.

Colabore com o Feudalismo Atual escrevendo para o e-mail: juliano.bueno1971@gmail.com ou ligue para 99164-7827

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Carros atravessam fronteira do Brasil com Argentina, entre Dionísio Cerqueira (SC) e Bernardo de Irigoyen


Foto:economia.ig.com.br

Detalhe muuuuito interessante

O Brasil é quem vende o petróleo para a Argentina...e mesmo assim a gasolina é mais barata na terra do Maradona...Eita!!!

Brasileiros aproveitam câmbio favorável para comprar na Argentina

Vinhos, produtos de higiene pessoal e gasolina custam até metade do preço em cidades argentinas na fronteira com o Brasil

Muitos moradores do oeste da região Sul do país pagam o supermercado com cartão de crédito internacional. Ao atravessar a fronteira com a Argentina, a moeda brasileira vale o dobro e as compras saem pela metade. O real valorizado criou um movimento de consumidores rumo à Argentina, que fortalece a economia das cidades do país e gera uma crise no varejo brasileiro local.

O município de Bernardo de Irigoyen, na província de Misiones, é um dos beneficiados pela alta do real em relação ao peso. Localizado na divisa com duas cidades brasileiras _Barracão (PR) e Dionísio Cerqueira (SC)_, o município tem uma população de cerca de 15 mil habitantes, mas recebe em média 2.000 veículos brasileiros por dia, de acordo com estimativas de Arnaldo Borteze, inspetor-chefe da Receita Federal em Dionísio Cerqueira, responsável pelo controle da fronteira. “No final de semana, esse número dobra e, nos feriados, mais que triplica”, afirma.

Entre esses consumidores está Bruno Behr Neto, morador de Pato Branco (PR), município localizado a 120 km da Argentina. Ele viaja a Bernardo de Irigoyen todo mês para comprar, principalmente, vinhos, farinha e produtos de higiene e limpeza. “Os vinhos saem por um terço do preço [em relação ao Brasil]. Os outros produtos custam a metade ou até menos”, afirma Behr.

Um desodorante roll on da marca Dove, por exemplo, que custa cerca de R$ 7 no Brasil, sai por 8 pesos na Argentina, ou seja, cerca de R$ 4, segundo apurou o iG. E uma lata de 1,5 litro óleo de girassol custa menos na Argentina (R$ 3,22) do que o de uma lata menor, com 900 ml, do mesmo produto no Brasil _(R$ 4,00 a R$ 4,50).

Preços menores e produtos argentinos nas prateleiras são praticamente as únicas diferenças que os brasileiros encontram nos supermercados de Bernardo de Irigoyen em relação ao varejo brasileiro. Quase todos os atendentes falam português e os pagamentos podem ser feitos em real, além de peso e dólar. A conversão é feita na hora e adota o câmbio um pouco maior do que o oficial _ R$ 0,50 vale 1 peso. Quem paga com cartão de crédito tem a vantagem de usar o câmbio oficial _ R$ 0,45 na cotação de segunda-feira.

Gasolina e pneu

Foto: Marina Gazzoni, iG São Paulo

Postos argentinos divulgam preço em real

Os consumidores brasileiros também aproveitam a viagem para abastecer o carro. Em um posto visitado pelo iG, a gasolina custava R$ 1,81, valor inferior ao cobrado nos postos do oeste de Santa Catarina e do Paraná _cerca de R$ 2,50.

Outro produto visado é o pneu, mas a compra é proibida pela Receita Federal. Mesmo assim, muitos estabelecimentos argentinos vendem o produto, exclusivamente ou não. “O pneu não é um produto de bagagem e deve entrar no país por meio de um processo de importação”, afirma o inspetor da Receita. Segundo ele, todos os dias são apreendidos pneus _muitos já colocados nas rodas dos carros.

“A prática comum para tentar driblar a Receita é retirar os pneus velhos na Argentina, colocar novos no carro e passar por uma estrada de lama para tentar camuflar os pneus novos. Se a Receita pegar, tem que tirar o pneu.”

Fonte:economia.ig.com.br(30/06/2010)

TAPETES PERSAS...Clique na imagem para ampliar

Vamos manter as bandeiras hasteadas

Com o término da Copa do Mundo, camisas e bandeiras retornam aos seus lugares no armário.

A pátria de chuteiras, descansará em berço esplendido.

Porquê não continuamos a vestir a amarelinha ?

Porquê não prestamos bastante atenção nas propostas dos candidatos com a garra da Copa?

Porque não vibramos em analisar o passado dos candidatos?

Porque não tocamos nossas vuvuzelas e oxigenamos a assembléia e câmara dos deputados, elegendo quem jamais esteve lá ou mantendo os que mostraram resultado?

Vamos continuar com esse patriotismo independente do resultado na África.

"Pra frente Brasil, salve as eleições" !!!!!!

Paulo Curvello

Balneário Camboriú

Muito legal, vejam ...

Clique no link abaixo

Colaboração:Paulo Curvello

terça-feira, 29 de junho de 2010

O etanol mais barato do estado...


...É o de Joinville??? Imagine se fosse o mais caro!!! Dãããã!!!Isso só pode ser piada!!!

Roberto Rosso comenta sobre o trem

Oi Juliano,
Muito bons os slides.
Conheço bem a estação da Hansa (Corupá) minha esposa é de lá, meu sogro (já falecido) foi ferroviário e fazia este percurso.
A casa deles é na beira da linha de trem. Hoje só passa o trem de carga. Pelo menos estão sempre bem movimentados, o que é bom para o país. Mas o trem de passageiro é muito lindo, e faz falta.
Abraço,

Roberto S. U. Rosso Jr.
Joinville - SC
Brasil.

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Números da Oktoberfest,por Paulo Curvello

Enquanto a maior cidade do Estado não tem uma festa típica em agosto, Blumenau fecha a programação da Oktoberfest com cinco meses de antecedência à festa.
Ao todo 49 bandas agitarão a Vila Germânica e o Biergarten ao som da música alemã. Das contratadas, 45 bandas são nacionais, três vem diretamente da Alemanha e uma é austríaca.
Haverá 471 apresentações musicais: 250 nos pavilhões da Oktoberfest, 113 retretas (que animarão em várias praças da cidade) e 108 apresentações durante os desfiles oficiais da festa, e 108 apresentações durante os desfiles.
Santa Catarina é representada na festa com 36 bandas, já o Rio Grande do Sul é garantida com duas bandas e do Paraná, da cidade de Entre Rios, vira o tradicional grupo Donauschwaben, já bastante conhecido do público blumenauense e de quem frequenta a festa.
São, no total, 463 músicos brasileiros e 69 estrangeiros.
Enquanto isso Joinville, nostalgica, ainda lembra daquele refrão da Fenachopp:
" Joinville tem fenachopp, muita festa e diversão, Joinville tem Fritz e Frida, chopp de graça de caminhão"

Paulo Curvello (sempre ligado)

Preços sobem durante a Copa do Mundo

A população brasileira pelo jeito é só alegria com a Copa do Mundo.Infelizmente não estão percebendo como os preços dos produtos estão subindo nos supermercados.Olha a inflação aí.Todo cuidado é pouco.

A História do Trem


Imagens bacanas da Estrada de Ferro Porto União/São Francisco do Sul...Clique no link abaixo.

Estrada_nbsp_da_nbsp_Ferro.ppsEstrada_nbsp_da_nbsp_Ferro.pps
2527K Exibir como HTML Baixar

domingo, 27 de junho de 2010

Democratizar o dinheiro, a terra, a palavra,por Emir Sade*

O problema maior da transição da ditadura à democracia no Brasil é que a democracia se restringiu ao sistema político. Não foram democratizados pilares fundamentais do poder na sociedade: terra, bancos, meios de comunicação, entre outros.

O Brasil da democracia teve assim elementos fortes de continuidade com o da ditadura. A política de meios de comunicação, por exemplo, nas mãos de ACM, o ministro de Sarney, completou a distribuição clientelística de canais de radio e televisão e favoreceu a consolidação do monopólio da Globo – os próprios Sarney e ACM, proprietários de emissoras ligadas à rede da Globo.

Não se avançou na reforma agrária, nem foi tocado o sistema bancário. É como se a ditadura tivesse sido apenas uma deformação de caráter político aos ideais democráticos. Mas nem os agentes imediatos do golpe e sujeitos políticos do regime – as FFAA – foram punidos. Como se tivesse sido “um mal momento”, até mesmo “um mal necessário”, como diriam as elites políticas tradicionais, que seguem por ai.

No entanto o golpe e a ditadura foram extraordinariamente funcionais ao capitalismo brasileiro. O processo que se desenvolvia de democratização política, econômica e social do país não interessava nem aos capitais estrangeiros, nem aos grandes capitais brasileiros. Estes, concentrados em áreas monopólicas, não se interessavam no enorme mercado popular urbano que o aumento sistemático do poder aquisitivo dos salários propiciava, nem no mercado popular rural, a que a reforma agrária apontava.

O eixo da indústria automobilística no setor do grande capital industrial e outros setores que produziam para os setores da classe média, para a burguesia e para a exportação, se coligaram com os golpistas no plano político, para impor, mediante o golpe, um modelo que atacava duramente o poder aquisitivo dos salários.

O golpe os atendeu imediatamente, com intervenção em todos os sindicatos e com a política de arrocho salarial. Foi uma “lua-de-mel” para os empresários, uma super exploração do trabalho, mais de uma década sem aumento de salários, sem negociações salariais. Bastaria isso para entender o caráter de classe do golpe e do regime e militar.

A dura repressão aos sindicatos e a todas as formas de organização do movimento popular contaram com o beneplácito do silêncio dos órgãos de comunicação, que pregaram o golpe e apoiaram a instalação do regime de terror que comandou o país por mais de duas décadas.

A democracia reconheceu o que os trabalhadores – com os do ABC na linha de frente – haviam conquistado: a legalização da luta sindical, junto ao direito de existência de centrais sindicais, a legalização dos partidos, o direito de organização dos movimentos populares, entre outras conquistas.

Mas os pilares do poder consolidado pela ditadura ficaram intocados. Ao contrário, seu poder monopólico sobre a terra, o sistema bancário, os meios de comunicação, se fortaleceram.

Esses temas ficam pendentes: quebrar o monopólio do dinheiro, da terra e da palavra – como algumas das grandes transformações estruturais que o Brasil precisa para construir uma sociedade econômica, social, política e culturalmente democrática
.
(*) Sociólogo

Muito bem lembrado

É...para trazer a UFSC a ACIJ pressiona e a prefeitura gasta...
A UDESC está em Joinville desde 1965 e tenta expandir....mas não consegue um metro quadrado com a prefeitura...
É prefeito, será que esqueceram que a UDESC também é Pública e Gratuita?
E que mantém em Joinville 9 cursos de graduação, além de 4 mestrados e um Doutorado(único no norte do estado).
Há vários outros cursos como Administração(da ESAG-UDESC) Direito e cursos na área de saúde que poderiam ser oferecidos pela UDESC, gratuitamente para nossa população. Se houvesse pedido da sociedade local e apoio da Prefeitura oferecendo a área para a expansão.

Roberto S.Ubertino Rosso Jr.

Obs:Muito bem lembrado,a UDESC merece muito mais apoio de todas as entidades de Joinville.

A opinião de Roberto S.Ubertino Rosso Jr.

Enquanto o POVO é enganado, estes políticos fazem a política pequena, onde visam apenas o interesse próprio. Vejo hoje apenas o PCdoB, que é pequeno em Joinville, como uma força que pensa a cidade com o povo e para o povo. Sem mesquinharias e sem bairrismos bobos.

sábado, 26 de junho de 2010

Na raça Gana derrota E.U.A...


...Com um golaço de Asamoah Gyan

Desastre ecológico na Itália

Incrível a força da natureza...Nossas autoridades precisam evitar esse tipo de desastre aqui no Brasil.

Para se ter idéia do que foi o desmoronamento do morro do Bumba no RJ...Clique no link abaixo
http://sorisomail.com/email/42722/ja-viram-desmoronar-uma-montanha.html

Colaboração:Marcello Dalla Vechia

Sem resultados práticos

A confusão é tão grande,que tanto a esquerda,centro ou a direita o descrédito é geral.

Hoje,derrotado com dignidade...

...Amanhã,a vitória poderia ser consagradora.

A grande política perdeu para a política do imediatismo

Hoje a política virou um simples negócio...As consequências são visiveis...Políticos perdidos,vítimas de suas próprias armadilhas.

Faltam novas lideranças

Para quem já teve Pedro Ivo Campos e Luiz Henrique da Silveira como grandes lideranças,hoje a cidade não possui nenhum político com prestígio em nível estadual.

Joinville perde sua força política

Infelizmente,Joinville virou moeda de troca nessas eleições...Ninguém olha Joinville com o devido respeito...Simplesmente a maior cidade do estado será uma mera coadjuvante no pleito eleitoral desse ano.

Meritocracia para professores


A revista Época(26/04/2010) trouxe uma reportagem sobre a adoção da meritocracia para professores.Para variar, consultaram pesquisa feita por uma universidade dos Estados Unidos.A culpa mais uma vez pela má qualidade da educação cai sobre o professor.Interessante,é que os americanos há muitos anos não estão na vanguarda da educação mundial,mas mesmo assim insistem com essas pesquisas capengas.A Finlândia e a Coréia do Sul são citadas como exemplos de países que adotaram a meritocracia para melhorar a qualidade da educação..."Avaliar o desempenho" individual" dos professores permitiria não só premiá-los de forma justa,mas também fazer algo mais importante:entender como eles trabalham".Mas a revista Época esqueceu de um pequeno detalhe.A qualidade da educação caiu no Brasil,justamente por não existir a meritocracia para os alunos.Se a escola e o professor brasileiro tivessem a autonomia de avaliar e aprovar os melhores alunos,com certeza a educação brasileira iria dar um grande salto de qualidade...Não vamos citar a questão salarial que passou em branco pela revista.Mas na realidade o que desanima os professores é a meritocracia ter que ser adotada apenas para os profissionais da educação.Os professores não temem a meritocracia,que ela venha e que seja adotada .Mas que a sociedade também pressione o governo para exigir que a meritocracia seja adotada nas escolas para premiar os melhores alunos.Sejamos justos.

Caia fora, é fria,um texto de Luiz Carlos Prates

A pessoa mete a mão no bolso e acha o que pegar. Esse pegar traz segurança, sorriso aos lábios, passos firmes, nada como o dinheiro no bolso... E todos podemos ter dinheiro no bolso, dinheiro, eu disse, não esses cartõezinhos plásticos de quem não tem onde cair morto...

Sabemos que dinheiro é afrodisíaco, que dinheiro “compra” até mesmo amor verdadeiro, haja vista as gurias de 25 anos que vemos por aí com velhotes trôpegos...

