.

Colabore com o Feudalismo Atual escrevendo para o e-mail: juliano.bueno1971@gmail.com

sábado, 26 de junho de 2010

Caia fora, é fria,um texto de Luiz Carlos Prates

A pessoa mete a mão no bolso e acha o que pegar. Esse pegar traz segurança, sorriso aos lábios, passos firmes, nada como o dinheiro no bolso... E todos podemos ter dinheiro no bolso, dinheiro, eu disse, não esses cartõezinhos plásticos de quem não tem onde cair morto...

Sabemos que dinheiro é afrodisíaco, que dinheiro “compra” até mesmo amor verdadeiro, haja vista as gurias de 25 anos que vemos por aí com velhotes trôpegos...

Dinheiro é o criador dos mais belos sorrisos. Sem ele, só mesmo um bom sonho para nos alimentar a alma e nos fazer lutar com mais força para chegarmos até... até o dinheiro.

Estou saindo da minha linha habitual de “desvalorizar” o dinheiro e enfatizar sonhos, paixões, ideais, essas coisas. É triste ver pessoas sofrendo por imprudências evitáveis.

Dia desses, uma amigona me contava por telefone da enrascada em que se meteu, mas que dela já se livrou, ao comprar uma casa em parceria com um sujeito a quem namorava. Daqueles namoros incendiários, tudo vai dar certo, seremos felizes, confio em ti, e coisa e tal. Uma fria, o cara era um molengão, passou-a para trás e ela ficou com a maior parte da dívida. Agora aprendeu...

Ah, e que fique esse aviso às apaixonadas: comprar bens, patrimônios, junto com um namorado qualquer, sem ser casada, sem papel assinado, sem a bênção do padre, neca peteca, querida. Caia fora, é fria, você vai se dar mal. Case primeiro, sem essa de se juntar e achar que vai dar certo. Ademais, por que o pilantra não quer casar, humm? Ora, porque lhe é vantajoso viver como casado e continuar solteiro, tonta...

Veja esta manchete: Inadimplência cresce. Quer dizer, o pessoal comprou sem ter dinheiro, apostando no futuro, na sorte, e agora vê-se diante das malhas do SPC. Nesses casos, quem tem vergonha na cara perde o sono. Quem não tem, termina o casamento...

E note este trecho de um artigo intitulado As Finanças da Família: “Os consumidores casados lideram a inadimplência entre os usuários de cheque no Brasil...” Quer dizer, casados caloteiros. Cheque sem fundo é coisa de bandido.

E as inadimplências entre casados aumentam os conflitos, as brigas, dizia o artigo. Quem não sabe?

Na média brasileira, cada cidadão tem, hoje, três cartões de crédito. Está explicado. O Brasil vai falir, e os casamentos acabam antes disso. Acabam para os irresponsáveis que gastam o que não têm no bolso. Será que os pais dizem isso aos filhos?

Fonte:Jornal Diário Catarinense(26/06/2010)

Nenhum comentário: