos

O joinvilense anda perguntando qual será a relação de Joinville com os novos governos eleitos em 2010.Claro que existe uma relação política partidária que facilita ou dificulta a vinda de recursos para a cidade.Em nível estadual o governador Raimundo Colombo do DEM que é oposição ao PT do prefeito Carlito comprometeu-se em ajudar Joinville.Colombo conseguiu uma votação espetacular no maior colégio eleitoral barriga verde com o apoio do senador eleito Luiz Henrique da Silveira(PMDB).Em nível federal com a eleição de Dilma,Carlito Merss pode reinvindicar os recursos necessários para a infraestrutura de Joinville.Independente de qualquer coisa,o importante é mostrar que o compromisso dos eleitos em primeiro lugar seja com Joinville e com seu povo.A disputa eleitoral ficou para trás.É isso que o joinvilense espera dos vencedores.