Dinheiro é o criador dos mais belos sorrisos. Sem ele, só mesmo um bom sonho para nos alimentar a alma e nos fazer lutar com mais força para chegarmos até... até o dinheiro.

Estou saindo da minha linha habitual de “desvalorizar” o dinheiro e enfatizar sonhos, paixões, ideais, essas coisas. É triste ver pessoas sofrendo por imprudências evitáveis.

Dia desses, uma amigona me contava por telefone da enrascada em que se meteu, mas que dela já se livrou, ao comprar uma casa em parceria com um sujeito a quem namorava. Daqueles namoros incendiários, tudo vai dar certo, seremos felizes, confio em ti, e coisa e tal. Uma fria, o cara era um molengão, passou-a para trás e ela ficou com a maior parte da dívida. Agora aprendeu...

Ah, e que fique esse aviso às apaixonadas: comprar bens, patrimônios, junto com um namorado qualquer, sem ser casada, sem papel assinado, sem a bênção do padre, neca peteca, querida. Caia fora, é fria, você vai se dar mal. Case primeiro, sem essa de se juntar e achar que vai dar certo. Ademais, por que o pilantra não quer casar, humm? Ora, porque lhe é vantajoso viver como casado e continuar solteiro, tonta...

Veja esta manchete: Inadimplência cresce. Quer dizer, o pessoal comprou sem ter dinheiro, apostando no futuro, na sorte, e agora vê-se diante das malhas do SPC. Nesses casos, quem tem vergonha na cara perde o sono. Quem não tem, termina o casamento...

E note este trecho de um artigo intitulado As Finanças da Família: “Os consumidores casados lideram a inadimplência entre os usuários de cheque no Brasil...” Quer dizer, casados caloteiros. Cheque sem fundo é coisa de bandido.

E as inadimplências entre casados aumentam os conflitos, as brigas, dizia o artigo. Quem não sabe?

Na média brasileira, cada cidadão tem, hoje, três cartões de crédito. Está explicado. O Brasil vai falir, e os casamentos acabam antes disso. Acabam para os irresponsáveis que gastam o que não têm no bolso. Será que os pais dizem isso aos filhos?

Fonte:Jornal Diário Catarinense(26/06/2010)

Tribunal francês condena canibal


Criminoso matou um colega de cela e comeu o pulmão dele com cebolas

O homem que matou um colega de cela e comeu parte do pulmão dele com cebolas foi condenado, ontem, a 30 anos de prisão pelos crimes de assassinato, tortura e brutalidade.

O Tribunal de Rouen, no oeste da França, rejeitou as alegações da defesa de que Nicolas Cocaign deveria ser declarado insano, o que o livraria de cumprir a pena na cadeia.

Nos quatro dias de julgamento, o canibal de Rouen, como ficou conhecido, contou detalhes de como abriu o peito de Thierry Baudry com tesouras e arrancou o que pensava ser o coração da vítima, em 2007.

– O que é terrível é que (a carne) é deliciosa. Tem gosto de cervo. É macia. Gostei de ter feito isso – disse.

O advogado Fabien Picchiottino alegou que Nicolas “matou porque é louco, completamente louco”. O trabalho da defesa incluiu algumas palavras à mãe da vítima.

– Senhora Baudry, meu cliente matou seu filho porque é louco, uma pessoa doente. O que ele fez me horroriza – declarou o advogado.

A promotora Elizabeth Pelsez retrucou. Alegou que “um homem que mergulha no horror não é necessariamente afligido pela loucura”. Ela disse não ter pedido a imposição da prisão perpétua, a pena máxima na França, porque especialistas haviam dito que o réu é mentalmente instável. As deliberações da acusação duraram pelo menos uma hora e ocorreram na manhã de ontem. Elizabeth pediu ao júri que considerasse os fatos e evitasse uma reincidência.

O próprio Cocaign contou ao juiz que os guardas penitenciários ignoraram seus apelos por ajuda psicológica, antes de o crime ocorrer.

– Ninguém estava me escutando. Eu fiz vários pedidos por ajuda, dizendo que eu era um homem capaz de ser perigoso. Cometi o ato e, então, me levaram a sério – afirmou.

Antes de os jurados se retirarem para deliberar sobre o veredicto, o acusado falou pela última vez:

– Quero pedir desculpas à família Baudry, quero saber se aceita meu pedido de desculpas.

Fonte:Jornal Diário Catarinense(26/06/2010)

Confira os horários e locais das convenções

PCdoB — das 9h às 13h
local: Federação dos Trabalhadores de Agricultura em São José

PMDB — das 9h às 17h
local: Sesc Prainha em Florianópolis

PR — durante a manhã
local: sala de reuniões do escritório do partido em Florianópolis

PDT — das 10h às 16h
local: Assembleia Legislativa em Florianópolis

PSOL — a partir das 13h
local: Plenarinho da Assembleia Legislativa em Florianópolis

DEM — a partir das 10h
local: Assembleia Legislativa em Florianópolis

PSB — das 10h às 13h
local: Centro Empresarial Terra Firme em São José

Fonte:Jornal Diário Catarinense(26/06/2010)

Pelo menos oito partidos fazem suas convenções estaduais neste fim de semana em Santa Catarina

Com a proximidade do prazo para homologação das coligações e candidaturas, oito diretórios catarinenses confirmaram suas convenções para este fim de semana. PMDB, DEM, PDT, PSOL, PR, PSB e PCdoB tem convenção marca para o sábado. No domingo, é a vez de a cúpula do PP se reunir.

Pelo calendário eleitoral, as siglas que quiserem disputar as eleições de outubro precisam homologar suas coligações e seus candidatos a presidente, governador, senador e deputados federal e estadual até 30 de junho. Mas alguns partidos deixaram a definição para e último momento e fazem a convenção justamente no dia 30. É o caso de PSDB, PPS e PT.

Ainda assim, as decisões que forem tomadas pelas siglas não são necessariamente finais. Os partidos terão, ainda, até o dia 5 de julho para fazer substituições.

Fonte:Jornal Diário Catarinense(26/06/2010)

Importante informação para o seu bolso

Os juros vão subir mais um pouco


No próximo mês, o Banco Central vai retirar R$ 1,6 bilhão do mercado

O Banco Central (BC) anunciou ontem que vai retirar R$ 4,7 bilhões que circulam na economia até julho de 2014. A primeira parcela, de R$ 1,6 bilhão, será no próximo mês. Esse dinheiro virá das instituições financeiras, que terão de repassar ao BC. O mecanismo é conhecido como depósito compulsório e influencia o crédito disponível e as taxas de juro cobradas na economia. Quando aumenta o compulsório, isso pode ajudar a controlar a inflação, mas pressiona a alta do juro.

A elevação vai ocorrer sobre os depósitos à vista combinada com a redução da exigência de aplicação de recursos em crédito rural. Segundo nota do BC, o recolhimento sobre esse dinheiro na conta corrente, atualmente em 42%, passará para até 45%.

O ex-diretor do Banco Central Carlos Thadeu de Freitas enxergou, na elevação do compulsório sobre depósitos à vista, um sinal do BC na direção de restringir o crédito para conter a demanda interna. Apesar de o volume a ser retirado do mercado não ser muito grande, Freitas avalia que o BC está mostrando ao mercado que tem ainda instrumentos adicionais à alta dos juros para conter o ímpeto da economia e evitar a alta na inflação.

No caso da exigência dos bancos para aplicar recursos de depósitos à vista em crédito rural, hoje em 30%, vai cair um ponto percentual por ano, para 25% até julho de 2014.

Fonte:Jornal A Notícia(26/06/2010)

Uma boa notícia sobre a UFSC aqui em Joinville

Largada para a desapropriação

Dono de lote na área do campus será indenizado com recurso de convênio

O prefeito Carlito Merss assinou ontem o convênio para desapropriação do terreno do Sinuelo no campus da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em Joinville. O lote de 100 mil m², dentro do 1,2 milhão de m² da universidade, é o principal entrave para obras no campus. Com a assinatura, o documento vai para a Secretaria de Desenvolvimento Regional e deve ser enviado na segunda-feira ao governo do Estado.

Assim que tiver a assinatura do governador Leonel Pavan, o convênio permitirá à Prefeitura receber R$ 1,8 milhão de contrapartida estadual. Com o dinheiro e mais R$ 900 mil do município, começa a desapropriação, segundo a Prefeitura. O valor inicial é de R$ 2,7 milhões, com base em avaliação da Caixa Econômica Federal.

Para evitar mais impasses, a Prefeitura deve optar pela desapropriação judicial. Assim que o dinheiro for depositado em juízo, ela pedirá autorização ao juiz para que máquinas e caminhões entrem na área (o terreno do Sinuelo servirá de acesso às obras). Como pode levar alguns dias para o convênio chegar ao Estado, ser assinado e o dinheiro ser liberado, é provável que demore mais de uma semana para que a desapropriação comece. A Prefeitura preferiu não estimar prazos.

Ao posto, restará discutir o valor na Justiça. O dono do local, Ulisses Molon, disse ontem que vai esperar a Prefeitura fazer a oferta para ver se questiona a proposta ou não. Ele voltou a dizer que tinha projeto de construir um posto temático no terreno. Além de acesso a máquinas, o local deve se tornar entrada secundária à UFSC, o que depende de parecer da Agência Nacional de Transportes Terrestres.

Apesar de a assinatura do convênio não ter saído na quarta-feira, como prometeu o prefeito, o reitor da UFSC, Álvaro Prata, diz estar mais otimista do que há uma semana, quando se reuniu com políticos a fim de agilizar a desapropriação. “Tenho mantido contato com a senadora Ideli Salvatti e com Carlito. Sinto que as negociações estão andando. Mas ressaltamos sempre que nossos prazos já expiraram e que corremos contra o tempo para ter as primeiras salas de aula prontas até fim de 2011”.

rogerio.kreidlow@an.com.br

Fonte:Jornal A Notícia(26/06/2010)

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Bem...

...A ideologia é apenas um "detalhe".

Hoje amigo.Amanhã,adversário,traidor ou inimigo

É a dinâmica da Política...Hoje eu preciso de você,amanhã quem sabe...Adeus ideologia.

Grande entrevista com Vilson Florêncio

O empresário Vilson Florêncio foi entrevistado pelo apresentador Beto Gebaili e contou detalhes importantes sobre a derrocada do Jec desde sua saida do clube há mais de 10 anos.
Infelizmente após a saida de Florêncio foi comprovado que o Jec deixou de ser um clube competitivo,aliás,parou no tempo.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

PMDB CATARINENSE VAI SOZINHO...

...O candidato a governador é Mauro Mariani.

TEATRO CARLOS GOMES DE BLUMENAU,150 ANOS DE HISTÓRIA



Blumenau tem o seu grande teatro...E Joinville quando terá o seu???

Transporte do futuro

Por que ir de bicicleta?

Texto produzido por Willian Cruz, retirado do site Vá de bike http://freeride.blig.ig.com.br/

A maioria das pessoas estranha quem troca o carro pela bicicleta. Para muitos, parece irreal, excêntrico ou coisa de atleta. Alguns até chegam a ver uma ou outra vantagem, mas não poriam em prática. Talvez o fizessem se conhecessem todas as vantagens de usar a bicicleta em vez do carro particular ou do transporte público.

Para ajudar a entender "por que esse maluco faz isso todo dia" e, talvez, para ajudar a convencer mais pessoas a adotar esse hábito (para o bem de todos nós) eu resolvi relacionar aqui todas as vantagens em usar a bicicleta como meio de transporte.

Economia de tempo

Levo sempre 30 minutos no trajeto do trabalho até em casa (e vice-versa), tendo trânsito ou não, com chuva ou com sol, em qualquer horário. De carro, esse tempo varia entre a mesma meia hora (das 23h em diante) a até uma hora e meia (se for um dia de chuva, em horário de pico). Já cheguei a levar duas horas de carro há alguns anos atrás, quando estavam fazendo reformas nas ruas da cidade, em um dia em que estava frio e choveu. Os Desafios Intermodais do Rio de Janeiro e de São Paulo comprovaram que a bicicleta é bem mais rápida que o carro nas grandes cidades, nos horários de pico.

Economia de dinheiro

Combustível, estacionamento, flanelinha, seguro, IPVA, troca de óleo, mecânico, funilaria, retoque na pintura... Tudo isso fica para trás. E as peças e eventuais reparos de uma bicicleta têm custo muito baixo, principalmente se comparados com os de um automóvel. O investimento para adquirir o veículo também é muitíssimo menor.

Menos stress no trajeto

Um sinal que abre e fecha três vezes, vinte metros à sua frente, permitindo a passagem de menos de meia dúzia de carros, não há Cristo que agüente...

Mudança no humor

Além da diminuição do stress relacionado ao trânsito, as endorfinas liberadas pelo exercício contribuem para um relaxamento muscular e mental que faz os praticantes de atividade física regular verem a vida com outros olhos. Meu humor melhorou tanto no trabalho como em casa. Um relacionamento melhor com os colegas proporciona um ambiente de trabalho mais agradável para todos.

Produtividade no trabalho

A produtividade no trabalho aumenta, em decorrência do melhor humor e da diminuição do stress. A cabeça tranqüila permite um melhor julgamento em situações críticas.

Menor preocupação com assaltos

Por incrível que possa parecer, eu fico muito mais tranqüilo na bicicleta do que dentro do carro. Se eu vir uma pessoa com atitude suspeita perto de onde eu parei para esperar o sinal abrir, estando de carro eu só posso rezar. Estando na bicicleta, eu tenho uma visão muito maior do que está em volta, o que me permite fugir rapidamente ao ver alguém com atitude suspeita, evitando o confronto. Além do mais, não dá para fazer seqüestro-relâmpago com ciclista...

Não coloco a vida de outras pessoas em risco

Uma pessoa tem que ser muito criativa para conseguir matar outra com uma bicicleta. Já com os carros, basta tentar acender um cigarro, atender o celular, mudar a estação do rádio ou mesmo olhar para o lado errado na hora errada e pronto, já existe a chance de ceifar a vida de alguém que está na calçada esperando um ônibus. Os veículos automotores causam 30 mil mortes e 320 mil feridos por ano no Brasil. São números comparáveis aos das guerras. Para se ter uma idéia, no ataque às torres gêmeas de 11 de setembro de 2001 morreram cerca de 3 mil pessoas - um décimo do que o trânsito mata por ano aqui no nosso quintal sem a imprensa se dar conta e sem ninguém se comover além das famílias das vítimas.

Não poluo o ar que meu filho respira

Matéria da Folha afirma que em São Paulo morrem oito pessoas por dia devido à poluição e, neste debate com especialistas em qualidade do ar, afirma-se que 90% das emissões de poluentes em São Paulo são causadas pelos veículos automotores. Vejamos: 90% de 8 dá mais ou menos 7 por dia. Não quero ser conivente com esses assassinatos.

Respiro um ar menos poluído

E não é só por não gerar poluição! Ao contrário do que se pensa, o ar dentro dos veículos é mais poluído do que o ar do lado de fora. E quem diz isso não sou eu, é a Cetesb! A "Associação da Qualidade do Ar em Interiores dos Estados Unidos" também afirma isso.

Saúde e vida longa A atividade física regular previne problemas cardíacos, aumenta a resistência aeróbica, reduz a obesidade, ativa a musculatura de todo o corpo, diminui a ocorrência de doenças crônicas e problemas cardíacos e aumenta o tempo de vida em dois anos e meio, em média.

Os resultados físicos são visíveis

Há aumento de massa muscular, queima de calorias e melhoria da capacidade respiratória. É uma academia ao ar livre, mais prazerosa e sem a sensação que muitas pessoas têm em relação a atividades físicas, quando elas são realizadas apenas com o objetivo de perder peso ou melhorar a aparência. Nesses casos, o exercício passa a ser encarado como uma obrigação e não um prazer, o que causa uma taxa de desistência muito grande (não é à toa que as academias hoje em dia obrigam a pagar algumas mensalidades antecipadamente na inscrição). A utilização da bicicleta como meio de transporte não é um compromisso a mais para encaixar na agenda: passa a fazer parte da sua rotina, ocupando um tempo que antes era improdutivo e estressante.

Sensação de liberdade

Não há nada que pague passar tranqüilamente de bicicleta por uma fila de carros parados, não se sentir imobilizado no trânsito, ter 360º de visão, poder olhar o chão e o céu, notar casas, pessoas, cheiros, sons, árvores e pássaros, sentir o sol na pele, o vento no rosto... Precisa mais?

Quer entender melhor? Dê uma chance a si mesmo e tente!

Alexandre L. König
Metrologista

Eng. de Produtos & Qualidade
Tupy S.A.
+55 47 4009-8368 / +55 47 8814-5280

Texto indicado por Marcello Dalla Vechia

Agentes de Trânsito iniciam atuação com uso de bicicletas


No dia 07 junho, os cinco agentes de trânsito que receberam treinamento dado pela bike patrulha da Polícia Militar, iniciaram suas atividades, colocando em prática todo o conhecimento adquirido no curso.

Um dos objetivos da introdução da bicicleta na atuação de trânsito é aproximar os agentes dos munícipes, melhorando o atendimento, sobretudo em vias e logradouros onde é difícil trafegar de carro ou moto.

“Num primeiro momento a prioridade será a fiscalização da área central, principalmente das áreas destinadas aos portadores de necessidades especiais e idosos”, afirma Marcelo Adriano Zgoda, coordenador dos agentes de trânsito.

A entrega oficial das bicicletas foi realizada no último sábado (19/06), pelo prefeito Carlito Merss, no evento de inauguração da área de lazer do bairro Bom Retiro. O investimento total (bicicletas, equipamentos, acessórios e uniformes) é da ordem de aproximadamente R$ 21.000,00.

Colaboração:Marcello Dalla Vechia

Um importante alerta,por Alberto Sayão*

A segurança das barragens brasileiras


As obras de engenharia devem sempre considerar os efeitos de chuvas intensas.
E as barragens não são exceções

MAIS UMA vez a engenharia brasileira se viu diante de uma tragédia. Agora foi o rompimento da barragem de

Algodões, no Piauí, em 27/5.

Desde o ano passado, Algodões era uma barragem doente, que apresentava problemas sérios. Os responsáveis demoraram no diagnóstico e subestimaram a doença. O remédio veio fraco e tardio. Com a confirmação de pelo menos sete pessoas mortas, esse foi o maior acidente com barragens já registrado no país.

Mais uma vez a chuva foi rapidamente apontada como a culpada pelos governantes, pelos responsáveis e pelos irresponsáveis. O rompimento da barragem e a inundação resultante foram classificados como súbitos ou inesperados. São argumentos que não se sustentam quando avaliados com um mínimo de seriedade.

As obras de engenharia devem sempre considerar os efeitos de chuvas intensas. E as barragens não são exceções. Pelo contrário, são projetadas para resistir à pior inundação prevista para acontecer em milhares de anos.

Anualmente, muitas barragens rompem no país. Em reunião técnica realizada na ANA (Agência Nacional de Águas), horas antes da tragédia do Piauí, falou-se em 800 acidentes ou incidentes com barragens brasileiras nos últimos oito anos. Ou seja, em média, a cada três ou quatro dias, uma barragem apresenta graves problemas no Brasil. A grande maioria sem divulgação na mídia nacional.

Nesse cenário alarmante, com a população passando a temer as barragens, pode parecer contraditório afirmar que a nossa engenharia de barragens é uma das mais conceituadas do mundo. Sabemos projetar e construir barragens seguras, com tecnologia que nada fica a dever a nenhum país. A culpa desses inúmeros acidentes pode ser atribuída à má gestão. Existem hoje no Brasil centenas de barragens sem dono, sem um responsável privado ou governamental. Centenas de barragens abandonadas, sem vistorias, sem avaliação, sem monitoramento, sem manutenção. Precisamos urgentemente regulamentar a segurança das barragens.

No Brasil, políticos e governantes não dão importância à gestão das barragens. Se dessem, já teriam aprovado um projeto de lei sobre o assunto (PL 1181/03), que tramita há anos e sem pressa na Câmara dos Deputados.

Segurança de barragens tem sido tema frequente de encontros técnicos no Brasil, reunindo os maiores
especialistas nacionais e estrangeiros. Como resultado, em dezembro de 2008, duas tradicionais entidades da nossa engenharia, o CBDB (Comitê Brasileiro de Barragens) e a ABMS (Associação Brasileira de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica), lançaram uma carta aberta, com recomendações relevantes sobre o assunto. A criação de um órgão específico, tal como uma comissão federal sobre segurança de barragens, é de extrema importância para definir responsabilidades e implantar procedimentos padronizados. É assim nos principais países desenvolvidos.

Um bom exemplo vem de Minas Gerais. Após a ruína da barragem da Mineração Rio Verde, em 2001, a pressão da sociedade levou a Secretaria do Meio Ambiente a implantar um programa estadual de segurança. Foram estabelecidos os requisitos para a concessão e a renovação de licenças das barragens de mineradoras classificadas com maior potencial de dano.

Os proprietários devem apresentar um plano de ações emergenciais, delimitando a área afetada no caso de eventual rompimento. E devem ainda apresentar anualmente um relatório de segurança, emitido por especialista independente. O órgão ambiental tem poder para negar a licença se os requisitos não forem atendidos.

No caso de Algodões, a emergência fora anunciada no início de maio, quando milhares de residentes foram removidos das áreas a jusante da barragem. A decisão sobre o eventual retorno das famílias não poderia ser tomada em ambiente de pressões sociais e políticas. A situação requeria uma avaliação especializada, com um painel independente de técnicos.

Na área da saúde, uma emergência sobre pandemia é tomada em reunião de médicos especializados. Na Justiça, as decisões são tomadas por magistrados e juízes. Mas a nossa engenharia anda mesmo sem prestígio: a decisão sobre o risco de ruptura da barragem Algodões foi tomada por um engenheiro cercado de políticos, bombeiros e leigos. As vidas dos moradores foram decididas numa reunião de fundo político.

A situação da segurança das barragens permanece indefinida. As autoridades precisam se sensibilizar para não repetir erros. Talvez a grande tragédia de Algodões possa ao menos contribuir para reverter a situação.

*ALBERTO SAYÃO, doutor em engenharia civil, é professor da PUC-RJ (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro) e ex-presidente da ABMS (Associação Brasileira de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica). sayao@puc-rio.br

Colaboração:Milton Wendel

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Muita novidade no cenário político catarinense

Nada está definido.Muita pedra irá rolar até sábado.

Asfaltamento urgente nessas ruas

A rua Piratuba no Bom Retiro precisa urgente de asfalto e a rua Prudente de Moraes no bairro Santo Antonio também.É uma vergonha o estado dessas duas importantes vias da cidade.

terça-feira, 22 de junho de 2010

O Sindicato dos Mecânicos informa:

No final da última sexta-feira, 18 de junho, o Sindicato dos Mecânicos recebeu a notícia de que os bancos credores da Busscar negaram o pedido de financiamento em relação ao projeto Guatemala. As razões são o alto risco de refinanciamento e grande incerteza de retorno desses novos recursos, caso fossem liberados, e garantias incompatíveis para o montante exigido em relação à urgência que a empresa precisa. Ou seja, a crise continua e ainda mais grave.
Até o momento os trabalhadores da Busscar Ônibus amargam um atraso de 75 dias nos salários e 202 dias no décimo-terceiro de 2009. Com uma situação desta, não há condições de sobrevivência das famílias de mais de três mil trabalhadores ainda ligados à empresa. O Sindicato inclusive lançou campanha de arrecadação de alimentos para reduzir o sofrimento dessas famílias, e que precisa de apoio da comunidade.
Ontem, segunda-feira (21/6), o Sindicato participou de reunião com trabalhadores da empresa e seu diretor presidente, Claudio Nielson, num clima de desesperança que se via no ambiente. O presidente João Bruggmann apresentou mais duas sugestões para a empresa diante de todos os trabalhadores presentes: liberação dos trabalhadores com baixa em carteira para que possam receber seguro-desemprego e FGTS, e que os acionistas, donos da empresa, apresentem uma carta de intenções aos bancos credores para que entrem como acionistas e façam a empresa funcionar e retomar a produção.
“A situação dos trabalhadores e trabalhadoras é gravíssima, as pessoas passam por graves dificuldades financeiras, faltando alimentos em casa, prestações atrasadas, pensões alimentícias atrasadas e tudo o mais. Se a empresa não paga os salários e não dá solução a tudo isso, que liberem as pessoas que quiserem. O Sindicato homologa a rescisão com ressalvas. Pelo menos os trabalhadores podem ter alguma renda para colocar a vida em dia e buscar um novo rumo na vida”, declarou Bruggmann.
Na questão da carta de intenções aos credores para que entrem como acionistas em troca das dívidas e administrem uma nova fase, João Bruggmann entende ser urgente a iniciativa para que os bancos credores se posicionem se querem ou não assumir a empresa, reerguê-la para continuar a gerar empregos e renda.
“Vejo que há entraves, como já dizíamos tempos atrás sobre mudança na administração. Tecnicamente os bancos credores não admitem conceder mais recursos, faltam garantias e tudo o mais. Então que os acionistas coloquem claramente a intenção de abrir a empresa para os novos acionistas, os bancos credores e até o BNDES, e que eles digam se aceitam ou não assumir esse desafio. Nós pensamos que é a melhor saída porque pode fazer a empresa retomar a produção, manter empregos, gerar renda e deixar forte uma marca forte do Brasil. Seria bom para Joinville, Santa Catarina e o país”, destaca o presidente João Bruggmann.
Hoje uma comitiva formada por trabalhadores da empresa, acompanhados de dois diretores do Sindicato, seguiu à Brasília para ainda tentar alguma coisa sobre créditos do IPI junto ao Governo Federal, assunto do qual o Sindicato já tem posicionamento conhecido. O Sindicato cumpre assim o que prometeu: acompanhar até o fim todos os passos da crise da Busscar, seja o fim qual for.
Além das já conhecidas ações do Sindicato para cobrar esses salários atrasados e décimo atrasado, direitos trabalhistas e outros detalhes, há também a ação na Justiça do Trabalho, ainda sem despacho do Juiz. Essa ação visa impedir a venda dos bens da empresa e acionistas para garantir, em caso de falência, o pagamento de todos os trabalhadores. O Sindicato continua à disposição dos trabalhadores e trabalhando para que essa crise tenha um final, se possível ainda feliz.

Fonte:www.sindmecanicos.org.br(22/06/2010)

Como é que ficou???

Como é que ficou a situação da Busscar??? Afinal,conseguiram o dinheiro??? Situação chata.

O Ferrão do Lutador,por Paulo Curvello

Ser técnico da seleção brasileira de futebol, de ascendência ítalo-germânica, gaúcho, do signo de escorpião e desafeto da rede Globo dá uma mistura bombástica. Não adianta ganhar todos os campeonatos nos quase quatro anos. São pelo menos 50 milhões de entendedores de futebol que discordam dele. Outros milhões que não tem opinião própria e se deixam influenciar pela mídia, principalmente a Globo, a maior rede. Dunga era um líder em campo como jogador. Hoje, lidera um grupo milionário. Na copa de 1994, a comissão técnica colocou Dunga como companheiro de quarto de Romário, para que domasse o indisciplinado, mas imprescindível. Foram campeões. Na carreira de jornalismo, o primeiro degrau, para os homens, deve ser a seção de esportes. É mais fácil de palpitar. Quem mostra competência e conhecimento em outros assuntos (economia, política, etc.) é promovido. Quem não tem, permanece no futebol.
Ser comentarista na mídia escrita, requer um conhecimento razoável da língua. Ser comentarista apenas com as palavras é muito mais fácil. Decora chavões, frases feitas, redundâncias, deduz o que quer, palpita à vontade. Tanto o que escreve, quanto o que fala, tem que preencher espaços. O Dunga sabe disso. Sabe que inventariam notícias sensacionalistas, deduções sem embasamentos, fofocas, crises. E ele não quer crise dentro do grupo, ele só quer ser campeão. Daí, as portas fechadas. Quem tiver competência que analise táticas, estratégias. Quem não tem, que chupe o dedo pela falta de polêmica. Dunga é guerreiro, com espírito de vencedor. Como desportista ficou longe da genialidade de Pelé, Ayrton Senna. Como técnico, está distante das mudanças táticas de Telê Santana. Mas em ambas as funções, lutou e luta obstinadamente, mesmo que suando mais que os gênios. A Globo se crê dona do futebol brasileiro (e da opinião pública sobre qualquer assunto). Ela quer exclusividade, acesso privilegiado, influenciar e o poder de criticar (palpitar) despudoradamente. Só que ela encontrou pela frente um funcionário dedicadíssimo, que assume a responsabilidade, não foge dela. Ele é o técnico, não a Globo. Claro que após a Copa ele vai cair, mesmo sendo Hexa. A CBF vai se render a alguma negociação milionária com um herdeiro da família Marinho. Ainda mais pelo uso dos palavrões, traduzidos para o mundo, o que lhe dá a pecha de destemperado para um cargo que sofre pressões. Aí ele errou, faltou-lhe uma dose de hipocrisia, cinismo, ironia fina. Ele aferroa de forma direta, é da sua natureza, quase ingênua.

Paulo Curvello
Balneário Camboriú
curvell@terra.com.br

É, o frio chegou


É,o inverno está aí.Frio com sol é uma coisa.Frio com chuva é outra coisa,mas é o nosso frio aqui de Joinville.Por isso muitos falam que o inverno de Joinville é uma coisa horroroooosa.

UDESC,UMA GRANDE UNIVERSIDADE

Com certeza a UDESC merece o respeito de toda comunidade catarinense...A UDESC é referência no ensino superior do Brasil e é reconhecida também no exterior...Parabéns a todos professores,alunos e funcionários dessa instituição que é um orgulho para Santa Catarina.

ARCHÉS PSICOLOGIA CLÍNICA CONVIDA:

PROGRAMAÇÃO ESPECIAL

1º semestre 2010

Café com Conversa

Os Cafés são palestras abertas, às 18:30 horas, faça sua reserva. Valor: R$5,00

Self - Centro e Circunferência

24 de junho

Psicóloga Katia Voigt

Próxima semana

Educação Somática

01 de julho

Psicólogo Paulo Borges

· Informações e inscrições pelo telefone ou e-mail - Reservas antecipadas

Archés- Psicologia Clínica

Rua: David Carneiro, 431 - São Francisco,em Curitiba - Paraná

3252-2421 / 30168699

arches@arches.psc.br

Corpo Clínico

Agda Emiliano – psicopedagoga, especialista em neuropsicologia - CNPQ curriculum lates - u 9972-6630

Aracéli Spannemberg - psicóloga clínica junguiana- CRP 08/9480 - u 9902-3936

Igor A. Pinheiro – especialista em psicologia corporal – CRP 08/15278 – u 8459-4401

Jones de Souza Filho – psicólogo clínico junguiano– CRP 08/5490u 9955-8222

Katia Voigt - especialista em psicologia analítica - CRP 08/5715u 9192-5756

Maíra C. D’Angelis - psicóloga clínica - CRP 08/15474 - u 9191-4864

Marilda Alves da Costa – psicóloga clínica sistêmica – CRP 08/14210 – u 9229-0176

Paulo Borges - especialista em psicologia corporal - CRP 08/14555 - u 8462-5162

Nossas Atividades

Clínica: psicoterapia e supervisão clínica

Centro de Estudos: cursos em psicologia analítica, cursos em psicologia corporal, palestras e orientação de monografias


Quero agradecer ao amigo Décio Góes...


...Que criou um novo cabeçalho para o Feudalismo Atual.Achei muito bacana...Valeu Décio!!! *Clique sobre a imagem para visualizar melhor*

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Inauguração da Unidade de Monitoramento Ambiental

Comunicado da Gerencia Regional do Ministério do Trabalho e Emprego de Joinville

O Ministério do Trabalho e Emprego, através a Gerência Regional do Trabalho e Emprego em Joinville, vem a público comunicar que suas atividades serão suspensas no período de 21/06/2010 à 25/06/2010. A medida se deve à mudança de endereço. Outrossim, os contatos telefônicos não estarão em funcionamento, uma vez que, todo o sistema operacional estará sendo transferido para o novo prédio. O atendimento ao público reiniciará suas funções na data de 28/06/10, (próxima segunda-feira), em seu novo endereço à Rua Princesa Izabel, 95- Centro, no horário das 8h30. Solicitamos a compreensão da comunidade, pelos transtornos ocasionados. A mudança para o novo prédio se faz necessária, para mais qualidade e conforto ao trabalhador joinvilense, na prestação de serviços que lhes são oferecidos. Antecipadamente agradecemos a compreensão de todos.

Eliane Ghisi

Gerente Regional

Enviado por WF Comunicação(21/06/2010)

sábado, 19 de junho de 2010

Joinvilense continua pagando caro por etanol

O preço dos combustíveis continua alto em Joinville...O etanol por exemplo,custa em média R$1,65.

Em Curitiba o consumidor paga R$1,15.

Pagar R$0,50 a mais não é justo.Alguém pode me responder o por que dessa enooooooorme diferença???

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Até estou vendo...


...O que é isso??? Que conta é essa??? Preferia aquela época que o rio Cachoeira era poluído...é o que vão falar por aí.

Quero ver quem pagará a conta

Todo mundo reclama(e com razão) da falta de esgoto sanitário em Joinville.Só quero ver(e já vi) o povo reclamar da fatura para pagar quando chegar em casa.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Apoio ao alargamento das calçadas

Opa!!!

APOIO O ALARGAMENTO DAS CALÇADAS...
Espero que essa medida seja estentida a rua Dr João Colin e XV de Novembro.
AS PESSOAS TAMBÉM ANDAM A PÉ!!!

Buenas
Marcello Dalla Vechia

Bullying e assédio moral (Parte III)

A vida para o prazer, isto é, o hedonismo radical cria um certo vazio, quando não se pode consumir o que a publicidade tanto alardeia. É neste vazio, nesta falta de sentido para a existência, que se forma a cultura da violência sem motivo ou razão aparente. A farsa da vida é preenchida por algo que lhe dê uma direção de poder, alimentando com o ódio o que não pode ser preenchido com os limites do sistema. Não posso comprar tudo o que vejo, mas posso tiranizar os mais próximos, sem maiores problemas.

Imaginando-se a situação de alguém mais produtivo e eficiente, é usual que o coletivo onde esteja inserido, se for fraco e descompromissado, o veja com desconfiança e incompreensão. Daí é um passo para se tentar destruí-lo, porque ele funciona como uma espécie de espelho das fraquezas dos demais. Algumas vítimas de bullying são os alunos mais esforçados e inteligentes. O assédio moral é fortemente usado para agredir os que, no ambiente de trabalho corrompido, têm um comportamento que os diferenciam pela responsabilidade, independência de qualquer fonte de poder, seriedade e capacidade profissional. As críticas recebidas pelos servis e bajuladores não se podem enquadrar em atos de assédio, até porque, no atual contexto, elas são raras e se vinculam a outra compreensão política do mundo.

O assédio moral é um conjunto de práticas violentas relacionadas às ideologias preconceituosas que assolam as mentes do tempo presente. Nos atos de violência que o caracterizam encontram-se facilmente elementos do racismo, do sexismo, da homofobia, do idadismo e do preconceito contrário à inteligência. A orientação político-ideológica e a formação moral também podem ser motivos. Muitas pessoas são perseguidas por pertencerem a grupos sociais, no contexto, em desvantagem. Ninguém revela, em profundidade, porque perseguiu ou está perseguindo. O preconceito imanente ao ato permanece secreto e negado pelos algozes.

A violência do bullying escolar transforma-se facilmente em vias de fato. O assédio moral, entre adultos, raramente, gera episódios físicos de contato direto. Todavia, são conhecidos inúmeros casos de violência verbal, de isolamento de pessoas e outros atos de hostilidade direta ou disfarçada. Os mestres do assédio são hábeis manipuladores, capazes de arregimentar a outros, com suas mentiras e intrigas. Procuram, como na inquisição medieval, ‘queimar’ suas vítimas, buscando um consenso de grupo sobre os alvos escolhidos. Os danos provocados são evidentes. Perde o grupo por produzir sua própria autofagia. Perde a vítima que nem sempre consegue suportar e resistir, desestruturando-se.

No assédio moral, há elementos do fascismo líquido já comentado em outras oportunidades. Não é necessário que os executores do assédio saibam sua coloração política ou compreendam a que deuses servem. Estando envolvidos no processo, eles simplesmente repetem o que apreenderam com outros manipuladores. Manipulam e acabam sendo presos da mesma teia que ajudam a tecer. Os verdadeiros donos da teia, por vezes, estão longe e são invisíveis para os algozes e suas vítimas. Urge rasgar a cortina e revelá-los.

Em todas sociedades humanas sempre existiram fortes e fracos. As crianças, principalmente as mais pobres, são os mais fracos de nosso tempo. Mas, há outros e outros grupos que precisam de proteção. Diz-se que há civilização, direitos humanos etc, se os fracos são protegidos dos que tem mais poder. Se isto não existe, vive-se em plena barbárie.

(*) Luís Carlos Lopes é professor e escritor.

Bullying e assédio moral (Parte II)

Há sempre objetivos não revelados nestes ataques. A variação é muito grande. Há quem tenha prazer pessoal sádico enlouquecido de agir assim, destruindo pessoas. O ódio pode ser alimentado por ciúmes, invejas e demais sentimentos dos baixos instintos. É comum que estas manifestações também escondam outros motivos de ordem política, ideológica e moral. Os que praticam o assédio raramente revelam os seus verdadeiros motivos para tentar destruir alguém que está tão próximo. Normalmente, eles projetam em seus alvos suas frustrações e incapacidades profissionais e pessoais.

Estes fatos ocorrem nas áreas públicas e privadas, sendo comum em sociedades com a vivência histórica e social de alto grau de violência real e simbólica. A existência de mídias centradas na exibição acrítica da violência explica parcialmente o problema. A fragilidade da capacidade de mobilização macropolítica atual tem outro quinhão. Há registros da ocorrência de casos em escolas de qualquer nível. Tais práticas refletem a dificuldade de integração dos grupos, porque não existe o entendimento mútuo, ou porque ele não é desejado por quem detêm o poder micropolítico em cada organização. Isto leva a algumas pistas para compreender o que vem acontecendo.

Com o desenvolvimento do capitalismo contemporâneo, o individualismo e a competição interpessoal cresceram muito. Quanto mais alienado e convencido pelas prédicas do sistema, as pessoas mais se imaginam como indivíduos isolados que deveriam disputar todo o dia uma espécie de corrida pela taça de ouro, pisando em quem estiver por perto ou possa atrapalhar. Junto a isto, o velho carreirismo transformou-se em algo natural. Quem não o adota é visto como uma avis rara, que precisa ser eliminada.

Continua...

Bullying e assédio moral ,por Luís Carlos Lopes*

Vale a pena ler esse texto até o final,ok!!!

Em vários ambientes, tem sido notada a presença de relações interpessoais baseadas em diversos tipos de agressão. Estas estão longe de ser os antigos apelidos, a tentativa de integração por meio de rituais de aceitação do novato pelo grupo ou o velho costume de afirmar moderadamente a superioridade real ou imaginária de uns sobre os outros. Essas novas práticas referem-se ao ataque radical aos mais fracos, aos que têm maiores dificuldades de se defender, aos diferentes etc. Em inúmeros casos, chega-se à agressão física e/ou ao constrangimento moral total.

As conseqüências destas práticas entre crianças e adolescentes são muito graves. Levam, por exemplo, ao abandono e à evasão escolar e à construção de personalidades formadas e tangidas pelo medo e pelo ressentimento. Não são menores, quando atingem adultos, podendo provocar a perda de empregos, o isolamento social e facilitar o desenvolvimento de doenças de natureza psicológica. Existem os casos que levam ao suicídio ou ao assassinato. O linchamento moral é algo que se assemelha ao linchamento físico. Deseja-se a morte de seu objeto. Se ela não é possível de fato, quer-se alcançar a destruição e/ou o afastamento/expulsão de seus alvos.

O bullying infanto-juvenil escolar é um tipo de assédio moral absurdamente irracional que rompe com as velhas regras de coleguismo e de espírito de grupo. É muito diferente das antigas brigas de turma de colégio, isto é, confrontos entre grupos de origens diversas. Ele ocorre no seio da mesma instituição, entre alunos que se conhecem e muitas vezes são vizinhos. São comuns entre adolescentes de várias faixas etárias. Alguém é escolhido para ‘pato’. Nesta pessoa, o ódio do grupo é depositado com vigor, incluindo-se xingamentos e episódios lamentáveis de violência física. Com as facilidades de gravação e difusão disponíveis, estas barbaridades chegam algumas vezes à Internet e até a TV.

O assédio moral no ambiente adulto assume inúmeras variações, que respeitam o contexto específico onde ele ocorre. Trata-se de uma forma de abuso, que usa de subterfúgios para tentar destruir o objeto escolhido. A ‘fofoca’ transforma-se na intriga, na invencionice e na maledicência. Os limites entre o público e o privado são abandonados e desconsiderados. As pessoas são atacadas de acordo com os preconceitos acreditados. São pressionadas, admoestadas e maltratadas, sem que isto se relacione de modo direto com as atividades que desenvolvem.

Continua...

Maracanã 60 anos

Ontem dia 16 de Junho, um senhor respeitável completou 60 anos.

Apesar da idade avançada, não houve por parte da mídia nenhuma grande menção ao feito.

E olha que estamos em plena realização de mais uma Copa do Mundo de futebol.

Esse senhor chama-se Estádio Jornalista Mário Filho ou simplesmente , Maracanã.

Fundado em 16 de junho de 1950, o Maracanã foi criado exclusivamente para sediar a fatídica copa do mundo de 1950, onde as lembranças não são das melhores.

O Maracanã foi inicialmente construído para comportar 166.369 pessoas, entre a geral (reaberta em 1999), arquibancada, cadeiras comuns, cadeiras especiais, camarotes e tribunas.

No dia 31 de Agosto de 1969, nas eliminatórias da Copa do Mundo de 70, o jogo Brasil e Paraguai recebeu 183.341 torcedores (recorde de público da história do Maracanã)!

Foi um jogo que entrou para história do Maracanã e olhem qual era a escalação do Brasil:

Félix (Fluminense-RJ), Carlos Alberto Torres (Santos-SP), Djalma Dias (Santos-SP), Joel Camargo (Santos-SP) e Rildo (Santos-SP); Wilson Piazza (Cruzeiro-MG) e Gérson (Botafogo-RJ); Jairzinho (Botafogo-RJ), Tostão (Cruzeiro-MG), Pelé (Santos-SP) e Edu (Santos-SP). Técnico: João Alves Jobim Saldanha.

Podem notar, que nessa seleção de craques , a base, era o time do Santos.

A minha geração ( em torno de 50 anos) nunca viu uma Copa do Mundo em seu País,.

Torçamos que em 2014 estejamos saudáveis para poder estar lá e ver uma final onde o Brasil se consagre mais uma vez Campeão do Mundo de Futebol. Seria o êxtase para quem gosta de futebol.

Parabéns Maracanã !!!!!

Paulo Curvello

curvell@terra.com.br

Bullying e assédio moral: outros ovos da serpente

Muitas pessoas são perseguidas por pertencerem a grupos sociais, no contexto, em desvantagem. Ninguém revela, em profundidade, porque perseguiu ou está perseguindo. O preconceito imanente ao ato permanece secreto e negado pelos algozes.

Luís Carlos Lopes

terça-feira, 15 de junho de 2010

Uma aula de política

Para quem gosta de política,o programa Contraponto com o deputado federal Mauro Mariani foi uma verdadeira aula.

Galvão Bueno comenta o que o telespectador não vê

A imagem diz tudo...Infelizmente a Rede Globo insiste com o "comentarista" Galvão Bueno...Quando que a emissora carioca terá novamente um verdadeiro narrador???

Nada de anormal na Copa

Por enquanto tudo normal...Brasil,Argentina,Alemanha ou Itália estarão na grande final...Mas acredito que a Holanda irá surpreender,vamos esperar.